Criptomoedas, em Portugal: “Espanha não está aproveitando a oportunidade”

Portugal há muito se tornou um paraíso criptográfico, um lugar onde os investidores em criptomoedas podem se beneficiar de um imposto de 0% sobre esses ativos digitais. Uma situação que contrasta com a de Espanha, pois apesar de serem países vizinhos, no nosso caso regras e regulamentos são muito mais rigorosos.

Segundo as advogadas Teresa Novo e Luisa Cinca, da sociedade de advogados Belzuz, face ao vazio jurídico que existe para efeitos fiscais em Portugal, “Os investidores residentes em Espanha transferem a sua residência para Portugal. Soma-se a isso o fato de que essas pessoas são, em geral, pessoas especialmente qualificadas, muitas das quais com formação nas áreas de sistemas e tecnologias de informação, engenharia da computação e/ou economia, que procuram um país onde não pagar impostos sobre a totalidade ou parte dos seus rendimentos.

Eles apontam que a principal diferença é que na Espanha os investimentos com criptomoedas são tributados para fins de imposto de renda.

Em Portugal, em matéria fiscal, não existe um regime específico de tributação das criptomoedas. O código do IRS português (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares) não prevê quaisquer regras específicas sobre a tributação dos rendimentos da venda de criptomoedas e, por isso, salientam, “é discutível se tais rendimentos devem ser sujeitos a imposto em Portugal , quando não resultem de atividade profissional”.

7 maneiras de pagar menos impostos investindo em criptomoedas

Além disso, segundo Novo e Cinca, a administração fiscal e aduaneira portuguesa não promoveu, até ao momento, a tributação dos rendimentos com criptoativos, salvo nos casos em que os titulares dos rendimentos tenham optado por declará-los como actividade profissional.

Por seu lado, María Extremadouro, advogada e sócia fundadora da Miñoabogados e da Agalbit, salienta que “a principal diferença é que em Espanha os rendimentos obtidos por pessoas singulares com a venda e troca de criptomoedas estão sujeitos ao imposto sobre o rendimento das pessoas singulares como rendimento ou perda de capital com taxas que variam entre 19% e 26%, a mesma operação em Portugal é tributada a 0%, desde que não estejamos na presença de atividade económica”.

Além disso, o país vizinho permite, em certos casos, que as pessoas singulares residentes paguem impostos sobre os rendimentos do trabalho à taxa linear de 20% e 10% no caso das pensões.

Assim, há uma fuga de talentos e investimentos digitais da Espanha para Portugal. Enrique López de Ceballos, advogado especializado em alta renda e planejamento tributário, garante que a chave é que “em Espanha há uma perseguição às criptomoedas e em Portugal é o contrário.”

Por seu lado, o Extremadouro destaca que “Portugal atrai muitos nômades digitais de diferentes nacionalidades ligados ao ambiente criptográfico que convergem para um pólo tecnológico cada vez mais relevante em Lisboa, com um ambiente internacional muito atraente para fazer negócios”.

Espanha e a possibilidade de se tornar um deserto criptográfico

Vendo a diferença de tratamento das criptomoedas em Portugal e Espanha, pergunta-se se Espanha não pode tornar-se um deserto criptográfico.

Os advogados da Belzuz afirmam que “é fato que a receita de criptomoedas é difícil de rastrear até sua origem e pode estar associada a práticas de lavagem de dinheiro ou métodos de pagamento para transações questionáveis. , o que determinou sua má reputação”. Por isso, o Tesouro da Espanha está muito atento a esses movimentos e optou por regulá-los de forma muito meticulosa”.

Para o efeito, a Espanha optou por pagar impostos sobre todos os rendimentos, tornando obrigatória a declaração de todas as operações realizadas. “Por estas razões, a mudança de residência dos investidores em Portugal e tributação na Espanha pode influenciar o risco de um deserto de criptomoedas na Espanha”, eles sublinham

Maria Extremadouro, considera que A Espanha deve ser mais responsiva às solicitações da comunidade criptográfica e “ouvir suas necessidades” e proporcionar maior segurança jurídica para poder consolidar os projetos”.

“Não são poucos os países que começam a perceber as enormes oportunidades oferecidas por este ecossistema e já começaram a desenhar a sua estratégia para se tornarem destinos atrativos para as empresas deste setor”, afirma.

Enrique López de Ceballos discorda e acredita que a Espanha não chegará ao ponto de ser um deserto de criptomoedas:Não acho que se tornará um terreno baldio de criptomoedas, mas o que temo é que não estejamos aproveitando para atrair talentosinvestidores e sobretudo empresários que estão a impulsionar este setor, no qual existem empresas com grande potencial como a BIT2ME, Protein Capital ou Tutellus, entre outras”, conclui.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.