Feminista desaparecida: o relativismo da Copa do Mundo, a pulseira de arco-íris e as chuteiras de Tini

O gesto de coragem dos jogadores da seleção iraniana, que antes da derrota para a Inglaterra ficaram em silêncio enquanto tocava o hino de seu país (Foto: FADEL SENNA / AFP)

Na última segunda-feira, o mundo ficou em silêncio diante das telas que transmitiam do Catar o gesto de coragem dos jogadores do Iraniano selecionado, que antes da derrota para a Inglaterra, eles permaneceram em silêncio enquanto tocava o hino de seu país. Era um símbolo de seu apoio ao movimento contra a tirania do Islã que eclodiu em setembro passado após o assassinato da jovem. Mahsa Aminiuma jovem de 22 anos presa e torturada pela Patrulha Moral por usar o véu obrigatório indevidamente.

Era óbvio o que agora sabemos com certeza: os jogadores de futebol iranianos transcenderam o simbólico; O regime sanguinário do aiatolá Khamenei não os perdoaria pela audácia de exibi-lo em um dos eventos esportivos mais assistidos do planeta. No dia seguinte ao jogo, o chefe do governo de Teerã alertou: “Não permitiremos que ninguém insulte nosso hino e nossa bandeira”. Uma ameaça concreta para os atletas e suas famílias como membros do Partido Conservador, no poder, continua pedindo que toda a equipe seja substituída por um ‘homem leal’.

Não foi o único ato de coragem em uma Copa do Mundo disputada em Catar, uma monarquia absolutista em que, de acordo com a Anistia Internacional, as restrições à liberdade de expressão e a discriminação contra mulheres e pessoas LGBTIQ+ aumentaram ainda mais nas vésperas da Copa do Mundo e – de acordo com uma investigação do Guardian – milhares de trabalhadores migrantes morreram durante a construção de os imponentes estádios climatizados.

De fato, durante a mesma partida na segunda-feira, o Os jogadores da Inglaterra se ajoelharam em campo para protestar, já que a FIFA previu que haveria sanções esportivas se o capitão usasse a braçadeira ‘One Love’ que seis times europeus planejavam usar para protestar contra violações sistemáticas dos direitos da comunidade gay no país anfitrião. Em vez disso, Harry Kane teve que se contentar em usar uma fita preta com a inscrição “Não à discriminação” em seu braço esquerdo. É que os líderes europeus estavam dispostos a pagar multas, mas não a perder pontos em nome do altruísmo. Afinal, a crise econômica é internacional e ninguém pode abrir mão do circo ou do pão árabe.

Os jogadores da Inglaterra se ajoelharam em protesto porque a Fifa previu que haveria pênaltis esportivos se o capitão usasse a braçadeira
Jogadores da Inglaterra se ajoelharam no campo em protesto porque a Fifa disse que haveria pênaltis esportivos se o capitão usasse a braçadeira ‘One Love’ (Foto de Julian Finney/Getty Images)

No entanto, a jornalista da BBC e ex-defensora do time de futebol feminino britânico alex scott, desafiou a punitividade conivente da FIFA ao usar a braçadeira de arco-íris em toda a capa. Ela é uma daquelas mulheres que optou por denunciar sua presença em um país onde seus pares são protegidos por homens, ou seja, são seus pais, irmãos, avós ou maridos que tomam para eles decisões vitais como casar, estudar , trabalhando. , viajar para o exterior e acessar a saúde reprodutiva.

O caso do antropólogo mexicano Paola Schietekat Este é apenas um exemplo do horror diário que tentam disfarçar com gols, em uma prática conhecida como lavagem esportiva, que nós argentinos infelizmente vivenciamos em primeira mão na Copa do Mundo de 1978. Schietekat trabalhava para o comitê organizador da Copa do Mundo quando era abusado sexualmente. enquanto ela dormia ao lado de um homem que eu conhecia. Quando ela quis denunciá-lo, foi acusada de “Zina”, ou seja, de ter uma “relação extraconjugal” com seu agressor, crime punível pela lei Sharia com 100 chicotadas e até 10 anos de prisão. Apenas a intervenção mexicana a salvou de mais abusos.

A bravura de Alex Scott Ela foi seguida por vários de seus colegas, como o dinamarquês Jon Pagh, que se recusou a obedecer à ordem oficial de retirar a pulseira do arco-íris para a transmissão da partida entre Dinamarca e Tunísia. Ele teve mais sorte do que seu parceiro Rasmus Tantholdt, expulso do ar por seguranças do Catar que ameaçaram destruir suas câmeras.

Mas em um país como o nosso, que deveria compreender como ninguém a sombria magnitude do lavagem esportiva, assistimos a uma simpática e doce narrativa sobre a Copa do Mundo no Catar, com representantes do canal oficial que, na melhor das hipóteses, não opinam, ou minimizam diretamente a dimensão das violações dos direitos do homem. Hoje em dia, lemos e ouvimos correspondentes homens e mulheres – cujas vozes podem ser históricas – dizer que devemos “deixar de lado o que aprendemos como uma coisa natural e abrir caminho para novos mundos”, s’ se maravilham ao comentar palavra por palavra sobre a abertura do programa e repreendendo “tanto esforço para falar de direitos humanos, se apesar das diferenças é um evento para nos unir”, e ainda perguntar sem vergonha se os catarianos estão realmente “interessados ​​em ter democracia”.

Somos nós que passamos um dia atacando Tini nas redes porque Rodrigo De Paul escreveu o nome dele nas chuteiras.  Nós somos isso: mesquinhos e básicos, por que mais culparíamos uma mulher por perder uma partida disputada por onze caras?
Somos nós que passamos um dia atacando Tini nas redes porque Rodrigo De Paul escreveu o nome dele nas chuteiras. Nós somos isso: mesquinhos e básicos, por que mais culparíamos uma mulher por perder uma partida disputada por onze caras?

Nós, apenas nós, que ainda carregamos essa propaganda nascida do cinismo que dizia que os argentinos eram “certos e humanos” marcados na fogueira, optamos por olhar para o outro lado. A ex-senadora Norma Morandini Diz-no muito claramente num editorial publicado pelo El País em Madrid na passada sexta-feira: nós, “aqueles de nós que recebemos expressões de compaixão como as da rádio portuguesa – que em 1978 repetia a cada meia hora ‘que os gritos de propósito devem não cobrir o grito de dor dos torturados “-, ou os jornais espanhóis que apresentaram sua liberdade democrática falando através de nossas piadas, temos uma oportunidade de retaliação”. Neste ponto do jogo, parece que vamos desperdiçá-lo.

Entre os 40 mil torcedores argentinos no Catar, estão ex-presidentes, maestros, sindicalistas, empresários e astros de todas as cores. Ninguém se pronuncia sobre os direitos violados, nem mesmo quem não se prende à tendência covarde “é mais complexo”. Eles também não parecem importar muito para nós que assistimos daqui, muito focados em encontrar culpados mágicos pela invencibilidade da seleção nacional. É sabido: não há nada mais vil (nem mais básico) do que chamar alguém de “muff” por um resultado esportivo.

Diante desse silêncio que diz muito sobre os jogadores iranianos, colocando seus corpos à mobilização massiva de suas irmãs contra o véu opressor, optamos por jogar pequeno, somos outra liga. Não os jogadores ou a comissão técnica, mas os comentaristas e os torcedores. Somos nós que passamos um dia atacando as redes Tini porque Rodrigo De Paul escreveu seu nome nas chuteiras. Nós somos isso: mesquinhos e básicos, por que mais culparíamos uma mulher por perder uma partida disputada por onze caras?

Se você pensar um pouco, é muito mais triste do que a possibilidade de ficar de fora da Copa. E é dessa derrota moral, da misoginia e do relativismo naturalizados, Nem Messi pode nos salvar.

Continue lendo:

Francisco Araújo

"Nerd de álcool. Leitor. Especialista em música. Estudante típico. Jogador irritantemente humilde. Especialista em zumbis. Solucionador de problemas sutilmente encantador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *