Eva Ruiz, chefe de fintech da Visa no sul da Europa: “O desafio para as fintechs (e para nós) é levar o futuro dos pagamentos para o próximo nível”

Hoje, não há dúvidas de que a pandemia acelerou a digitalização em nosso país. Se podemos destacar uma lição dessa experiência, é a necessária aceleração das tecnologias e a caminhada – sem freios – rumo a uma sociedade cada vez mais digitalizada. Em todas as áreas, mas principalmente na forma de comprar e pagar.

O consumidor não é mais o que era há cinco ou dez anos. É obvio. A partir de agora, o seu papel, enquanto cliente mais digital, é essencial num processo de digitalização em que as fintechs também têm muito a dizer. Essas empresas são responsáveis ​​por projetar “propostas de pagamento inovadoras para o setor”, mas também “levar o futuro dos pagamentos para o próximo nível”, explica Eva Ruiz, chefe de fintech da Visa no sul da Europa. Segundo ela, isso é muito visível tanto pelas soluções disruptivas de pagamento que são lançadas nos últimos anos quanto pelos setores que estão se aproximando do modo de pagamento digital.

Em outras palavras, Ruiz considera que em DNA fintech Dois valores claros não podem faltar: inovação permanente e colaboração. Duas vertentes igualmente fundamentais no coração do seu negócio, a Visa, uma rede de redes que trabalha para promover sinergias e ajudar estes atores-chave no desenvolvimento da economia digital. Ou seja, a Visa trabalha “para o desenvolvimento e introdução de novas formas de pagamento muito para além do cartão”, sublinha o seu gestor de Fintech no Sul da Europa.

Caminho para os pagamentos do futuro

Atualmente, um dos principais desafios das fintechs espanholas continua sendo o acesso ao financiamento, fundamental para o desenvolvimento e escalabilidade de suas atividades. Nesse sentido, e com o desejo de ser um parceiro que aconselha e ajuda, a Visa tem iniciativas como o Programa Visa Inovação. Eva Ruiz define-o como a plataforma colaborativa perfeita para “ajudar as empresas Fintech a acelerar a sua resposta aos pagamentos do futuro”.

Seu segredo está em sua capacidade de conectar fintechs ao ecossistema e à rede Visa. Com isso, o salto para o futuro está garantido e, ao longo do caminho, eles podem explorar potenciais oportunidades de colaboração. Mas não apenas isso, mas também “para melhorar suas propostas de produtos ou fornecer soluções visionárias para nossa rede global de clientes e parceiros, que cobre 200 países”, acrescenta.

Até o momento, o programa Visa Innovation alcançou números fascinantes. Em quatro anos e nos quatro países onde o programa foi desenvolvido, foram recebidas mais de 900 solicitações de participação. Das quais 72 Fintechs foram selecionadas, e mais de 1.300 horas de mentoria foram ministradas. A culminar, durante estas edições, os participantes da Fintech conseguiram obter mais de 350 milhões de euros em financiamento.

De Espanha para Portugal, novidades sobre o Visa Innovation Program

Na Espanha, a primeira edição foi muito bem recebida. “Só nesta primeira edição, 116 fintechs se inscreveram, das quais 12 foram pré-selecionadas e seis foram finalmente selecionadas para integrar o programa”, lembra Eva Ruiz.

Durante 6 meses, os finalistas puderam beneficiar de recursos de formação e mentoria, apresentações a investidores e, sobretudo, “aos nossos clientes e parceiros para explorar as possibilidades de colaboração”, acrescenta. Uma primeira edição de sucesso, onde na sequência desta experiência, por exemplo, as empresas October e Divilo acabam de anunciar o seu acordo de colaboração.

Prestes a lançar a segunda edição do programa, é hora de desbravar novos horizontes. Por esse motivo, esta segunda edição é alargada a Portugal, “incorporando um parceiro local no desenvolvimento do programa” e ligando também empresas Fintech à rede de clientes Visa e empresas parceiras no país português. Agora é a hora de promover o Visa Innovation Program Iberia.

Mas as novidades vão mais longe e a Visa pretende sincronizar o desenvolvimento desta edição do programa com os que decorrem noutros mercados como a Turquia, Grécia e Bulgária. A vantagem é clara: permitir que os participantes ampliem sua rede de contatos e suas oportunidades de colaboração.

Para além desta plataforma de sucesso, a Visa trabalha em conjunto com o ecossistema Fintech, promovendo outros projetos como Pecunpay ou Divilo. “Com Pecunpay, trabalhamos para promover pagamentos móveis na Espanha e com Divilo, somos pioneiros na comercialização do Tap2Phone, que permite aceitar pagamentos sem telefones de dados, simplesmente baixando um aplicativo no celular”, explica Eva Ruiz .

Outra novidade da Visa é o recente acordo com a Wipay, pertencente ao grupo Petroprix. Juntos, eles buscam promover a inclusão de pagamentos digitais em setores como vending machines, estacionamentos ou carregamento de veículos elétricos onde até agora o dinheiro imperava.

Suzana Leite

"Estudioso de viagens do mal. Totalmente viciado em café. Escritor. Fanático por mídia social. Estudante amigo dos hipsters."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *