A segurança continua a ser uma tarefa pendente para as PME

A Check Point identifica a perda de receita e a perda de confiança do cliente como os impactos mais significativos de um ataque de cibercrime em pequenas e médias empresas.

Os ataques de cibercrime não afetam apenas as grandes empresas. As pequenas e médias empresas também são ameaçadas por esse problema, com o agravante de terem muito menos recursos para investir em ferramentas de proteção.

Embora a pandemia tenha impulsionado os investimentos em tecnologia das PMEs, que desejam apoiar o modelo de trabalho híbrido, muitas não estão priorizando a segurança. Isso explica por que os cibercriminosos estão aproveitando cada vez mais esse tipo de negócio, que é vulnerável, como ponto de entrada para ataques maiores.

O Check Point identifica o perda de renda (28%) e perda confiança do cliente (16%) como dois dos Impactos maiores de um ataque cibernético no nível das PME.

Em uma pesquisa realizada por esta empresa, as próprias pequenas e médias empresas reconhecem os efeitos desastrosos que os ciberataques têm em seus negócios e acreditam que seus orçamentos para esta área são insuficientes. O fato é que o preço das soluções de segurança cibernética está fora do seu alcance.

Atualmente, apenas 22% ele pensa que está muito bem protegido e também empresas com especialistas internos são minoria seguro ou trabalhar com terceiros. Em outras palavras, a tendência geral é para a ausência de produtos de proteção ou sua gestão por pessoal não especializado.

Nesse sentido, Eusebio Nieva, diretor técnico da Check Point Software para Espanha e Portugal, explica que as PMEs “precisam de soluções que ofereçam prevenção de ameaças comprovada, que sejam extremamente simples de implantar e gerenciar e que ofereçam a flexibilidade de um ‘all-in -one’ que combina segurança e conectividade com a Internet”.

“Essas empresas também devem buscar um pacote de segurança consolidado e unificado que alcance um alto nível de proteção em sua rede, terminaistelemóveis e e-mail”, acrescenta este especialista.

Refira-se que, nesta nova normalidade laboral surgida após a crise sanitária, as PME esperam que 40% dos seus colaboradores trabalhem remotamente durante parte do seu dia de trabalho. Mas atualmente, o grau de adoção da proteção de dados terminais é de 67%, enquanto menos da metade dos entrevistados se armaram com segurança móvel.

Filomena Varela

"Desbravador do bacon. Geek da cultura pop. Ninja do álcool em geral. Defensor certificado da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *