Exigiram quatro anos e meio de prisão para Ricardo Jaime por promessa de propina no concurso do Trem Bala

Ricardo Jaime compareceu à audiência Zoom da prisão de Ezeiza

O procurador Marcelo Colombo pediu que Ricardo Jaime, ex-secretário de Transportes, seja condenado a quatro anos e seis meses de prisão efetiva por um caso de promessas de propina. O pedido de prisão do Ministério Público foi encaminhado à Vara Federal 8 que está julgando Jaime porque foi determinado que o pagamento de propina foi acordado na licitação do Trem Bala.

O trem de alta velocidade que ligaria Buenos Aires a Rosário e Córdoba foi anunciado pela Nestor Kirchner em 2006. O concurso foi definido em 2008 quando assumiu a presidência Cristina Kirchner e o projeto nunca se concretizou por falta de financiamento. Essa licitação foi vencida por um consórcio chamado Veloxia, que foi formado quando a Alstom escolheu parceiros argentinos que formaram a União Empresarial Temporária (UTE) que venceu a licitação. Os parceiros locais foram as empresas Iecsa (da família Macri-Calcaterra), Emepa (de Gabriel Romero) e a subsidiária local da empresa espanhola Isolux.

Durante a investigação, foi determinado que a empresa de consultoria A CAESA, que pertencia a Manuel Vázquez, conselheiro e figura de proa de Jaime, celebrou um contrato com a Alstom por um milhão de dólares. O primeiro pagamento foi acordado em $ 100.000 quando o contrato entrou em vigor e o restante do suborno seria pago em 30 parcelas mensais de $ 30.000 cada. O contrato dizia respeito à “assessoria” que a CAESA forneceria à Alstom. Ficou provado em outros processos judiciais em que Jaime e Vázquez foram investigados que o consultor não “aconselhava”, mas simplesmente arrecadava dinheiro. Como o contrato não foi finalizado, não houve propina, mas houve uma promessa de pagamento que Jaime aceitou para o processo.

Justiça Federal 8 realiza julgamento remoto no caso Trem Bala
Justiça Federal 8 realiza julgamento remoto no caso Trem Bala

A relação entre Jaime e Vázquez era tão próxima que ambos foram condenados por enriquecimento ilícito. Jaime porque não podia justificar seus bens e Vázquez como a figura de proa do ex-funcionário público, que interveio em várias operações para impedir que a trilha monetária chegasse ao seu patrão. Vázquez atuou como assessor “ad honorem” do Secretário de Transportes de 2005 até a demissão de Jaime em julho de 2009.

Quando ele testemunhou em interrogatório na semana passada, Jaime disse que não descobriu que a Alstom e sua figura de proa e empresário desprezível assinaram um contrato de suborno de um milhão de dólares. E escorregou que não sabia que o consultor de Vázquez tinha relacionamento com empresas que tinham contrato com a secretaria de transportes. Na última parte de sua argumentação, o promotor Colombo aludiu às palavras de Jaime: “Pelo depoimento do réu, parece que Vázquez se cortou e que tudo é uma soma de coincidências, algo que parece irracional”. O procurador lembrou que o secretário de Vázquez prestou depoimento no julgamento e disse que Jaime e Vázquez se viam quase todos os dias e almoçavam juntos várias vezes por semana. Para a acusação, a alegação de suborno foi movida por Jaime e Vázquez. Vázquez não foi julgado porque a prescrição foi declarada durante a investigação. O mesmo aconteceu com os executivos da Alstom que assinaram o contrato de “consultoria”.

O crime pelo qual Jaime é acusado é o de suborno passivo nos termos do artigo 256 do Código Penal, que estabelece: “O funcionário público que, por si ou por intermediário, recebe dinheiro ou qualquer outro presente ou aceita promessa direta ou indireta de fazer, atrasar ou deixar de fazer algo em relação às suas funções. Para o procurador havia a promessa de um suborno de um milhão de dólares oferecido por um intermediário (Vázquez) e por isso pediu quatro anos e meio de prisão para Jaime e a proibição vitalícia de exercer cargos públicos e pagar multas. Como circunstância atenuante para não pedir a pena máxima, o procurador apontou a longa duração do processo.

Promotor Marcelo Colombo em sua defesa contra Ricardo Jaime
Promotor Marcelo Colombo em sua defesa contra Ricardo Jaime

A denúncia foi feita via Zoom na frente dos juízes Sabrina Namer, Gabriela López Iñíguez e Nicolás Toselli. Jaime atendeu ao pedido de condenação do presídio de Ezeiza, onde está detido desde abril de 2016. Ele sintonizou de uma sala montada pelo serviço penitenciário para audiências remotas. Na próxima audiência, o defensor oficial de Jaime vai alegar speedwell branco.

Jaime já foi condenado várias vezes. Por receber propina de empresários e por roubar provas durante uma batida. Por sua responsabilidade na Tragédia dos Onze. E também por enriquecimento ilícito. Ele também foi considerado culpado de comprar trens de sucata na Espanha e em Portugal e porque havia subornos nesta operação. Os subornos foram pagos por meio da consultoria CAESA de Vázquez. O mesmo mecanismo que foi usado no caso do trem bala prometido e nunca realizado.

CONTINUE LENDO:

Ricardo Jaime defendeu o projeto do Comboio Bala
De Vido e Jaime condenados por comprar sucata de comboios de Espanha e Portugal

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *