A incrível anedota de Dybala com Mourinho: a frase que o incomodou quando eram rivais e a única ordem de Mou em Roma

* A intimidade da relação Dybala-Mourinho

a figura de paulo dybala teve um impacto maior no futebol europeu quando decidiu não renovar seu contrato com Juventus e embarque em uma nova aventura com Roma. Graças a uma chamada de José Mourinho durante a janela de transferências, o Jóia deu um passo arriscado em sua carreira profissional ao ser o centro do projeto desportivo liderado pelo famoso treinador português. Após marcar um gol em Finalissime contra Itáliao jogador de 28 anos está em Miami para defender as cores da seleção argentina durante os amistosos contra Honduras Sim Jamaica.

Embora inicialmente tenha dado o alarme por não ter sido convocado para o confronto contra o Atalanta na sétima data de Uma sériePaulo ficou encarregado de despejar água no pronto-socorro. “No domingo eu vim com um peso por ter feito vários jogos seguidos no clube. Senti que não estava 100%, que não era necessário arriscar. A seleção nacional estava de prontidão e há uma grande cadeia ao virar da esquina. Era melhor perder uma partida do que um mês e felizmente não era nada sério”, explicou em conversa com o ESPN.

O talentoso meio-campista aproveitou para esclarecer sua saída do velha Senhora e chegada em um clube do mesmo campeonato: “Os últimos anos da Juventus não foram fáceis, a nível pessoal foram bastante difíceis. Acho que a mudança foi muito boa para mim, Mourinho me chamou e em alguns momentos decidi. O projeto do clube, de continuar vencendo como no ano passado e ser considerado em um time assim, me fez muito bem. Eu estava com medo da recepção, estar na frente de tanta gente sozinha. O fanatismo do torcedor da Roma é semelhante ao dos argentinos, algo diferente da Juventus.

* Paulo relembrou as oportunidades que o compararam a Messi

E acrescentou sobre a paixão que os fãs têm por ele desde que se mudou. “Eu sempre disse à minha família e amigos, para mim eles são loucos. Mas muito fofos. Saí para jantar e não me cobraram, me convidaram de todos os lugares. Dizem que Roma vem em primeiro lugar e a família vem em segundo lugar. Talvez eles se sentem à mesa quando os torcedores jantam, é uma coisa legal porque eles vivem o futebol como nós”, explicou Dybala.

Além disso, relembrou um cruzamento que teve com José uma temporada antes de se juntar a ele. “Acabei de ter uma anedota com ele. Quando jogamos Juventus-Roma, que vencemos por 4 a 3, quando o treinador me tirou, ele me cumprimentou e disse ‘você é um fenômeno’. Mas ele ainda não tinha ideia do que ia acontecer e quando me ligou pela primeira vez perguntou se eu lembrava daquele momento. Ele me disse: ‘Bem, agora o que você fez contra mim, é hora de você fazer comigo’. Em poucos minutos, decidi trabalhar com ele porque ele é um fenômeno. Ele sabe tudo, desde a primeira divisão até a terceira divisão. Tudo o que você perguntar a ele, ele sabe, O que mais me surpreendeu foi a humildade que ele tem com todos, seja um jogador, um adereço, um canchero ou um cara no estacionamento. Eu também o vi com raiva, mas a verdade é que ele está indo muito bem, estou muito feliz por estar em Roma”.

Já com o espírito ao re-representar o Albicelesteexplicou como se sentiu ao marcar na final de 3 a 0 contra a Itália no estádio do Wembley. “Para mim foi um momento lindo, tive alguns minutos e a bola ficou lá. Todos entramos com a ilusão de dar o nosso melhor, avançados com o sonho de fazer um golo. Foi um grande momento para mim coroar um grande jogo dos meus companheiros de equipe”, acrescentou.

Por fim, esclareceu de uma vez por todas a questão de quando o comparam a Messi:Acho que o jornalismo não entende. Trabalho sempre para dar o melhor de mim, enquanto tenho que dar tudo porque todos queremos jogar e dar o melhor à seleção. Crie uma competição saudável dentro do grupo e coloque a fasquia alta para continuar crescendo. Tudo o que foi dito na época com comparações com Lionel fica em segundo plano com o que podemos oferecer ao time”.

CONTINUE LENDO:

Os dois jogadores da seleção argentina que ainda não viajaram para os Estados Unidos e perderiam o amistoso contra Honduras
O médico que ajudou Maradona a vencer a Copa do Mundo no México 86: as “superpotências” detectadas pelos estudos que realizou
A mudança de visual marcante de Rodrigo De Paul na seleção argentina

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.