“A melhor política social é aquela que não deixa ninguém para trás”

Sob o título “Sonhando trabalho decente, construindo práticas de comunhão”, a Irmandade Operária da Ação Católica (HOAC) está realizando, de 1 a 7 de agosto em Salamanca, uma nova edição de seus cursos de verão, um espaço de aprofundamento, diálogo e convivência que reuniu mais de 200 pessoas entre ativistas e simpatizantes.



“Há seis anos, propomos uma reflexão sobre a defesa da Trabalho decente. Nestes cursos, continuamos a desenvolver esta abordagem centrada nas propostas e práticas que defendemos para caminhar para o trabalho e uma vida digna, e a espiritualidade necessária para realizar o sonho do trabalho digno”, assinalam em comunicado.

Os cursos foram desenvolvidos em três dias

As de reflexão, realizadas nos dias 1 e 2 de agosto, com a apresentação ‘As chaves para a espiritualidade e misticismo, do serviço dos capelães e animadores da fé”, de Fernando C. Díaz Abajo, capelão geral do HOAC. “Recordamos a necessidade de repensar a espiritualidade enraizada na vida do mundo sem deixar de ser contemplativa. Ore e reflita sobre a missão dos conselheiros e animadores de fé como guardiões da experiência do Espírito na vida dos ativistas”, enfatizam.

As de aprofundamento e diálogo, desenvolvidas de 3 a 5 de agosto, em “Propostas e práticas para uma vida digna e trabalho decente”. Com a conferência ‘A caminho de uma vida digna, pelo trabalho digno’, de Raúl Flores, coordenador de estudos da Cáritas Española. “Aprofundamos o significado de ‘trabalho decente’, que é mais do que apenas ganhar a vida. Sobre o impacto dos empregos informais, a realidade do emprego nos setores mais precários, a importância do trabalho reprodutivo e assistencial. Confirmamos que a melhor política social é aquela que não deixa ninguém para trás”, ressaltam.

Também são conhecidas duas experiências de economia social e solidária. remodelar, com a intervenção de seu diretor, Albert Alberich; e Traperos Emaús Huelva, com seu coordenador, Javier Rodríguez. Ambos os projetos compartilham um objetivo: colaborar na construção de uma sociedade mais inclusiva e sustentável, reduzindo o impacto social e ambiental, dando uma segunda chance a objetos e pessoas.

Na defesa dos direitos sociais e dos serviços públicos, tiveram os depoimentos de Sara García, sindicalista da USO; Joanen Cunyat, co-porta-voz do Conselho Estadual de Proteção de Pensões; Laura Barrio, pesquisadora social e ativista do direito à moradia; Marciano Sánchez, porta-voz da Federação das Associações de Defesa da Saúde Pública; e Marius Fullana, membro da FAMPA de Valência. Em suma, partilha-se que devemos continuar envolvido em conquistas sociais e em defesa dos serviços públicos, porque “não são eternos, se não continuar lutando para mantê-los, estarão perdidos”.

Na segunda apresentação deste dia de aprofundamento interveio Pino Trejo, ativista do HOAC, que, sob o título “Sonhemos com o trabalho decente! olhou para a realidade do mundo do trabalho hoje, mas na perspectiva do Reino. Sobre a necessidade de sonhar juntos “sonhos de fraternidade que melhorem o mundo” e continuar sonhando com um trabalho digno para todos e em todos os lugares sem se deixar levar pelas tentações de “tudo está dito, só eu, vamos ver com isso que me surpreende” .

Participe também deste encontro América MonteiroCoordenadora Nacional do Movimento dos Trabalhadores Cristãos de Portugal (MTC/LOC) e Cristina Antoñanzas, Secretária Geral Adjunta da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Um sonho em oito chaves

Além da celebração da Eucaristia com a comunidade paroquial da Igreja de San Sebastián, como sinal de compromisso comunitário, fizeram um gesto público na Plaza de Anaya retratando situações de pobreza, exclusão, desemprego, precariedade e acidentes de trabalho , entre outros. Além da resposta a essas realidades, com base na defesa do trabalho decente, dos direitos sociais, ou em outra distribuição de riqueza e na promoção da economia social e solidária.

A HOAC apela a “sonhar juntos pelo trabalho digno” porque os sonhos, como assinala o Papa Francisco, “têm a capacidade de nos colocar em movimento, de nos colocar no caminho” e porque “por enquanto não o cérebro e as mãos, você também precisa do coração e da imaginação”. Um sonho que se estrutura em oito chaves:

  • Acesse um emprego estável e respeito pela dignidade essencial de cada pessoa
  • o redução do dia reconciliar e economizar tempo criativo das demandas de produção
  • A necessidade de fortalecer a direitos sociaiscomo direitos humanos inalienáveis
  • Cumprimento rigoroso com Lei de prevenção de riscos profissionais e medidas de fiscalização e controle que previnam o adoecimento e a morte: o trabalho é para toda a vida
  • promovendo e impulsionar o treinamento e a cultura do trabalho solidário
  • Para a criação de espaços de reunião entre o mundo do trabalho e a Igreja
  • o redistribuição de riqueza por meio de renda básica ou salário universal
  • A cultura do bem comum que permite compartilhar propriedadetempo, praticar outros consumos e fortalecer a economia do bem comum, social e solidário

O terceiro espaço dos cursos são os dias de oração, que acontecerá nos dias 6 e 7 de agosto. Liderado por Àlvar Miralles, capelão do HOAC de Segorbe-Castellón, com diferentes meditações sobre ‘Ser gente de oração para cuidar da precariedade’.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.