A lua cheia e a poluição luminosa dificultam a observação das Perseidas

A atividade máxima das Perseidas acontecerá este ano na madrugada de 12 a 13 de agosto com duas desvantagens: a lua cheia, o que tornará difícil ver os meteoros mais fracos, e aumentar a poluição luminosasobre o qual o Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias (IAC) “não está nada otimista”.

10% da superfície continental do planeta é afetada pela poluição luminosa, mas se levarmos em conta o brilho do céu que produz a emissão de luz artificial na atmosfera, essa porcentagem aumenta para 23%, informa sexta-feira o Instituto de Astrofísica da Ilhas Canárias

As consequências de emissão de luz artificial para o céu afetam a biodiversidade, a saúde e, claro, a astronomia e as perspectivas para o futuro não são nada otimistas, lamenta o IAC.

No entanto, o centro de astrofísica aponta que existem regiões que lutam para reverter essa tendência, como é o caso da Macaronésia, onde instituições de diferentes áreas se reuniram em vários projetos para combater este tipo de poluição do arquantificando os níveis de poluição luminosa em áreas que não deveria ter alcançado e tomando medidas para impedir seu progresso.

Uma dessas iniciativas consiste em sensibilizar a opinião pública para o problema da poluição luminosa e para tal, na noite de sexta-feira 12 de agosto para sábado 13 de agosto, o canal sky-live.tv transmitirá ao vivo a chuva de meteoros Perseidas Pico do Arieiro (Madeira, Portugal) e o observatório Roque de los Muchachos em La Palma.

Esta iniciativa é uma colaboração entre o IAC e a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, no âmbito dos projetos Interreg EELabs e LIFE Natura@night.

“Este ano a lua cheia tornará difícil ver os meteoros mais fracos. Por isso, a frequência das Perseidas será menor – cerca de uma a cada 15 minutos – e só observaremos as mais brilhantes, que continuarão impressionantes”, comenta Miquel Serra-Ricart, astrônomo do IAC e coordenador do Projeto EELabs.

Tal como nos anos anteriores, é necessário encontrar um lugar longe dos centros urbanosfixe os olhos em um ponto no céu e espere pacientemente para ver alguns dos rastros brilhantes das Perseidas, aconselha o astrônomo.

O IAC lembra que, como todos os anos nesta época, Terra passa pela nuvem de poeira e rochas do cometa Swift-Tuttle deixado em cada uma de suas órbitas ao redor do Sol.

Consequentemente, a noite de meados de julho até o final de agosto observamos a atividade das Perseidasconhecido como “Lágrimas de San Lorenzo”.

Na Europa, a atividade máxima desta chuva de meteoros ocorrerá na noite de 12 para 13 de agosto quando, de acordo com os cálculos do modelo padrão, a atividade das Perseidas é de aproximadamente 100 meteoros por hora mesmo que, este ano, a Lua cheia dificulte a observação durante a noite.

Eles são conhecidos como “estrelas cadentes” a pequenas partículas de poeira, algumas menores que grãos de areia, que se desprendem de cometas ou asteróides ao longo de suas órbitas ao redor do Sol.

A nuvem de partículas resultante (meteoróides), devido à fusão produzida pelo calor solar, é difundido pela órbita do cometa e é atravessado pela Terra durante sua jornada anual ao redor do Sol.

Durante este encontro, partículas de poeira se desintegram ao entrar na atmosfera da Terra em alta velocidade, criando a famosa traços luminosos que recebem o nome científico de meteoros.

As Perseidas levam o nome da constelação de Perseu, onde está localizado seu radiante (o ponto no céu de onde parecem ter se originado), mas têm sua origem no cometa Swift-Tuttle, descoberto em 1862, e que, com aproximadamente 26 quilômetros de diâmetro, é o maior objeto que se aproxima periodicamente da Terra.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.