500 anos após uma incrível e sangrenta circunavegação do globo

A coroa espanhola estava obcecada com o fato de que os portugueses não o anteciparam a descoberta da passagem entre os oceanos Atlântico e Pacífico. E nada melhor do que recorrer a um piloto português. Assim foi contratado Don Fernão de Magalhães, que com seu passe de equipe ficou conhecido como Hernando de Magalhães.

O dinheiro para financiar a expedição teve que ser trazido pelos interessados, e Magalhães encontrou um do rico comerciante Cristóbal de Haro.

A expedição de Magalhães chegou à baía de San Julián, na atual província de Santa Cruz, em março de 1520. O capitão português decidiu que “tinha que passar o inverno” e esperar pela primavera.

Os marinheiros começaram a se maravilhar com o que viram, como atesta este texto do cronista da expedição, o italiano Antonio Pigafetta: “Um dia, fomos apresentados a um homem de estatura gigantesca. Eu estava na praia quase nu, cantando e dançando ao mesmo tempo e jogando areia em sua cabeça. Este homem era tão alto que com nossas cabeças mal atingimos sua altura. (1)




O veleiro espanhol Pros, que reproduz a primeira circunavegação ordenada por Magalhães e Elcano. EFE/Antonio Lacerda

Alguns dizem que daqui deriva o nome de toda a região sul da Argentina e Chile conhecida como Patagônia, porque os homens de Magalhães chamavam esses habitantes originais de “Patagônias”.

Quando Magalhães percebeu os primeiros sinais de mudança do tempo, ordenou que a frota partisse imediatamente. Mas muitos marinheiros temiam que, indo mais para o sul, desaparecessem do mapa.

Elcano chegou ao porto de Sanlúcar de Barrameda em 6 de setembro de 1522, com apenas 18 sobreviventes dos 280 que haviam partido com Magalhães quase três anos antes.

Felipe Pigna, historiador

As condições da viagem eram terríveis segundo Pigafetta: “28 de novembro de 1520. Saindo do estreito. Na quarta-feira, 28 de novembro, saímos do estreito e entramos no grande mar, que chamamos de Pacífico, no qual navegamos por três meses e vinte dias sem provar comida fresca.

O biscoito que comíamos não era mais pão, mas pó misturado com minhocas e fedia insuportavelmente por estar encharcado de urina de rato. A água que fomos obrigados a beber era pútrida e malcheirosa. Para não passar fome, chegamos à terrível fase de comer pedaços de couro, tão duros que tivemos que deixá-los de molho no mar por dias para amolecê-los um pouco, e comemos logo em seguida. (deles)

Itinerário da primeira circunavegação do globo.  / Arquivo, Arquivo


Itinerário da primeira circunavegação do globo. / Arquivo, Arquivo

Motins, mortes e travessias oceânicas

Diante de tal cenário, a tripulação encenou um motim. Magalhães tomou medidas drásticas: dois capitães, Luis de Mendoza e Gaspar Quesada, foram mortos à espada; e um e o padre Pedro Sánchez Reina foram abandonados na costa. Magalhães conseguiu suprimir esse motim, mas logo outro eclodiu e um navio inteiro, o San Antonio, voltou com os rebeldes para a Espanha.

Em última análise, Magalhães conseguiu atravessar o estreito, que mais tarde levaria seu nome, entre 21 de outubro e 27 de novembro. Ele o batizou de Todos os Santos.

na costa sul ele avistou aldeias nativas com grandes fogueiras para mitigar o frio extremo e chamou a ilha de Tierra del Fuego. No dia 28, Magalhães e seus companheiros já navegavam no Pacífico em direção às Ilhas Marianas.

Eles foram os primeiros europeus a chegar ao arquipélago que mais tarde se chamaria Filipinas e Magalhães chamado San Lázaro.

Na madrugada de 27 de abril de 1521, enquanto visitava a ilha de Mactan eles foram surpreendidos pelos habitantes originais que os atacaram com lanças. Entre os mortos estava Magalhães. A tripulação decidiu continuar a expedição às Molucas, já sob o comando de Sebastián Elcano.

