Acolhimento de refugiados ucranianos por cidadãos russos provoca tempestade política em Portugal | Internacional

Refugiados ucranianos no trem que os levou da Espanha para Portugal em 20 de março.João Henriques

A guerra na Ucrânia pode ter consequências em mais de 4.000 quilômetros. Nas últimas semanas, Portugal vive uma tempestade política sobre a gestão do acolhimento de refugiados em algumas câmaras municipais, que delegaram assistência a cidadãos russos estabelecidos no país. O principal foco da crise está em Setúbal (123.000 habitantes), governado em minoria pela Coligação Democrática Unitária (CDU), uma aliança eleitoral do Partido Comunista Português e do Partido Los Verdes, que deixou parte do processo de recepção em nas mãos da Associação de Imigrantes dos Países de Leste (Edinstvo), fundada por Igor Jashin, ex-presidente do Centro Cultural Russo em Portugal, segundo o semanário expresso.

Agentes da Polícia Judiciária, que dependem da Procuradoria-Geral do Estado, invadiram esta terça-feira as sedes municipais de Setúbal, onde são recebidos os deslocados da guerra e onde Jashin e a mulher, Yulia Jashina, contratados pela Câmara Municipal de Setúbal antes da invasão russa, trataram cerca de 160 ucranianos desde o início do conflito. Vários deslocados disseram que seus documentos foram fotocopiados e foram solicitadas informações sobre eles e seus parentes que ainda estavam na Ucrânia. A imprensa portuguesa nota que Jashin tem boas relações com o Kremlin. Em 2014, defendeu a anexação da península da Crimeia pela Rússia e foi também o ano em que organizou um encontro de emigrantes russos na Europa em Lisboa.

Em comunicado enviado à tarde, a polícia judiciária disse ter feito buscas na sede da associação Edinstvo, para além dos gabinetes da Linha de Apoio aos Refugiados da Câmara Municipal de Setúbal. “Está sendo investigada a prática de crimes de uso de dados de forma inconsistente com a finalidade de coleta, acesso indevido e uso indevido de dados ao abrigo da Lei de Proteção de Dados Pessoais”, explica a nota.

A notícia saltou depois que a embaixadora da Ucrânia em Portugal, Inna Ohnivets, deu o alarme em uma entrevista em abril sobre a infiltração de russos em programas de refugiados em vários locais. Portugal, o país europeu mais distante da Ucrânia, recebeu mais de 34 mil pessoas desde o início da guerra, segundo dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Presidente da Associação dos Ucranianos em Portugal, Pavlo Sadoka, considera que estas anomalias ocorrem em várias cidades portuguesas, para além de Setúbal. Sadoka enviou uma carta à administração portuguesa relatando “conexões suspeitas que poderiam ser usadas para coletar informações e dados pessoais, que seriam então fornecidos à Embaixada da Rússia”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pediu que a rede de acolhimento de refugiados seja investigada exaustivamente em todo o país para evitar que os seus dados caiam em mãos erradas. Estão já em curso algumas investigações da administração em diferentes organismos como a Comissão Nacional de Proteção de Dados ou o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, que tinha um acordo de colaboração com a associação de Jashin que agora se encontra suspenso.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

O presidente da Câmara Municipal de Setúbal, André Martins, culpou o governo pelo ocorrido. “Se há algo de errado e, em particular, se esta associação é uma das consideradas pró-Putin, o governo deveria ter informado a Câmara de Setúbal e todas as câmaras [ayuntamientos] quem tem esses problemas. Cabe ao governo esclarecer essa situação”, disse Martins em uma entrevista em um jornal Público.

Pressão sobre o Partido Comunista

A oposição em Setúbal, o Partido Socialista (PS) e o Partido Social Democrata (PSD), indicaram que não descartam apresentar as suas demissões em bloco para forçar a queda do governo local (cinco representantes da CDU contra quatro socialistas e dois de centro-direita) e a realização de novas eleições municipais, embora pareça difícil que este caminho prospere após o desentendimento que surgiu nos últimos dias entre as duas forças. O PS e o PSD também anunciaram moções de censura com algumas diferenças de critérios. Os socialistas propõem uma comissão de inquérito sobre a assistência aos refugiados ucranianos em Setúbal, enquanto a centro-direita pede a demissão de André Martins na sua proposta.

A Ministra dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, assegurou esta terça-feira à Assembleia da República que Setúbal é um caso isolado que carece de esclarecimento. “Lamento esta situação que considero inaceitável, seja por irresponsabilidade ou voluntarismo excessivo, que os níveis de alerta para questões de confidencialidade tenham sido reduzidos, o que não deveria acontecer no acolhimento de refugiados”, declarou.

O caso desencadeou a memória do que aconteceu no ano passado na Câmara Municipal de Lisboa, então presidida pelo socialista Fernando Medina, atual ministro das Finanças no governo de António Costa. A instituição disponibilizou à Embaixada da Rússia em Portugal os dados pessoais dos organizadores de uma manifestação a favor do opositor russo Alexei Navalni. Na sequência de uma investigação, a Comissão de Proteção de Dados concluiu que foram cometidas 225 violações, pois se descobriu que informações semelhantes de manifestantes haviam sido fornecidas às embaixadas de Angola, China, Irã e Arábia Saudita, entre outros países. A Câmara de Lisboa foi condenada a pagar uma coima de 1,25 milhões de euros.

O episódio dos refugiados ucranianos em Setúbal também aumentou a pressão sobre o Partido Comunista Português (PCP), isolado desde que a Rússia invadiu a Ucrânia pela sua posição neste conflito. Os deputados comunistas estiveram ausentes da Assembleia da República a 21 de abril durante a intervenção por videoconferência do Presidente da Ucrânia, Volodímir Zelenski, a quem criticaram pelas suas referências a 25 de abril de 1974, o golpe de estado dos capitães portugueses que derrubaram uma ditadura de 48 anos. O PCP nega ser contra a guerra, mas recusa-se a usar a palavra “invasão” e critica fortemente Zelensky, a quem acusa de perseguir comunistas na Ucrânia e de incorporar batalhões neonazistas ao exército.

A radicalização da campanha contra a posição do centenário Partido Comunista Português levou o primeiro-ministro, António Costa, a alertar que não vai fomentar em Portugal “um clima de Caça às bruxas”. “É clara a profunda divergência que o Governo tem com a posição do PCP sobre o conflito na Ucrânia, mas passar da dissidência à ilegalidade é algo absolutamente inconcebível num estado democrático de direito e num regime democrático para o qual o PCP contribuiu. muito. “, disse o primeiro-ministro.

Acompanhe todas as notícias internacionais em Facebook Sim Twitterou em nosso boletim semanal.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.