Espanha mantém o Midcat como prioridade porque é o gasoduto mais simples e rápido

  • Sánchez vai esta terça-feira à Alemanha, a convite de Scholz, que foca a pressão sobre a França para a construção do gasoduto ibérico

  • O governo vê o MidCat como a opção mais viável, apesar do presidente ter dado um buff à conexão submarina com a Itália

  • Chefe do Executivo participa de reunião executiva alemã onde será discutida a estratégia de segurança nacional de Berlim

O governo não afrouxa esforços para que a França desbloqueie a construção de um gasoduto através dos Pirenéus, o MidCat, ainda que também esteja em cima da mesa a alternativa submarina para ligar a Península Ibérica ao resto da Europa via Itália. Eobjetivo principal é convencer Emmanuel Macron e Espanha, Portugal e Alemanha estão a trabalhar nisso em conjunto, considerando, segundo fontes executivas espanholas, que este projecto faz parte da resposta europeia à guerra na Ucrânia, “uma reacção quase mais política do que técnica” e uma nova amostra de consenso dentro a UE para desenvolver “novas políticas energéticas”.

o A pressão alemã sobre a França é constante há meses. Em março passado, o embaixador da Alemanha na Espanha, Wolfang Dold, já havia manifestado publicamente seu apoio à retomada do gasoduto transfronteiriço Midcat e disse que estavam “conversando com a França e a Espanha sobre isso”. E no início de agosto, o próprio chanceler, Olaf Scholz, optou por ele como alternativa ao córrego norte 1 – que continua em serviço, mas com a ameaça russa de um corte de abastecimento neste inverno – e Nord Stream 2, o segundo dos gasodutos que ligam a Alemanha e a Rússia, que nem sequer começou após a invasão. Mas a França continua a bloqueá-lo, mesmo que se beneficie com a chegada do gás e sua construção ajude toda a Europa a substituir a dependência energética de Vladimir Putin.

O presidente do governo desloca-se terça-feira à Alemanha, convidado por Scholz, para participar numa sessão extraordinária do seu Conselho de Ministros, convocado para acordar uma estratégia de segurança nacional. Uma novidade na política alemã, resultante do acordo de coalizão. O social-democrata Scholz preside um executivo no qual, junto com o SPD e os Verdes, os liberais do FDP fazem parte do governo. Não está confirmado que o MidCat será necessariamente discutido nesta reunião com o Chanceler e os Ministros, mas também não está excluído porque a invasão russa da Ucrânia abriu uma crise energética na UE devido à necessidade de alguns países da UE, especialmente Alemanha, mas também Itália, do gás russo. De qualquer forma, esta é uma questão que pode ser abordada durante a aparição subsequente.

PRESSÃO NA FRANÇA

Quer haja progresso ou não, não há dúvida sobre a harmonia entre Alemanha e Espanha nesta questão. Na passada sexta-feira, o porta-voz do governo alemão Steffen Hebestreit repetiu-o, salientando que “há um grande consenso por parte de Portugal, Espanha e também do lado alemão de que seria sensato criar tal ligação”. “Os desejos de espanhóis, alemães e portugueses são muito semelhantes”ele apontou.

Durante uma aparição em Bogotá, Pedro Sánchez deu asas pela primeira vez ao gasoduto submarino com a Itália, que os dois países já estudam, devido à relutância da França em relação ao MidCat. “Se o plano A não for adiante, teremos que procurar o plano B”, alertou. “Se não pode ser feito pela França, há uma alternativa que é a Itália. Transfiro a determinação da Espanha para conseguir esta interligação & rdquor;.

“A LÓGICA SERIA IR PARA O MAIS FÁCIL”

Mas, apesar do alerta de Sánchez, a conexão italiana não é prioridade do governo. Apenas uma segunda opção que você não gostaria de alcançar. Porque o que é rápido e fácil, e o que a Alemanha exige é o MidCat. A Terceira Vice-Presidente e Ministra da Transição Ecológica, Teresa Ribera, disse isso muito claramente na semana passada. o a alternativa “mais fácil” seria a interligação com a França contra a opção italiana, que ele disse “é um trabalho de engenharia mais complicado”. “A lógica é ir ao mais simples, ao que pode estar operacional para o outono ou inverno de 2023-2024”, defendeu. Este é o tempo estimado pela Espanha para sua construção, embora o governo gaulês não o compartilhe.

Nos últimos dias, todas as declarações do executivo apontam na mesma direção. O ministro da Presidência, Félix Bolaños, que se reuniu quarta-feira em Paris com o seu homólogo francês, apelou também à procura de soluções “que possam ser implementadas o mais rapidamente possível”. A pressão sobre a França persiste, com a ajuda alemã, e a dúvida se nesta terça-feira Schloz e Sánchez vão insistir no MidCat novamente. Somente a convicção absoluta de que Macron não cederá – o que ainda não foi considerado – poderia levar a Espanha a favorecer a ligação submarina com a Itália.

Notícias relacionadas

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.