Cuidado em Portugal

Portugal vota este domingo numa eleição antecipada que quase ninguém queria e que acontece na hora errada: pico da sexta vaga da epidemia, nuvens negras na Europa de Leste e incerteza geral sobre a força da recuperação económica. As sondagens indicam que o principal partido da oposição, o Partido Social Democrata (PSD), está a recuperar terreno, a ponto de conseguir igualar e até ultrapassar o Partido Socialista (PS) do primeiro-ministro. Antonio Costa. As últimas sondagens publicadas dão ao PS uma vantagem de dois ou três pontos, estimativa que significaria uma forte recuperação do principal partido da oposição, liderado por Rui Rio, ex-prefeito do Porto. Estes não eram os cálculos de um mês atrás.

Sabendo que também é difícil saber qual partido alcançará a terceira posição, é possível que a política portuguesa se encontre num atoleiro após o bloqueio dos orçamentos de 2022 em dezembro passado. Um pântano em que não é fácil formar governo, tarefa que o Presidente da República deve arbitrar, Marcelo Rebelo de Sousa. A esquerda não conseguiu chegar a um acordo em dezembro; O primeiro-ministro Costa acusa o desgaste apesar de suas reconhecidas habilidades, e o veterano líder da oposição parece estar capitalizando uma decisão muito pouco espanhola: quando a epidemia eclodiu, ele decidiu não atacar de frente. o seu distanciamento do novo partido de extrema-direita, Chega (Basta), que aspira à disputada terceira posição.

Portugal, 10,2 milhões de habitantes, com 1,5 milhões de eleitores em emigração. Um país que sempre oferece lições políticas interessantes.

Eleições antecipadas foram forçadas pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (deputado do PSD) antes do bloqueio do orçamento de 2022. Para forçar a aprovação das contas, Rebelo declarou: “Se não houver orçamentos, vamos às eleições”. Não havia pacto e ele não teve escolha a não ser obedecer ao aviso dela. O país corre o risco de sair do avanço eleitoral com uma situação política ainda mais complicada.

O bloqueio ocorreu após divergências do primeiro-ministro António Costa com os seus antigos aliados de esquerda: o Bloco d’Esquerda e o Partido Comunista Português (PCP). Estes partidos não fizeram parte do executivo português nos últimos anos, mas na legislatura 2015-2019 apoiaram o governo do PS através de um acordo parlamentar. Costa aproveitou o acordo e a estabilidade e, a partir de 2019, com mais deputados, muito próximos da maioria absoluta, optou por uma fuga solitária sem acordos parlamentares estáveis. Quando a epidemia eclodiu, o PCP ajudou-o a aprovar os orçamentos de 2021, mas em dezembro passado, ao negociar os orçamentos de 2022, os comunistas endureceram as suas condições. Uma sucessão de erros de cálculo levou a eleições antecipadas.

Alguns observadores políticos defendem que António Costa perdeu apoio durante todo o mês de janeiro por exigir a maioria absoluta do resultado do plebiscito. Cansada da epidemia e preocupada com o futuro, a sociedade portuguesa parece muito relutante em deixar que um único partido controle a situação. Costa não foi ajudado pela aparição na televisão do ex-primeiro-ministro socialista José Sócrates, que desfrutou da última maioria absoluta no parlamento português e acabou na prisão por corrupção.

O líder da oposição está agora capitalizando sua política construtiva nos piores momentos da epidemia, quando optou por uma “linha patriótica” de colaboração institucional. Rui Rio também decidiu manter distância do novo partido de extrema-direita, Chega, intimamente ligado ao Vox espanhol. Comparativamente, o PSD português sempre foi um partido mais centrista do que o PP espanhol. Uma anedota pode ajudar a explicar melhor. Na famosa foto do “trio dos Açores” (Georges W. Bush, Tony Blair e José María Aznar), estava também o primeiro-ministro português, José Manuel Durão Barroso, anfitrião do encontro durante o qual foi decidida a invasão do Iraque . Durão Barroso, porém, se separou um pouco do grupo, ficando em um canto. O enquadramento jornalístico da fotografia excluiu Durão Barroso e o “quarteto dos Açores” nunca foi mencionado.

António Costa disse que desistiria da política se fosse derrotadoe o astuto Rui Rio deu a entender que se a sua candidatura ficasse em segundo lugar, o PSD estaria disposto a deixar o PS governar sozinho para evitar uma frente de esquerda.

A economia portuguesa cresceu 4,6% no ano passado, alguns décimos a menos que a Espanha. Estamos falando de um país de baixos salários, onde 43% da população poderia viver na pobreza se não houvesse assistência social. Um milhão e meio de portugueses com direito a voto vive no estrangeiro, o que significa que a emigração ultrapassa os 10% do censo. Na Espanha, isso equivaleria a cerca de cinco milhões de espanhóis no exterior. Esta elevada taxa de emigração, com uma forte componente de jovens, permite compreender melhor o clima relativamente calmo da sociedade portuguesa, um país culturalmente mais homogéneo do que Espanha, sem regiões autónomas, com exceção dos arquipélagos da Madeira e os Açores no Atlântico.

A cultura política portuguesa moderna não gerou o fenómeno hispânico dos “shakes”. Obviamente, há fortes debates políticos, mas o país vizinho não atinge o grau de agressão verbal da atual política espanhola, estilo que o partido Chega, pareado com o Vox, tenta representar. Podemos dizer que o carácter português é mais calmo, mas podemos também fazer a seguinte interpretação: a Revolução de Abril de 1974, o golpe de jovens oficiais do exército contra a ditadura salazarista, provocou o colapso do regime autoritário, que permitiu a cristalização de uma cultura política democrática. Na Espanha, tudo era mais lento, transitivo e transitório. A nostalgia do autoritarismo é hoje mais forte na Espanha do que em Portugal.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *