Argentina e Brasil ameaçam a Europa

Os rótulos dos grandes eventos são sempre colocados como uma “reflexão”, mas poucos tiveram tanto “a priori” quanto o do Catar: bem-vindo à Copa do Mundo mais polêmica, estranha e artificial da história. Por trás das figuras do esporte (32 times, 831 jogadores, 296 clubes e 56 ligas representadas) escondem-se outras figuras humanas (6.500 mortos na “produção” do evento) compondo um escândalo histórico sem precedentes… um mês. 64 jogos, para ser mais preciso.

No futebol puro, a Europa dominou os últimos quatro campeonatos mundiais (Itália em 2006, Espanha em 2010, Alemanha em 2014 e França em 2018) e a América do Sul considera que é hora de reivindicar o trono de ouro. Brasil e Argentina aparecem no Catar como os dois grandes favoritos, cada um à sua maneira. Um nesta soma anárquica e bela de individualidades que sempre ofereceu (com uma constelação de atacantes como nunca apresentou), e o outro porque conseguiu fechar as rachaduras e finalmente se unir em torno de Leo Messi, faminto como sempre em seu desafio de “caçar” Maradona.

Eles são os dois marcados para a glória do outro lado do ‘lago’, cortesia do sempre competitivo Uruguai, um dos times de garra de ferro capazes de ferir fatalmente qualquer um em uma partida. E perante a estagnação do futebol asiático e africano, o Velho Continente volta a apresentar o maior número de candidatos.

Na ausência da Itália, as galinhas continuam dominadas pelos eternos suspeitos de sempre. A França, infelizmente defensiva apesar de tantas “bombas” no ataque, protege a sua coroa com os mesmos argumentos que a entronizou na Rússia: músculo, mais músculo, um pouco mais de músculo… e que Mbappé se aguente. Ele é quem precisaria de menos futebol de todos os participantes para chegar à Copa.

Atrás dos franceses, ou ao seu nível, está uma Inglaterra cuja aposta no primeiro-ministro resulta na consagração da melhor geração em décadas: meias-finais na Rússia ’18, final no Euro’21… A sua equipa, obstinada Alemanha , rejuvenescido e eternamente favorito; uma Bélgica que finalmente quer um reconhecimento digno para a melhor geração de sua história; uma Espanha jovem, desconfortável e sem vergonha, o rival que ninguém quer enfrentar; o Portugal das estrelas decadentes misturado com as novidades; e as possíveis surpresas de blocos de concreto como a Dinamarca, que já foi semifinalista da Euro, ou a Suíça, que já eliminou a França desta mesma Euro.

triste “lado B”

Por trás do brilho de uma bola que lembra o pêndulo do hipnotizador, o Catar esconde um “lado B” cheio de putrefação: corrupção, desperdício econômico, desrespeito aos direitos humanos e milhares de mortes na construção não só de estádios, mas de toda a infraestrutura necessária para receber um Copa do Mundo, como um novo aeroporto, quilômetros e quilômetros de rodovias… Quase 225 bilhões investidos para criar um campeonato de inverno (o primeiro da história) tão artificial quanto as falsas torcidas que aparecem nas ruas. O Brasil’14, por exemplo, não chegou a 13,5 bilhões em infraestrutura.

Milhares e milhares de trabalhadores do Nepal, Índia ou Bangladesh trabalharam em condições extremas: mais de 42 graus em média, até 50 no verão, quando a OMS indica que depois de 32,5 é necessário parar para evitar lesões. ONGs estimam mais de 6.500 mortos em fevereiro deste ano. Acrescentando a tudo isso o fato de que certos direitos humanos fundamentais não são respeitados no Catar, que as mulheres têm menos direitos que os homens perante a lei ou que a homossexualidade é ilegal e que a mídia não é livre, será preciso gritar “Gol!” mais forte do que nunca para encobrir tanta miséria.

Marciano Brandão

"Defensor apaixonado da internet. Amante de música premiado. Totó de café. Estudioso de mídia social ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *