Agrovoltaicos, a combinação perfeita para o verdadeiro boom da energia solar – pv magazine Spain

A agricultura e a pecuária surgiram há 10.000 anos em um momento revolucionário da história. Hoje, em um novo contexto de revolução tecnológica, a agricultura e a pecuária podem voltar a ser essenciais para acelerar o progresso da humanidade rumo à sustentabilidade ambiental. Não estamos falando de reinventar a pecuária ou processos e sistemas de pecuária, mas como seu uso inteligente e eficiente pode ajudar a gerar energia renovável em todo o mundo.

Vaclav Smil, cientista e analista especialista em desenvolvimento humano e energia, já relacionava esses conceitos há alguns anos quando observou em sua reflexão ‘Ciência, energia, ética e civilização‘: “As sociedades humanas sempre foram limitadas pela velocidade com que conseguiram captar a radiação solar e suas transformações terrestres. A produção de alimentos e combustível foi limitada pela baixa eficiência intrínseca da fotossíntese, bem como um suprimento insuficiente de nutrientes para as plantas. Como resultado, o rendimento médio das colheitas permaneceu baixo por milênios, causando fome recorrente e desnutrição crônica”.

Essa frase nos ajuda a entender a história da civilização e o nosso futuro, principalmente diante de uma mudança total na forma como entendemos os recursos naturais e o futuro do planeta. Parece que agora que todos estamos conscientes da necessidade de apostar nas energias renováveis, chegou o momento de ir mais longe. E uma das principais energias renováveis ​​é a energia solar fotovoltaica, uma fonte de energia limpa mas que leva a algumas interpretações erradas devido à sua elevada ocupação de superfície. Veja, por exemplo, o surgimento de movimentos ambientalistas contra essa energia limpa.

Neste contexto, surge o fenómeno da agrovoltaica, que procura a máxima sinergia entre a energia fotovoltaica e a agricultura através da instalação de painéis solares em terrenos agrícolas, ou mais recentemente, agricultura em terrenos fotovoltaicos. Esta alternativa posiciona-se como uma das referências para tornar mais sustentável um setor chave na luta contra as alterações climáticas, ao mesmo tempo que oferece a possibilidade de obter utilizações adicionais e rentabilização de ativos como o terreno onde se encontram os projetos, para além da produção de energia solar. a própria energia.

Se recuarmos aos primórdios desta tendência no sul da Europa, já em 2013 começamos a ver pioneiros que combinaram o aproveitamento do terreno para instalação de painéis fotovoltaicos e também alocaram o terreno para a sua utilização origem: proliferação da fauna e da flora . Então ninguém pronunciou o conceito agrovoltaicoque aos poucos foi se tornando mais presente em todos os projetos.

O objetivo do compartilhamento de espaço é otimizar o uso da terra e gerar benefícios como a preservação da biodiversidade, a coexistência de atividades agropecuárias em áreas onde foram instaladas usinas fotovoltaicas e a melhoria da produtividade agrícola. Neste sentido, algo muito relevante a salientar é que no início da agovoltaica não havia regulamentação que estabelecesse este tipo de boas práticas, mas sim foram os próprios produtores de energia que decidiram combinar estas duas atividades, ambas para reduzir as emissões de carbono em a atmosfera em benefício da agricultura e pecuária locais.

A nível administrativo foi inicialmente necessário cumprir alguns requisitos, mas não ao nível da sustentabilidade ambiental em sentido lato, mas apenas ao nível da paisagem: por exemplo, com a instalação de telas vegetais para ocultar as placas. Quando as atividades de conciliação ambiental começaram, foi por proatividade, já que a obrigação de implementar os benefícios locais ligados à produção de energia solar chegou por volta de 2019 na maioria dos países do sul da Europa no objetivo de alinhar todos os atores.

A princípio, a conversa simplesmente avançava entre produtores e fazendeiros ou pecuaristas da região. Por exemplo, foi alcançado um acordo entre as duas partes para permitir que ovelhas pastassem pacificamente nas instalações do projeto solar. A central fotovoltaica beneficiou de ter relva, livre de produtos químicos, ao nível do solo graças ao facto das ovelhas terem agido como desbravamento natural e com a satisfação de ter ajudado um pastor local, sem o objetivo de aprovação pública. No entanto, hoje esse fenômeno evoluiu para projetos específicos de usinas fotovoltaicas adequadas para qualquer tipo dessas atividades agrícolas. Os dados demonstram isso, já que em 2020 foram instalados mais de 2,8 GW de agrovoltaicos no mundo, de acordo com um relatório publicado pelo Instituto Fraunhofer.

Actualmente, a evolução desta envolvência do ambiente contempla também a apicultura, o cultivo da vinha para produção de vinho, a plantação de alfazema, alecrim e outras plantas aromáticas e medicinais, bem como a plantação de oliveiras, tendo sempre em conta conta as características do terreno e do clima de cada território. Isso é tudo o que prezamos no BNZ em cada novo projeto, para se adaptar o máximo possível às necessidades da comunidade local e seu ambiente.

