A figura embalsamada do coração da independência chega ao Brasil

O coração embalsamado do imperador que declarou a independência do Brasil chegou ao país sul-americano vindo de Portugal para as cerimônias comemorativas do bicentenário da nação.

O coração de Pedro I, cravejado de um medalhão de ouro, chegou a bordo de um avião da Força Aérea Brasileira nesta segunda-feira. Será usado na rampa do Palácio do Planalto, em Brasília, a mesma homenagem conferida aos chefes de Estado e outros dignitários em visitas oficiais. Mais tarde, os brasileiros poderão ver o coração em um prédio do Ministério das Relações Exteriores.

Pedro I declarou a independência do Brasil em 1822 e o controle imperial durou até 1889, quando a monarquia se tornou uma república. Pedro I morreu há 187 anos e, conforme consta em seu testamento, seu coração foi levado para a cidade portuguesa do Porto, onde havia sido guardado em um copo de vidro com formol na Igreja de Nossa Senhora da Lapa.

O deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança, descendente da ex-família real brasileira e forte defensor do presidente Jair Bolsonaro, disse que a decisão de trazer o coração do imperador partiu de um dos assessores informais do presidente.

“Perdemos um pouco a referência dos heróis, o que representavam, o que pensavam, o que esperavam do Brasil. É muito importante trazer um pouco disso”, disse Bragança em nota nesta segunda-feira. .

Trazer o coração do imperador para o Brasil “foi um pedido da nossa sociedade, que quer uma redenção histórica”, acrescentou.

A luta do Brasil pela independência foi diferente das campanhas sangrentas de outros países latino-americanos. Embora houvesse algumas brigas, elas foram resolvidas principalmente por meio da mediação de outras nações e do pagamento de indenizações do Brasil a Portugal. O país europeu finalmente reconheceu a independência do Brasil em 1825.

Alguns brasileiros a favor do respeito à herança monárquica apoiam Bolsonaro, que está concorrendo à reeleição. Seus detratores denunciam que a transferência do coração do imperador visa conquistar o favor desse setor da população e acusam o presidente de usar o bicentenário para fins políticos.

Bolsonaro pediu repetidamente aos ativistas que saíssem às ruas no Dia da Independência, 7 de setembro. Analistas políticos expressaram temores de um surto de violência.

“A chegada do coração de Pedro I ao Brasil é uma oportunidade para o povo brasileiro homenagear uma figura de proa do processo de independência do Brasil”, disse o Itamaraty em comunicado. O Imperador é conhecido em Portugal como Pedro IV.

O comunicado de imprensa diz que o coração será trazido de volta a Portugal no dia 8 de setembro. O governo não revelou quanto custará a transferência do relicário aos cofres públicos.

Filipa Câmara

"Estudante. Fanático apaixonado por álcool. Praticante de TV. Desbravador do Twitter. Solucionador de problemas."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.