Alertam para a presença de medusas nestas praias de Granada

Dia de tomar cuidado na praia. Os utentes da zona balnear de Salobreña alertam para a presença de medusas em La Charca, no município de Granada de salobrena. A chegada destes organismos gelatinosos depende de elementos como o vento e se ontem o aviso de alerta estava concentrado em Motril, hoje parece que existem medusas noutros pontos, como a mencionada em Salobreña, onde se informa que existem “muita água-viva”.

Isso é indicado pelos usuários de diferentes aplicativos móveis que permitem conhecer o estado da água e a presença ou não desses animais, temidos por sua picada. Eles não são encontrados apenas em La Charca. Os banhistas apontam que começam a haver águas-vivas em lugares como Calahonda.



Também houve inscrições em Ferradura, no município de Almuñécar. Nos dias de hoje, eles apareceram esporadicamente e não impediram o banho, embora exigissem que os banhistas tivessem extrema cautela. Estes apontam através de aplicações como a desenvolvida por ele Aula del Mar e financiada pela Diputación de Málaga que são claramente visíveis, pelo que é possível evitá-las.

O que fazer se coçar

O Conselho Superior de Investigação Científica (CSIC) e o Projecto Medusa dispõem de um guia para a identificação e tratamento de picadas de medusas na costa mediterrânica espanhola. Este documento especifica que as células urticantes são usadas para se alimentar e se defender. Essas células, chamadas cnidócitos, são ativadas por contato físico ou por um estímulo químico. Dentro do cnidócito há um filamento enrolado que termina em um dardo. A picada ocorre quando o dardo é disparado e perfura a pele com “uma aceleração semelhante à de um tiro”.

Existem medusas muito pungentes, pungentes, levemente pungentes ou inofensivas. Para os primeiros, recomenda-se “evitar todo contato”. É o mesmo no Guia de Segunda Classe. Quais estão em Granada e sua Costa? O mais comum, diz Sánchez Tocino, é Pelagia noctiluca, cujos exemplares foram vistos nos dias de hoje na região de Almuñécar. É rosa avermelhado, marrom claro em sua fase juvenil. Pode chegar a 20 centímetros de diâmetro a partir do guarda-chuva, que é hemisférico e possui quatro braços grossos e oito tentáculos marginais. É muito irritante e muito comum.

Em caso de picada, recomenda-se seguir o protocolo geral que consiste em retirar os restos de tentáculos ou fragmentos de água-viva. Lave a área com água do mar, aplique solução de bicarbonato de sódio e também gelo seco por quinze segundos, com intervalos entre dois e três segundos. Se a dor persistir, é recomendável ir ao médico ou consultar um profissional de saúde.

Uma das espécies que se tornou “famosa” por sua presença na costa de Granada é a rizóstomo amarelo, que se distingue pelo seu tamanho. Sua presença é rara e é pungente. Seu guarda-chuva pode medir até 60 centímetros de diâmetro. Os braços podem atingir dois metros de comprimento. Pode ser visto sozinho ou em enxames.

Aquele contra o qual o Guia adverte por causa da periculosidade de sua picada é o caravela portuguesa (Physalia physalis), com parte flutuante de até 30 centímetros de comprimento e dez centímetros de largura. A parte submersa consiste em longos e finos tentáculos azuis que podem chegar a 20 centímetros de comprimento. É muito raro, vemos na primavera e se chega a Granada é porque os ventos o empurram da área do estreito.

O documento explica ainda que, em caso de picada de água-viva, não se deve aplicar água doce nem amônia. Você também não deve derramar álcool ou esfregar. Também é solicitado não aplicar curativos ou pressão. O uso de vinagre é limitado a certos “casos especiais”.

Recomendações básicas também estão incluídas, como não remova a água-viva da águanão os deixe na areia nem os enterre “porque os seus restos vão continuar a picar durante algum tempo”, informar o pessoal da praia da presença destes organismos e se o encontro for no mar “nadar devagar e sair da água sem movendo-se de repente”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.