Acidente em Zaporizhia “pode ​​ser mais grave do que nuclear de Fukushima”: China

Pressione Europa / DPA

Madri / Berlim

O representante da China na ONU, Zhang Jun, alertou o Conselho de Segurança ontem que um acidente na usina nuclear de Zaporizhia pode ser mais grave do que o acidente nuclear em Fukushima em 2011.
“A usina nuclear de Zaporizhia é uma das maiores usinas nucleares da Europa. Se um acidente nuclear ocorrer em grande escala, pode ser mais grave do que o acidente de Fukushima”, afirmou Jun, ao que vez que dijo que China no quiere que repetir “el mismo riesgo”, segundo comunicado de la misión china en The Nações Unidas.
Durante a reunião do Conselho de Segurança realizada ontem a pedido da Rússia para discutir a falta de segurança das instalações nucleares ucranianas, o representante chinês pediu às partes que mostrem “contenção, ajam com cautela, evitem tomar medidas que coloquem em risco a segurança nuclear”.
Ainda assim, a China mostrou apoio à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para desempenhar “um papel ativo” na promoção de questões de segurança e proteção nuclear. Ele também pediu à Rússia e à Ucrânia que removam “obstáculos relevantes” para que uma equipe de especialistas do órgão viaje até a usina nuclear de Zaporizhia para realizar seu trabalho sem problemas.
Por sua vez, o representante da Rússia na ONU, Vasili Nebenzia, pediu à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que envie uma missão de especialistas à usina nuclear de Zaporizhia “antes do final de agosto”.
O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu ontem às forças russas e ucranianas que se retirem da usina nuclear de Zaporizhia o mais rápido possível e evitem o envio de tropas ou equipamentos militares nas proximidades para garantir a segurança e evitar possíveis ataques nucleares. desastres como parte da invasão russa da Ucrânia
Ontem, o presidente ucraniano Volodimir Zelensky alertou que “ninguém será capaz de parar a radiação” no caso de um desastre nuclear na usina Zaporizhia como parte da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas enfatizou que os aliados “juntos” podem parar a Rússia .
Enquanto isso, o Departamento de Estado dos EUA apoiou ontem os apelos da comunidade internacional para declarar a área ao redor da usina nuclear de Zaporizhia, a maior da Europa, uma zona desmilitarizada.

Novo bombardeio perto de Zaporizhia

A Ucrânia denunciou ontem novos bombardeios nas instalações da usina nuclear de Zaporizhia, segundo a empresa ucraniana Energoatom.
“Isso danificou a estação de bombeamento de esgoto”, disse a empresa nuclear, que relatou uma “grande cortina de fumaça ao redor” da usina.
A Energoatom disse que “atingiram muito perto” das instalações. “A situação está piorando porque há fontes de radiação próximas e vários sensores de radiação estão danificados”, alertou.
O chefe do gabinete presidencial ucraniano, Andriy Yermak, assegurou ontem que para acabar com a guerra na Ucrânia é preciso “destruir a economia” da Rússia “no curto prazo”.

Scholz vai promover a importação de gás de Portugal e Espanha

O chanceler alemão Olaf Scholz anunciou que vai incentivar a construção de um gasoduto que aumentará o abastecimento de Portugal a Espanha para a Europa Central, numa altura em que o continente procura novas fontes de energia para contrariar a dependência da Rússia.
Scholz explicou que se as ligações com a Península Ibérica tivessem sido reforçadas mais cedo, teria sido “uma contribuição maciça para aliviar e aliviar a situação” do abastecimento de gás, que a Alemanha tem recebido principalmente da Rússia nos últimos anos.
Por isso, o dirigente alemão defendeu “firmemente” durante uma conferência de imprensa a discussão de um projecto que vai tratar com outros dirigentes de Espanha, Portugal e França e que também pretende apresentar à Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen .
Por outro lado, Scholz negou hoje qualquer responsabilidade em um escândalo bancário ocorrido enquanto era prefeito-governador de Hamburgo e também negou que qualquer “influência política” tenha sido exercida pelo banco em questão.
“Não há absolutamente nenhuma indicação de que qualquer influência política tenha sido exercida”, disse Scholz em uma entrevista coletiva pós-feriado, que se concentrou na guerra na Ucrânia e na crise de energia precipitada pelo conflito, mas onde ele foi repetidamente questionado sobre seu diário em este caso.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.