A distância de Portugal | Opinião

o Plano Ferroviário Nacional que acaba de ser apresentado pelo Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa, pretende transformar as suas ligações domésticas de forma a reduzir drasticamente tanto os voos domésticos como o tráfego automóvel, em linha com o Exigências de Bruxelas face à emergência climática. Mas o plano também aposta no futuro para melhorar a ligação com Espanha graças aos corredores de alta velocidade. Os dois países vivem um momento de especial cordialidade social e política, que se traduziu este ano na defesa dos interesses comuns em Bruxelas com conquistas como o mecanismo ibérico para limitar o preço do gás ou o acordo com a França sobre ligações energéticas.

No entanto, tudo isso está acontecendo em um momento em que as linhas de comboio entre Madrid e Lisboa continuam bloqueadas: Não há trem direto desde que foi descontinuado há três anos, o que só aconteceu durante a guerra. A única ligação internacional operacional é uma locomotiva poluente e lenta entre o Porto e Vigo. O diagnóstico é compartilhado pelos dois governos, sem nenhuma medida significativa para desbloquear a situação até o momento.

Para Portugal, as suas ligações internas são tão vitais como a ligação com Espanha, a sua única via terrestre para a Europa e com a qual ambiciona ter quatro linhas transfronteiriças. Geograficamente, Portugal é tão refém da Espanha quanto a Espanha da França. Se os espanhóis não acompanharem os investimentos ferroviários portugueses, o país ficará uma ilha dependente para as suas partidas de aviões e automóveis, que são os dois meios de transporte que Bruxelas quer reduzir para curtas e médias distâncias devido ao seu forte impacto poluente.

Para além de razões climáticas, as intensas relações entre os dois países justificam a promoção desta ligação, que tem estado demasiado adiada. Mais de 15.000 empresas espanholas exportam os seus produtos para Portugal, que tem Espanha como principal fornecedor e melhor cliente. O tráfego de mercadorias poderá beneficiar dos dois novos corredores internacionais propostos pelo governo português a norte e a sul da fronteira. Entre Lisboa e Madrid existem cerca de vinte voos diários, uma ponte aérea semelhante a Barcelona-Madrid, e em 2019 viajaram quase nove milhões de turistas entre Espanha e Portugal. Enquanto a Espanha é o destino internacional preferido dos portugueses, há dois anos Portugal destronou a França como favorito dos espanhóis. Nem os turistas, nem os viajantes de negócios, nem os expatriados hoje têm alternativa a voar ou dirigir para viajar entre as cidades dos dois países. Isso não é apenas uma anomalia em toda a Europa, mas também destaca a necessidade de resolver com urgência a desconexão atual. A última oportunidade perdida foi a Cimeira Ibérica de Viana do Castelo, onde nada se materializou para melhorar as conexões transfronteiriças. Se Portugal hesita em autorizar um comboio entre Lisboa e Madrid via Badajoz, como a espanhola Renfe se propõe a operar quando não chega a alta velocidade, a Espanha por sua vez parece desinteressada em melhorar a ligação entre Porto e Vigo.

Longo prazo, as visões sobre alta velocidade dos dois países ainda divergem. O modelo radial Madrid-Badajoz-Lisboa parece ser suficiente para Espanha, enquanto Portugal deve estruturar o seu país ao longo do eixo atlântico (Lisboa-Porto-Vigo e Porto-Aveiro-Salamanca-Madrid) com vantagens também para a área espanhola afectada. São interesses complementares e não incompatíveis que requerem sobretudo vontade política para se materializar e pôr cobro a uma situação atípica e empobrecida.

Suzana Leite

"Estudioso de viagens do mal. Totalmente viciado em café. Escritor. Fanático por mídia social. Estudante amigo dos hipsters."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *