António Guterres chama benefícios energéticos de imorais e pede que sejam tributados

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, chamou hoje de ‘imoral’ que as empresas de petróleo e gás estejam obtendo lucros recordes em meio à atual crise de energia e exortou todos os governos a tributar seus “lucros excessivos”.

“Leste ganância absurda pune as pessoas mais pobres e vulneráveis ​​enquanto destrói nossa única casa”, disse Guterres em uma coletiva de imprensa.

O chefe da ONU eu perguntei governos de todo o mundo para tributar Além disso, impostos esses “lucros excedentes” e usar os lucros para “apoiar as pessoas mais vulneráveis ​​nestes tempos difíceis”.

O político português lembrou que o Benefícios reunindo as maiores empresas energia mundial abordado no primeiro trimestre deste ano, o US$ 100 bilhões e que a atividade deste setor tem um “enorme custo” em efeitos ambientais.

“Estamos vendo lucros excessivos e ultrajantes no setor de petróleo e gás em um momento em que todos estamos perdendo dinheiro”, disse ele, referindo-se à alta inflação, para a qual estima fazer todo o sentido tributar e usar o dinheiro “para apoiar as vítimas desta situação”.

Questionado sobre a eventual oposição a estas medidas, António Guterres estimou que “nada será mais popular do que tributar os lucros excessivos das empresas e distribuir esse dinheiro às famílias mais vulneráveis”.

“Não acho que haja um problema de popularidade. há um problema de lobby contra e às vezes lobistas eles são muito poderosos e têm muita influência”, disse o ex-primeiro-ministro socialista de Portugal.

António Guterres disse isso durante a apresentação de um terceiro relatório elaborado por especialistas da ONU sobre o impacto global da guerra na Ucrânia e que, nesta ocasião, incide principalmente na área da energia.

O documento enfatiza que o mundo está em meio a um “grande crise de energia“, com países de todo o mundo atingidos por preços de combustível altos e voláteis e um impacto particularmente severo nos países em desenvolvimento e nas famílias mais vulneráveis.

Apesar de uma estabilização recente nos mercados atacadistas, a ONU ressalta que essa mudança não se traduziu em inflação mais baixa para a maioria dos consumidores.

Além de medidas de curto prazo, como planos de economia de energia, a organização pediu hoje uma um compromisso muito mais determinado com as energias renováveis, que, segundo António Guterres, “na maioria dos casos são mais baratos que os combustíveis fósseis”.

“Os governos devem alargar e diversificar as cadeias de abastecimento de matérias-primas e tecnologias de energias renováveis”, exigiu o português.

“Eles devem remover a burocracia da transição energética (métricas) e mover os subsídios aos combustíveis fósseis para apoiar as famílias vulneráveis ​​e aumentar o investimento em energias renováveis”, acrescentou.

Perante esta transição energética, António Guterres pediu mais investimento público e privado e instou os acionistas dos bancos de desenvolvimento a assumirem mais riscos e ajudarem os países a avançar.

Nesse sentido, destacou que os países em desenvolvimento têm todas as razões para investir em energias renováveis, mas carecem de recursos, enquanto as nações mais ricas os pressionam a fazer essa transição, mas não lhes dão suporte técnico e financeiro suficiente.

“E alguns desses mesmos países desenvolvidos estão a introduzir subsídios universais nas bombas de gasolina, enquanto outros estão a reabrir centrais a carvão. É difícil justificar estas medidas, mesmo que temporariamente”, disse António Guterres.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.