O trato com os nativos era mais pacífico e conseguiram encher os porões dos navios com espécies tão valiosas e zarpar para a Espanha em uma viagem cheia de acidentes que incluiu vários tumultos e superação de tempestades cruéis. Um dos navios sofreu uma grave avaria e regressou às Molucas.

Elcano estava à frente do navio Victoria, que se dirigia ao Cabo da Boa Esperança, no extremo sul da África. Dali circunavegou o continente evitando paradas em portos que estavam em mãos portuguesas.

Sébastien Elcano.  / Arquivo, Arquivo


Sébastien Elcano. / Arquivo, Arquivo

Passando por Moçambique, a impaciência da tripulação quase terminou em um novo motim o que levou Elcano a decidir correr o risco de desembarcar na colônia portuguesa de Cabo Verde por absoluta falta de alimentos.

Quando o governador lusitano notou a presença dos espanhóis ordenou sua perseguição. Vários membros da tripulação foram capturados. enquanto os demais fizeram a retirada.

A Lei Elcano

Elcano atravessou o Oceano Índico e circunavegou o continente africano. Chegou ao porto de Sanlúcar de Barrameda em 6 de setembro de 1522, com apenas 18 sobreviventes dos 280 que partiram com Magalhães. quase três anos atrás.

Assim recorda Pigafetta: “Graças à Providência, no sábado, 6 de setembro de 1522, entramos na baía de Sanlúcar… Segundo a nossa contagem, percorremos mais de catorze mil quatrocentas e sessenta léguas, e demos a volta ao mundo… Na segunda-feira, 8 de setembro, ancoramos perto do cais de Sevilha e descarregamos toda a nossa artilharia”.

Em Sevilha, foram recebidos por funcionários reais da Casa de Contratación e Elcano visitou o Templo de Nossa Senhora da Vitória e a Capela da Virgen Antigua para agradecer a sua sobrevivência e a realização da primeira volta mundial da história. .

Magalhães conseguiu atravessar o estreito, que mais tarde levaria seu nome, entre 21 de outubro e 27 de novembro. Ele o batizou de Todos os Santos.

Felipe Pigna, historiador

Elcano acreditava que Carlos V reconheceria seu feito com a nomeação de Cavaleiro da Ordem de Santiago e o cargo de Capitão-Mor da Marinha, mas ele teve que se contentar com uma renda anual de 500 ducados porque o imperador recusou-lhe todas as honras exceto por um mostrador com a legenda latina Primus circumdedisti me (Você foi o primeiro a me virar).

Esta primeira turnê mundial abriu grandes oportunidades de negócios para a Espanhacom a abertura de uma nova Casa Contratante em La Coruña especializada no comércio de especiarias.

Elcano pôde desfrutar da renda e da boa vida por cerca de três anos. Conheceu a jovem com quem teve uma filha que reconheceu como herdeira em seu testamento.

Mas a sua ambição e o seu espírito maritimo levam-no a participar numa nova expedição às Molucas financiada pelos banqueiros de Carlos V, os Fuggers, e liderada por García Jofre de Loaysa, na qual ocupa o cargo de piloto-chefe.

Partiram de La Coruña em julho de 1525 com uma frota de seis navios. Dois deles foram perdidos, um foi destruído e um deserto. Em 26 de maio de 1526, Elcano voltou a cruzar o estreito que leva o nome de seu antigo líder.

Já no Pacífico Sul, uma violenta tempestade varreu outro dos navios, deixando o invencível Victoria de pé e com grande parte da tripulação doente de escorbuto.

A morte assombrou o navio e aos poucos todos caíram: o contador Tejada, o piloto Bermejo e até o próprio Loaysa. Elcano ficou encarregado deste navio fantasmagórico, mas morreu a bordo em agosto de 1526. Seu corpo foi lançado ao mar e o vasto Oceano Pacífico foi seu túmulo.

Cotação: 1. Antonio Pigafetta, Primeira viagem ao redor do mundo, Buenos Aires, Centro Editorial Latino-Americano, 1971. 2. Ibid.

SRA

Veja também

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.