É o pacto com os portugueses que apela à esquerda em Espanha

PSOE e Podemos estão imersos no complexo conversas para a posse de Pedro Sánchez com o objetivo final de formar um governo de esquerda estável na Espanha. As armadilhas e os problemas contínuos que aparecem após os encontros entre Sánchez e Pablo Iglesias levantam temores de que esse pacto não aconteça. Nos setores da esquerda, olham para Portugal e sonham em imitar o Pacto Portuguêsa aliança de esquerda que governa o país vizinho.

Em Portugal, a aliança aparentemente impossível – apelidada depreciativamente de ‘geringonça” (desleixado)– entre ele Partido Socialista (PS), Partido Comunista (PCP) e Bloco de Esquerda (BE)— detém 122 dos 230 assentos no Parlamento Português. E está prestes a acabar legislatura mais estável das últimas décadas.

Como esse acordo, já conhecido como pacto português, se tornou realidade? Como as três formações administraram o acordo e sua participação no governo? Tentaremos explicar as chaves desse sucesso que a esquerda aspira ao governo espanhol.

modelo invejado

Voltamos a 2015, quando a coalizão conservadora liderada por Pedro Passos Coelho – primeiro-ministro desde 2011 – ficou a um passo da maioria absoluta. Seu governo durou apenas 10 dias. O Partido Socialista (PS), punido pelas urnas e relegado à oposição após pedir um resgate de 78 bilhões de euros, promoveu uma moção conjunta de censura da esquerda.

Afogados pela crise, desemprego e cortes orçamentários, poucos acreditavam que um pacto de esquerda sem precedentes, que parecia inatingível há apenas quatro anos, tiraria Portugal do buraco e transformaria o país em um modelo invejado para seus vizinhos.

Hoje, pela primeira vez na recente história democrática de Portugal, o Primeiro-Ministro pertence a um partido que não ganhou as eleições. E, segundo as pesquisas, voltará a governar após as eleições legislativas de outubro.

Pragmatismo e responsabilidade

Por que Portugal é o único país europeu onde uma aliança de esquerda resultou em um governo estável? As respostas são muitas, mas os analistas concordam que para além do dramático cenário económico de 2015 – com um país de onde a “troika” europeia tinha saído um ano antes e sufocada pela austeridade – o pragmatismo e responsabilidade dos líderes de esquerda Eles foram decisivos.

Assim, o primeiro-ministro, Antonio Costa, filho de um líder comunista, hábil negociador e dotado de vasta experiência política. Durante a crise, ele se distancia da ex-direção do PS – que está ardendo em ajudar – e sobe à cabeça do partido. Prefeito experiente de Lisboa (2007-2015), abraçou “a alternativa à austeridade” na sua carreira eleitoral.

Jerônimo de Sousasecretário-geral do PCP – o único partido comunista que ainda se declara leninista -, revelou-se também um político pragmático capaz de abrir mão de alguns dos seus princípios para derrubar a direita.

No Bloco, formado por correntes de esquerda que vão do marxismo aos anticapitalistas, a liderança de mulheres jovens, como Catarina Martinsmarcou a negociação.

estacione as diferenças

Conscientes do abismo que os separa em questões fundamentais, como a Europa ou a OTAN, as forças da esquerda deixe de lado suas divergências selar um programa comum. “Deixaram de lado diferenças intransponíveis para priorizar o que os unia, que era trabalhar à direita”, diz Boaventura de Sousa Santos, diretor emérito do centro de estudos sociais da Universidade de Coimbra.

No programa comum, aumento do salário mínimo, melhorias para os servidores públicos, fim das privatizações, aumento das pensões, medidas contra o desemprego e aumento do investimento em saúde e educação, entre outros.

Em momento algum, sublinha Sousa Santos, foi mencionada a entrada do PCP ou do Bloco no executivo. A aliança limitou-se a apoio parlamentar em troca do cumprimento do pacto.

Os socialistas se apegaram a ela, em linhas gerais, com episódios que testaram a fórmula, como a reforma trabalhista aprovada com a direita. “O Partido Socialista cedeu mais rapidamente à restituição das rendas, com aumentos do salário mínimo e recuperação dos salários dos funcionários públicos. Os comunistas e o BE cederam à disciplina orçamental e à política europeia”, resume o sociólogo António Costa Pinto, da Universidade de Lisboa.

As figuras do “milagre” português

De mãos dadas com a ‘geringonça’, Portugal tem superou a crise e reforça a estabilidade. Os números são esmagadores. Crescimento de 2,1% no ano passado, com déficit de 0,5% do PIB e desemprego próximo a 6%. Os salários e pensões foram atualizados e as privatizações foram interrompidas.

A “troika”, que interveio no dogma da austeridade, acabou por falar do “milagre” português. Um “milagre” que transcende fronteiras: o ministro das Finanças, Mario Centeno, lidera o Eurogrupo, António Guterres é secretário-geral da ONU e António Vitorino é presidente da Organização Internacional para as Migrações.

As diferenças com a Espanha

Enquanto Portugal enfrenta as eleições legislativas de outubro próximo num clima de estabilidade, a Espanha não consegue afastar o fantasma de uma nova convocação eleitoral. Por que não é possível ‘geringonça’ em espanhol?, perguntam-se no país português.

Para começar, Portugal é uma república semipresidencialista e não tem nacionalismos nenhuma partida de extrema-direita não muito à esquerda. Há também uma “diferença de situação”, segundo Costa Pinto. “Em Portugal, a unidade da esquerda respondeu à ameaça da direita e buscou a austeridade.” Este não é o cenário atual na Espanha.

Além disso, observa ele, “o crise do sistema partidário em Espanha foi mais dramático do que em Portugal” e o modelo partidário fragmentou-se.

Os protagonistas também são diferentes. “igrejas paulinas reivindica o presença no governoenquanto a esquerda portuguesa decidiu ficar de fora”, sublinha Sousa Santos. A entrada no governo, sustenta Sousa Santos, “multiplica a chances de fuga Em caso de desacordo e com os problemas autônomos da Espanha, as possibilidades de ruptura seriam particularmente grandes”.

Apesar de suas semelhanças ideológicas, as estratégias do BE e do Podemos são muito diferentes. Com 10% dos votos, “para crescer eleitoralmente, o Bloco tem moderado gradualmente suas posições”, explica Costa Pinto.

“Não é para um casamento”

Estimulado pelo avanço dos socialistas nas eleições municipais de 2017, o primeiro-ministro de Portugal admitiu no ano passado que as diferenças com seus aliados “dificilmente podem ser ignoradas”. “Dá para ser amigo, mas não para o casamento”, disse Costa.

Notícias relacionadas

No entanto, três meses antes das eleições legislativas, o pesquisas prevêem uma vitória do PS, embora não revelem se obterá maioria absoluta ou se terá de voltar a concordar. Uma das últimas pesquisas dá ao PS 39% dos votos, seguido pelo PSD de centro-direita (28%). Os comunistas e o BE ficariam com 8% e 9%, respectivamente. E 27% do eleitorado apostaria na repetição da ‘geringonça’.

Será preciso esperar até outubro para ver se os socialistas conseguem recuperar o celibato ou repetir o concubinato com a esquerda.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.