Escravidão: O memorial da escravidão reabre feridas em Portugal | Opinião

Tráfico de escravos. Gravura de Rollet, após uma pintura de George Morland (1763-1804).

Portugal foi o primeiro estado do mundo a comercializar escravos da África. Foi entre 1450 e 1900; Mas as lembranças voltam até hoje. A última mulher que tinha sido escrava morreu em Lisboa em 1930. A associação portuguesa de afrodescendentes DJASS conseguiu fazer do seu projeto memorial da escravidão um dos mais votados (1.176 votos) no orçamento de Lisboa Participativa.

A ideia da associação consiste num memorial no centro da cidade, nas margens do rio, para “reconhecer o papel de Portugal no tráfico de escravos, a resistência das populações africanas, e responder às os efeitos deste comércio na existência do racismo atual”. Tem um orçamento de 100.000 euros e uma data de execução, antes de 2020; No entanto, a Câmara Municipal, promotora do orçamento participativo, não gosta muito. ideia, preferiu criar o Museu dos Descobrimentos e que a escravatura fosse comemorada numa das suas salas.

Em cinco séculos, Portugal negociou com mais de 11 milhões de africanos, asiáticos e americanos. Se ele foi um dos pioneiros no assunto, também afirma ser um dos primeiros a abolir a escravidão. Oficialmente, D. João I a proibiu em 1761, mas apenas na França metropolitana e na Índia; embora na realidade, mais do que proibir, não permitisse a entrada de novos escravos nesses territórios. Ativistas afrodescendentes, cidadãos cívicos e historiadores estão fortemente divididos; Para os primeiros, um museu com tais características esconderia mais uma vez a atividade dos escravagistas portugueses; para este, entraria num museu, embora fosse apenas uma parte, a parte obscura, daqueles séculos brilhantes. Os historiadores também se dividem entre aqueles que acusam a Câmara Municipal de querer mais uma vez esconder a história crítica e aqueles que, por outro lado, lembram que na colônia portuguesa da África nunca houve revoltas contra a escravidão e que, portanto, falando da resistência dos povos também distorce a história. Seja qual for a solução final, continuaremos a falar sobre isso.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.