Atualmente, além de ter diretrizes locais sobre como apoiar o território, a maioria dos produtores independentes de energia deseja cumprir as diretrizes ESG definidas pelas Nações Unidas. Isto supõe uma generalização deste tipo de boas práticas que são essenciais para qualquer tipo de projeto que realizamos no BNZ em Espanha, Itália e Portugal.

Apesar de qualquer empresa buscar a lucratividade, o compromisso da maioria das empresas do setor é oferecer também um benefício social, e a agrovoltacia é essencial nessa etapa. E mais considerando isso, segundo dados do Ministério de Transformação Ecológica e Desafio Demográfico do Governo EspanholCerca de 50% do terreno está classificado como área agrícola utilizável. Isso representa mais de 23 milhões de hectares. É assim uma oportunidade futura para o desenvolvimento deste conceito em Espanha e outras regiões do sul da Europa, conseguindo um equilíbrio entre a produção de energia solar e o desenvolvimento do setor primário.

A isto acrescentamos que, de acordo com um estudo publicado por Relatórios científicos, se cerca de 1% da terra disponível fosse dedicada à produção de energia solar, seria possível compensar a demanda energética mundial. Agora, em território espanhol, de acordo com estudos realizados pela Universidade de Almeriasimplesmente colocando painéis fotovoltaicos nos telhados dos mais de 40.000 hectares que as estufas ocupam no sudeste da Espanha, poderia ser produzido até um terço da energia consumida na Espanha.

No entanto, a eficiência do agrovoltaico também apresenta problemas, como o fato de ocupar mais espaço do que uma usina solar padrão. A isto deve-se acrescentar a oportunidade que ainda existe para a tecnologia solar fotovoltaica bifacial, com rendimentos melhorados graças a maiores distâncias entre os módulos. Atualmente, existem sistemas de suporte fixos que servem para elevar os painéis solares de 3,5 a 5 metros acima do campo de cultivo, permitindo o acesso de máquinas agrícolas aos cultivos abaixo. Além disso, é particularmente relevante em áreas quentes, onde a sombra pode proteger as culturas reduzindo as temperaturas e evitando a evaporação excessiva. Também ajuda a proteger a cultura do granizo e das chuvas fortes. Estima-se que, com tudo isso, a necessidade de irrigação seja reduzida em 20%.

Os exemplos são muitos, a maioria desenvolvidos na Holanda e na Alemanha e focados em trigo, batata, aipo, mirtilos, groselhas, framboesas, morangos e amoras. Nesses locais, foi demonstrado que em dias quentes as condições nos campos abaixo dos painéis são entre dois e cinco graus Celsius mais frias do que nos métodos tradicionais de cultivo. Também há exemplos claros de sua utilidade com oliveiras na Sicília, pessegueiros e vinhedos na França e alcachofras e pimentas em Múrcia.

Em Espanha, um dos grandes exemplos está no Talayuela Solar, um dos maiores parques solares da Europa, desenvolvido pela empresa Solarcentury em Cáceres. Aí iniciaram um programa de recuperação de coelho bravo e várias medidas de conservação de répteis, grous, rolos e corujas. Além disso, está prometida a plantação de 5.000 bolotas por ano para multiplicar o número de azinheiras, a criação de charcos e ilhas flutuantes para promover a nidificação de patos e outras espécies, bem como pasto para 500 ovelhas, entre outras promessas. .

Há também outras histórias de sucesso na Itália, como a EF Solare Italia, a maior operadora fotovoltaica da Itália, que opera usinas agrovoltaicas na Umbria, na Sardenha e na região da Calábria. Neste último, painéis com capacidade total de 18 MWp foram instalados nos telhados de estufas onde crescem 11.000 plantas cítricas, incluindo uma popular variedade local de limão. Projetos agrovoltaicos também são desenvolvidos na Itália em colaboração com setores pecuários. A leiteria Caseificio Buon Pastore, perto da cidade de Ravenna, na região da Emilia-Romagna, possui uma usina de energia solar onde rebanhos de ovelhas pastam livremente. Por sua vez, as placas impedem que a grama cresça demais, o que reduziria a quantidade de luz recebida pelos painéis.

Num outro país do sul da Europa, Portugal, a empresa especializada na produção de cereais e florestal Quinta da Cholda começou a instalar painéis solares fotovoltaicos que lhe permitem ser autossuficiente em energia, e nos terrenos onde utiliza para plantar fileiras de árvores autóctones plantas próprias para consumo humano e flores para sustentar a biodiversidade e alimentar abelhas e outros polinizadores.

Todos esses exemplos estão entre os mais fortes, mas existem centenas mais que poderíamos falar sobre como eles melhoram a qualidade da flora e da fauna do território ao mesmo tempo em que agregam energia limpa ao nosso planeta. Basta haver os devidos ajustes regulatórios para favorecer a instalação de agrovoltaicos sem a necessidade de modificar o uso do solo, o que significaria o verdadeiro boom da energia solar.

As visões e opiniões expressas neste artigo são do autor e não refletem necessariamente as de revista de fotos.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e reutilizar algum de nosso conteúdo, entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Filomena Varela

"Desbravador do bacon. Geek da cultura pop. Ninja do álcool em geral. Defensor certificado da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *