Chomsky pede “buscar acordos de qualquer tipo” para evitar a escalada do conflito na Ucrânia

Encerramento telemático do Festival de Cinema e Direitos Humanos de Barcelona

BARCELONA, 11 dez. (IMPRENSA EUROPA) –

O filósofo, linguista e ativista norte-americano Noam Chomsky disse que “deve-se buscar algum acordo para tentar evitar a escalada do conflito” na Ucrânia, país que ele literalmente definiu como parceiro de fato da OTAN.

Chomsky encerrou no sábado à noite, com uma videoconferência ao vivo, o Festival de Cinema e Direitos Humanos de Barcelona, ​​disseram os organizadores em comunicado.

A perguntas da platéia, ele explicou que a invasão russa é “um crime de guerra como o de Hitler na Polônia ou dos Estados Unidos no Iraque”.

Para ele, a origem está no acordo entre os presidentes russo e americano, Mikhail Gorbachev e George Bush (1990), para que uma Alemanha reunificada entre na OTAN com a condição de que a Aliança não se expanda mais. O presidente dos EUA, Bill Clinton, não respeitou, disse Chomsky.

O intelectual também tocou na crise climática: alertou que restam apenas algumas décadas para evitar um ponto de inflexão, instou o ativismo a se concentrar na “conscientização sobre a natureza das ameaças climáticas” e pediu aos vários poderes que trabalhem juntos para um solução.

Sobre a luta de outros ativistas para libertar o fundador do Wikileaks, Julian Assange, ele disse que é preciso muito ativismo para divulgar o caso de forma mais ampla.

PRÊMIO DO FESTIVAL

Os prémios do festival também foram atribuídos: a melhor longa-metragem foi “Go through the dark” (de Yunhong Pu, China 2021); Melhor Curta Ficção, ‘Ajuste’ (Mehrdad Hasani, Irã 2022); o melhor curta documentário, ‘Um robô para Colcabamba’ (Luciano Gorriti e Adrián Portugal, Peru 2021) e o melhor curta catalão, ‘El rellotge del meu stop’ (Francesc Palau, Espanha 2022).

A cerimónia de encerramento terminou com a exibição das curtas-metragens dos novos realizadores catalães: ‘La mort petita’, ‘Aquesta nit’, ‘El bosc de la chimera’ e ‘Inefable’.

E os Premis Humans – Barcelona Human Rights Awards foram atribuídos: ao escritor ucraniano Andrei Kurkov (Prémio de Literatura e Direitos Humanos); o político afegão Malalai Joya (Voz e Direitos Humanos); o advogado e jornalista colombiano Daniel Mendoza Leal (Mirada y Derechos Humanos); o jornalista e ex-diretor da FundiPau, Jordi Armadans (Arcadi Oliveres); a advogada e membro da coordenadora distrital Patricia Fernández Vicens (direitos humanos) e da Fundação Pare Manel (honorária).

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *