A Nação / O contexto das autoridades nacionais afeta a imagem do país, diz o ex-embaixador

Após a abertura de um processo contra o vice-presidente da República Hugo Velázquez, por supostamente subornar um funcionário público de nosso país e seguindo essa hipótese, ele foi declarado “significativamente corrupto” pelo Governo dos Estados Unidos, o medo surge mais uma vez que esse tipo de acusações contra representantes do país afetará a imagem do Paraguai, enfraquecendo-o na competição internacional.

A propósito deste difícil momento representativo que o país atravessa, a diplomata María José Argaña, que na altura era embaixadora do nosso país no Equador e em Portugal, assegurou em comunicação ao La Nación/NaciónMedia que é extremamente importante ter líderes irrepreensíveis quando tentando transmitir uma imagem confiável em outros países.

Questionada sobre como Hugo Velázquez foi nomeado, ela disse que “é irresponsável que o governo americano interfira nos assuntos internos, já que ele é vice-presidente da República, a menos que o presidente Marito oculte aqui informações sobre o assunto”. mantido, especificando ao mesmo tempo que o Presidente da República é o responsável direto pelas relações diplomáticas.

Ler mais: Semana chave para definir a fase de reabilitação de Fernando Lugo

“Embora tenham autonomia própria e sejam soberanos dentro de sua embaixada, devem primeiro se adequar às leis e condições de nosso país e, se tiverem provas contra o vice-presidente, devem ser denunciadas e transmitidas pelos canais estabelecidos, especialmente todos os nacionais”, condenou.

Argaña também assegurou que a situação que o vice-presidente está passando o coloca não apenas em uma situação complicada, mas também no país, inevitavelmente. “Mas é claro que nos afeta que um Vice-Presidente da República inteiro tenha um arquivo ou dados que o impliquem na participação na corrupção de um funcionário público; É uma pena”, disse.

O ex-embaixador destacou ainda que a credibilidade do Paraguai será um dos primeiros problemas que o próximo Presidente da República terá de enfrentar. “A imagem do país é afetada logicamente e isso afeta o investimento estrangeiro, afeta ter garantias legais e poder oferecê-las a investidores estrangeiros”, disse.

“Fazer o trabalho de apresentar o Paraguai como um país de oportunidades e garantias legais e, acima de tudo, respeito à sua soberania e à segurança de seu povo é afetado pelos líderes errados e isso complica o trabalho”, disse María José Argana.

Leia também: Ocultação do narcotráfico: Zully Rolón usou a Senad para proteger Giuzzio, denunciam

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.