Adam Michnik: “Devemos desnazificar o Kremlin e desmilitarizar a Rússia”

Adam Michnik, referente da dissidência polonesa, fundador do Gazeta Wyborcza e Prémio Princesa das Astúrias de Comunicação e Ciências Humanas 2022, participou na conferência crenças e responsabilidades. Diálogos para uma presidênciaorganizado pela Associação de Jornalistas Europeus na sede da Fundação Carlos de Antuérpia em Madrid.

Em uma conversa no Zoom com o jornalista Carlos Franganillo, Michnik disse que o discurso de Vladimir Putin mostrou “o fracasso retumbante do líder russo”.

“Ele está perdendo a guerra em termos políticos e de propaganda, veremos o que acontece militarmente.” O presidente russo teria caído “em uma rampa que ele mesmo construiu”. Embora não saibamos o que vai acontecer, já podemos dizer que “esta guerra revelou a fraqueza militar da Rússia”. Os soldados foram levados a acreditar que os receberiam com flores, eles tinham uniformes cerimoniais.

Você falou sobre certos paradoxos da guerra. Assim, ele apontou o dedo para os discursos próximos a Putin na extrema direita e na extrema esquerda na Europa. O governo polonês compartilhou essa apologia aos valores conservadores e um discurso “putinista” antieuropeu, mas apoiou resolutamente a Ucrânia na guerra. A solidariedade foi grande: ucranianos e poloneses “pararam de falar sobre nossa história comum quando a Rússia começou a bombardear cidades, escolas, hospitais e museus ucranianos”.

“A UE e a Otan são o que Putin teme”, disse Michnik, que descreveu a ideologia da Rússia e seus apoiadores como uma mistura de nazismo e bolchevismo. Putin denunciou Lenin, de um ponto de vista nacionalista, e também criticou valores ocidentais, como igualdade de gênero e orientação sexual.

“Putin tem a mentalidade de um espião da KGB”, disse: o importante é “saber mentir, ter muito dinheiro e ser forte”. É uma visão que se baseia “na maldade do povo”. Subvertendo os slogans de guerra russos, Michnik diz que devemos “desnazificar o Kremlin e desmilitarizar a Rússia”.

A guerra, diz Michnik, não deve levar à russofobia: Brejnev não era toda a União Soviética, porque Sakharov e Solzhenitsyn também estavam lá, e Putin não é a Rússia, e isso não faz sentido excluir seus artistas e escritores.

Mais de uma vez a abertura veio na Rússia com uma guerra perdida, disse ele: com a derrota contra o Japão em 1905, ou no Afeganistão nos anos oitenta. “Guerras perdidas são o caminho das reformas internas.”

Mas para isso ele disse: “Putin deve perder”. Ele é um cara que “você aperta a mão dele e aí você tem que ter certeza que ele não tirou um dedo de você. Quebre todos os tratados. Sou adepto de soluções pacíficas, mas não podemos ir calmamente à mesa de negociações com alguém assim. Esta guerra foi iniciada por Putin e ele não pode vencê-la.

“Não podemos desistir. Putin deve perder esta guerra para que a Rússia seja um país normal: não só por isso, mas também por isso.

Para que isso aconteça, Putin deve ser eliminado. “Alguém mais intransigente não o substituiria necessariamente. Provavelmente quem vier a seguir dirá que temos que sair da guerra.

O discurso de Putin “é uma demonstração de fraqueza, não de força”, segundo Michnik. Mas ele não acha que este seja um momento revolucionário na Rússia. “As revoluções geralmente não acontecem quando a situação é mais difícil, mas quando o regime tenta fazer reformas. Mas há uma longa tradição russa de fotos de palácios.

“Embora pareça distante, e embora não tenhamos controle sobre esses eventos, não podemos descartar a possibilidade de um futuro democrático na Rússia.”

Michnik, que fumou um cigarro no briefing, referiu-se à “lógica de Munique”, com a rendição das potências ocidentais à Tchecoslováquia. “Desde a Segunda Guerra Mundial, nunca vimos uma solidariedade tão inabalável com qualquer outro país da Europa.”

Para que ela se mantenha, “devemos explicar por que essa guerra é importante”. Na Polônia, é considerado um perigo iminente. Em Portugal ou na Catalunha, pode parecer mais distante, mas não podemos permitir que prevaleça um modelo autoritário, imperial, xenófobo, que seria como um câncer se espalhando nas células do corpo de outros países: assim funcionaram o fascismo e o bolchevismo .”

“Vimos muitas democracias morrerem na Europa e não podemos permitir que isso aconteça novamente. Devemos deixar a democracia como um legado para nossos filhos.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.