Autoridades brigam com o governo Costa




Oficiais portugueses conseguiram paralisar escolas, centros de saúde e administrações em uma greve do funcionalismo público, que avança com quase 80% de adesão, segundo os organizadores. Os funcionários públicos exigem melhorias salariais e trabalhistas.

Os registros de chamadas “bons indicadores de adesão”, entre 60% e 90% por setores e regiões, segundo a Frente Comum dos Sindicatos do Servidor Público.

A primeira greve desde que o socialista António Costa chegou ao poder com maioria absoluta afeta múltiplos setores, desde coleta de lixoasa atenção na administração públicapostos de saúde e escolas.

A manifestação foi organizada pela Frente Comum dos Sindicatos do Servidor Público, vinculada à Confederação Geral do Trabalho (CGTP), a maior central sindical de Portugal, e tem o apoio a organizações de enfermeiros e professores.

Perda de poder de compra

Os sindicatos exigem do executivo português melhorias nas carreiras profissionais, nas condições de trabalho e aumentos salariais que compensem a perda de poder de compra agravada pela inflação, que subiu para 10,2% em outubro em Portugal. O IPC português harmonizado situou-se em 10,6%justo na comunidade significa

A mobilização ocorre uma semana antes da aprovação do Orçamento do Estado para 2023, que inclui aumentos de até 3,6% para funcionários públicos.

O governo não respondeu às questões que apresentamosnomeadamente a necessidade de compensar a perda de salários devido à inflação”, denunciou Sebastião Santana, coordenador da Frente Común, em entrevista ao RTP. O dirigente sindical não descartou novas manifestações. “Está nas mãos do governo”, disse.

Protestos de servidores públicos se sucederam em sucessivos governos liderados por Costa, desde sua primeira legislatura, em 2015. A greve de 24 horas desta sexta-feira, termina à meia-noite.

imposto de supermercado

Por seu lado, o governo português deu luz verde a algumas impostos temporários sobre os benefícios extraordinários de empresas de distribuição de energia e alimentosque ainda tem de ser aprovado pelo Parlamento, onde os Socialistas têm maioria absoluta.

A proposta visa “mitigar efeitos econômicos diretos“da inflação derivada guerra ucraniana sobre consumidores e empresas. Os rendimentos dos impostos dos supermercados podem ser usados ​​para apoiar pequenas empresas afetadas pelo aumento dos preços ou iniciativas de combate à fome.

Marciano Brandão

"Defensor apaixonado da internet. Amante de música premiado. Totó de café. Estudioso de mídia social ao longo da vida."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *