A mezzo-soprano Mª José Montiel com o pianista Itziar Barredo Cavero, na capela do Hostal de los RR.CC.

Concerto do titular da Cátedra de Canto do “LXIV IU Curso de Música em Compostela”, na Capela do Hostal de los RR.CC.-20h00-, acompanhado pelo pianista Itziar Itziar Barredo Cavero, destacado repertorista com ligações profundas relações profissionais com os Conservatórios de Bilbau e Gasteiz, sendo ao mesmo tempo uma figura de destaque nos projectos sazonais da “OCBE”, da Associação dos Amigos da Ópera de Bilbau, entre outras actividades afins. No programa desta sessão, a mezzo-soprano em suas configurações mais auspiciosas, profissional que se destaca por sua aptidão para um centro potente, amplo e ressonante, além de um baixo naturalmente sustentado, que garante seu movimento nas gamas mais baixas . , servindo de suporte para os agudos perfeitamente equilibrados, que se movem firmes, sonoros e notavelmente relaxados, com uma vibração reconhecível e sem maneirismos. No campo da poesia hispânica, deixou argumentos importantes em obras como “La vida breve”, de Manuel de Falla, ou a zarzuela “Las golondrinas”, sem esquecer estreias como “Ojos de verde luna”, de Tomas Marco

Sua atividade é, portanto, intensa, entre ópera e zarzuela, gêneros em que se sente à vontade, e para usar as palavras da mezzo-soprano, ela admitiria que sempre se preocupou em abordar todos os gêneros, desde o início, nos recitais em que se destacaram, bem como a melodia francesa, a mentira alemã e a necessária canção espanhola como chave de uma identidade que conservará até hoje. O recital, em geral, é certamente um desafio para o artista, ao ter que se transformar de uma música para outra – com o acréscimo obrigatório da parte de acompanhamento, com o peso de seu papel principal – e as sensações mostradas no palco em geral, que são reafirmados assim que a voz é ligada com a adição dos grandes sinfonismos. Estamos sobretudo com a própria canção espanhola – sem esquecer o complemento latino-americano, outro dos seus pontos de apoio -, para ela, uma amostra da mestria técnica e inspiração dos nossos criadores, tão reconhecíveis como os seus homólogos de outras culturas. O trabalho de investigação nele, é aprovado em projetos como a recuperação da ópera de Isaac Albéniz, “Merlín”, apresentada em Madrid e Saarbrücken, ou o trabalho de recuperação mantido com Miguel Zanetti, ao longo de mais de uma centena de recitais.

Um recital que se oferece como um buquê de modelos eternos por excelência da canção espanhola por excelência, aquela que felizmente ouvimos com presença durante as aulas. Xavier Montsalvatge, tão apreciado e lembrado, desta vez com duas das “Cinco Canções Negras”: “Cuba dentro de um piano” e “Canção para acabar com um menino negro a dormir”. Em março de 1945, a soprano Mercè Plantada, realizou um recital com o pianista Pere Vallribera no Ateneu de Barcelona, ​​que incluiu a “Canção do berço para acabar com um menino negro a dormir” -entre outras peças-, que também vamos encontrar nas “Cinco Canções Negras”. Mercè Plantada era uma voz mórbida, lírica e cativante. O autor gostava de dedicar “Cuba dentro de um piano” a Conxita Badía, outra das primeiras cantoras que o encorajou a confiar em suas possibilidades neste estilo particular. A universalização dessas cinco pérolas de cheiro caribenho combina maravilhosamente bem com outra como a “Canção Negra”, uma eufonia onomatopaica como uma rumba cubana. Por curiosidade, a “Canção Negra” foi gravada em versão coral pelo “Orfeón Donostiarra”, de quem foi o professor por excelência, A. Ayestarán.

