A Baixada do Umia, o maior evento de canoa-caiaque da Galiza

dez quilômetros longe, sobre 550 atletas e 41 clubes de toda a península -incluindo dois portugueses- são os principais ingredientes da XXVIII edição da Baixada do Umiauma prova que esteve entre as mais importantes das organizadas em Espanha, só superada pela descida do Sella entre Arriondas e Ribadesella. Alfredo Bea, Presidente da Federação Galega de Canoagem ontem tomou conta de todos esses dados e designou como o principal responsável por esta conquista o clube organizado, o Náutico O Muiño de Ribadumiaporque “para organizar tal teste não é exatamente fácil”.

O gerente técnico da entidade, José Manuel Vázquez Naviavisitou a presença de equipas de toda a Galiza, às quais equipas de Navarra, Madrid ou Aragão. Foi dada particular atenção à presença de dois clubes portugueses, o Náutica do Prado e do Fluvial Vilacondenseeste último participando no rio Umia com o objetivo de seus remadores prepararem o seletiva quem vai competir no país vizinho.

Além da presença de clubes portugueses, um dos grandes novidades afetarão a rota novamente. Tal como nos últimos anos, a produção ficará à Pont de Barrantes, com remadores em direção à foz, onde farão uma curva para subir a Umia e terminar ao nível do clubhouse, na praia de Cabanelas. Em princípio, a seca que afeta diferentes canais fluviais na Galiza não será um problema para os barcos já que o teste será realizado na maré alta “e nunca tivemos problemas”.

Uma das grandes atrações da apresentação foi a presença do remador do clube Manuel Fontán, campeão mundial em C-4 500 na cidade canadense de Halifax. Para ele, todas as felicitações dos representantes da Diputación e da Xunta, bem como do próprio Conselho de Ribadumia, cuja Presidente da Câmara David Castro vai promover uma moção para receber a Medalha da Galiza tanto para o remador como para a entidade a que pertence para “ter assim promovido a canoagem numa cidade como esta”. O clube contribuirá para a competição, válida pelo Campeonato Galego de rios e travessias, 13 barcos e 19 remadores. A cidade de Pontevedra voltará a defender o título conquistado nas duas últimas edições.

Alguns obstáculos inesperados que tiveram que ser superados

As características particulares da foz do Umia estavam prestes a avançar nesta edição da Baixada quando o Ministério do Meio Ambiente recusou pela primeira vez as licenças para sua recusa. Tanto o clube quanto a Federação recorreram com sucesso da decisão, que acabou sendo alterada poucas horas antes da apresentação do teste. Vázquez Navia denunciou esses eventos durante a coletiva de imprensa, lamentando que “os técnicos às vezes se preocupam com testes como esse e não veem os fluxos que o rio está passando”. Bea e o representante da Xunta se comprometeram a trabalhar a partir de segunda-feira para que a situação ocorrida este ano não se repita.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.