Mensagem do Presidente

ANA CALDEIRA

Presidente do CPP (2019-2021)

Caros colegas

Foi com enorme prazer, mas também com grande sentido de responsabilidade, que, em Junho, assumimos a direção do Clube Português do Pâncreas para o biénio 2019-2020.

O pâncreas era, até há alguns anos, um órgão ainda pouco conhecido. Nas últimas décadas os avanços científicos, quer a nível dos exames de imagem quer do ponto de vista molecular, permitiram grandes avanços no nosso conhecimento sobre esta glândula. Associado a esse crescimento científico, houve um concomitante interesse crescente pela população em geral e pelos grupos de interesse em particular.

Ora, o Clube Português do Pâncreas, como secção especializada da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia, representa, sem dúvida, um dos maiores grupos de interesse nesta área no contexto nacional. 

Os gastrenterologistas são os médicos que mais lidam, diariamente, com a doença pancreática. Seja na orientação e seguimento em consulta dos doentes que sofrem de doenças do pâncreas, seja no contacto com estes doentes quando referenciados para realização de procedimentos endoscópicos ou ecográficos. 

O médico gastrenterologista tem por obrigação saber adequar o melhor tratamento médico ou cirúrgico ao doente com patologia pancreática.
Mas lembramos que o pâncreas é um órgão escondido no retroperitoneu, é preciso estar alerta para detectarmos precocemente os seus sinais e sintomas, é preciso conhecer a população e os comportamentos de risco, é preciso lembrar e relembrar que o pâncreas esta lá e tantas vezes sofre em silêncio. 

O CPP visa unir os gastrenterologistas mais interessados nesta área, de forma a manter viva a procura de conhecimento, a atualização de saberes, a evolução necessária na capacidade diagnóstica e terapêutica de que dispomos e que está, em grande medida, nas nossas mãos.

O pâncreas preocupa e mata! A incidência do cancro do pâncreas tem tido um incremento avassalador nomeadamente em indivíduos mais jovens; a patologia quistica é cada vez mais prevalente, ou cada vez mais diagnosticada, e tantas vezes geradora de ansiedade e medo pelo doente e alguma incerteza e dúvida pelo médico. É tarefa do CPP, procurar desmistificar alguns mitos criados em torno da patologia pancreática, mas também alertar para a importância do reconhecimento precoce dos sinais de doença maligna ou de condições de risco.

A pancreatite crónica, nomeadamente associada ao consumo excessivo de álcool, é uma realidade a não descurar num pais em que os hábitos etílicos são um flagelo nacional, principalmente em algumas áreas geográficas, e desde tenra idade. 

Esta direção, pretende continuar o trabalho desenvolvido pelas direções anteriores, tentando sempre, acrescentar mais qualquer coisa, de forma a irmos construindo um caminho seguro e vinculativo da importância da doença do pâncreas na Gastrenterologia Nacional. O site foi renovado e tentaremos mante-lo ativo e dinâmico de forma a que possa corresponder às expectativas de quem o procura. Tentaremos desenvolver novas publicações/recomendações sobre patologia pancreática, à semelhança daquela que foi já publicada no mandato anterior, sobre Pancreatite Crónica; para que possam constituir uma boa ferramenta de estudo dos internos mas também especialistas.

É ainda nossa intenção, a criação de um Curso para Internos, com periodicidade bienal, onde possamos em 1 a 2 dias, rever todos os temas mais importantes da patologia pancreática, sistematizando assim o conhecimento fundamental nesta área, que qualquer gastrenterologista deve dominar.

É nosso objectivo corresponder aos desejos pancreáticos dos gastrenterologistas portugueses e desta forma angariar novos sócios para um grupo que se quer profícuo de ideias, motivações e concretizações!

Vamos ao trabalho, que 2 anos passam a correr!

Ana  Caldeira

Direção

CATARINA RODRIGUES

Secretária-Geral

ricardo rio tinto

Vogal

Alexandra fernandes

Vogal

eduardo rodrigues pinto

Vogal