Manuel de Falla, também com duas das “Sete Canções Populares Espanholas”: “O Tecido Mouro” e “Jota”, canções que, para Jaume Pahissa, nasceram quando um cantor espanhol, que tinha participado numa montagem de ” The Short Life” pediu conselhos sobre a escolha das diferentes peças para incluir num recital de música espanhola que tinha em mente. Ele havia experimentado a canção de Cádiz com harmonizações de canções de outras latitudes, e assim nasceu a série dessas canções, que será estreada no Ateneo de Madrid, em 14 de janeiro de 1915, com a ilustre Luisa Vela, acompanhada em o piano do próprio compositor, modelo de confirmação estilística, o mesmo cantor que havia desempenhado o papel de “Salud”, de “La vida breve”. “Elragano moruno”, uma canção burlesca com raízes murcianas, e com detalhes retirados do tema de “El Molinero” de “El sombrero de tres picos” e “La jota”, permanece como uma alegre canção dançante de origem aragonês, na qual o piano provoca tensão com um prelúdio longo e rítmico em cada um dos versos.

Joaquín Rodrigo, em duas de suas canções: “Canción del grumete” e “Pastorcico santo”, compositor com quem temos uma relação especial por sua obra de concerto para violão, um professor profundamente marcado pelo nosso percurso, e que com certa cadência , pudemos receber suas canções em recital, tanto pelos professores de canto quanto pelos próprios alunos, principalmente nos recitais dos bolsistas. Nesta criteriosa seleção, destaca-se com especial atenção a série de “Quatro madrigais apaixonados”, com elementos comuns à longa herança do cancioneiro tradicional; peças como “Un home San Antonio”, um poema de Rosalía de Castro ou “Barcarola”, de sua companheira Victoria Kahmi ou a mística de San Juan de la Cruz, no “Cantico a la Esposa”.

Enric Granados em duas “tonadillas”: “El tralalá y el puntado” e “El majo discreto”, os Granados da canção em sua pura essência e quiçá classificáveis ​​no período romântico-modernista, por pura necessidade estilística, que inaugurará o período das “Goyescas”, puro fascínio que atinge seu grau máximo nas “tonadillas”, uma ou todas elas, uma fraqueza para os grandes cantores especializados nessas formas de natureza expressiva. Estas canções, livremente descritas como “old school”, o autor poderá recriar este Madrid Goya-esque e, finalmente, apreciamos este tipo de tapeçarias coloridas, o resultado para o compositor, uma coleção composta de forma clássica, e o manutenção a sua originalidade absoluta, que desfrutamos todos os dias.

Antón García Abril”: “No por amor” e “Todo é silencio”, devido ao titular da cadeira de composição, professor que perdemos em abril de 2021 e cujo lema principal seria sempre a inegável defesa da melodia, cuja as músicas sempre foram defendidas pelo nosso vocalista de elite. A poesia galega tentou-o com exemplos como “Homenaxe á poeta galaga”, projecto para “Compostela 93”, na voz da mezzo Teresa Barganza, com a “Orquestra de Câmara Rainha Sofía”, dirigida pelo compositor, recorrendo ao tradição, na sua visão, de Mendiño, a Sancho I, Pero Meogo, e poetas de estimada consideração, de Ramón Cabanillas Valle-Inclán, Celso Emilio Ferreiro, Luis Pimenteal, Álvaro Cunqueiro ou Francisco Pérez Añón. A reedição da sua ópera “Divinaspalabras” – Ramón Mª del Valle-Inclán, com libreto de Paco Nieva, está suspensa, por ocasião da reabertura do Teatro Real.

Ernesto Halffter traz duas canções portuguesas: “Ai, que linda moça” e “Canção do berce”, peças de 1943, anos da sua “Portuguese Rhapsody”, que irá rever uma década depois, em princípio, consequência da sua estimulante estadia em Lisboa, e antes da sua dedicação na conclusão de “La Atlántida”, a última obra de Manuel de Falla. O estilo das músicas para voz e piano, são uma tentação de assimilar de forma afetiva, uma forma em que trabalhará com agilidade e facilidade, partindo de ideias como as que havia proposto anos antes com as “Cinco Canções de Heine » e que alcançará curiosos perfis em «L’Hommenage à Salvador Dalí» (fanfarra, proclamação, hino), em meados dos anos setenta.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.