Festivais, fonte de dados para turismo e negócios locais | Empresas

Um concerto pode multiplicar os habitantes de um bairro. Aconteceu em julho passado no Riverland Fest: Cangas de Onís cresceu de seus cerca de 6.000 habitantes para cerca de 15.000 pessoas de fora das Astúrias. De acordo com um dos porta-vozes, David Piñero, eles tinham “mais de 70 linhas de ônibus oficiais que vinham do resto da Espanha”. “Estivemos em conversa com a zona turística de Cangas desde o início para que ficassem atentos e reforçassem todos os serviços.”

Piñero descreve o impacto desses participantes nos negócios locais. Por sua vez, o crescimento do número de visitantes permitiu que as empresas da região se adaptassem. Também é defendida por especialistas do ecossistema de conhecimento digital The Valley, que expõem a importância de coordenar e desenvolver uma resposta adequada.

No caso do festival, o conhecimento pode ser extraído antes mesmo de acontecer. Pedro Aragón, porta-voz de La Vallée, enumera alguns aspectos como idade, gênero ou preferências dos participantes. “Com isso, é criado um perfil e feito um cruzamento que serve para fazer recomendações e melhorar a experiência”, ressalta. A estes elementos juntam-se outros como o pagamento com o telemóvel ou a pulseira. Juntos, eles criam uma imagem que permite a resposta e facilita o sucesso.

Compreender os padrões é a chave para fazer recomendações porque eles facilitam o planejamento. “Permitem adaptar as ofertas turísticas e ser mais eficientes na identificação das ações que melhor funcionam”, acrescenta Aragón. As concreções extraídas do registro juntam essas informações mais macro.

Os dados são reis para empresas como a MCI, uma agência global de marketing e engajamento que faz a curadoria e coleta de dados de campanhas, negócios e eventos esportivos há mais de 30 anos. Sandrine Castres, Diretora Geral de Espanha e Portugal, lembra que as cidades que optam por estas atividades devem ter um grande investimento. “Não basta ter um centro de conferências, é preciso requisitos mínimos de infraestrutura: onde fica, onde comem, dormem ou como os visitantes acessam o local”, diz.

O perfil das pessoas que frequentam esses eventos é diverso em forma e número, embora até 30.000 pessoas tenham se reunido em poucos dias. A partir daí, você pode extrair seu comportamento e até mesmo seu nível profissional. Castres insiste que esta é a chave do sucesso: “Não podemos imaginar o que eles querem, devemos ser científicos e empíricos, ou seja, prever”.

“É importante frisar que não é a mesma coisa recolher informação sobre eventos e utilizar informação sobre consumo turístico para que se adapte”, continua, ainda que reconheça que em princípio é a mesma coisa em ambos os casos. Eles têm uma área composta por 50 trabalhadores que prestam serviços a outros escritórios e utilizam ferramentas para coletar e analisar dados. Aragón concorda com a importância desses perfis nas empresas: “Um analista de dados trabalha para otimizar a comunicação com o cliente. Ele sabe, por exemplo, quando enviar um e-mail ou a que horas isso não incomoda o usuário”.

No Riverland Fest, eles valorizam qualquer contribuição que mereça melhorias, destaca David Piñero. Na equipe, há uma área de marketing responsável por estudar os aspectos que os usuários desejam fortalecer. “É relevante porque nas próximas edições o público poderá ficar mais à vontade e ter à disposição uma variedade na hora de escolher”, conclui.

O impacto das redes sociais

Dados valiosos podem ser extraídos de grandes eventos para o turismo se adaptar. No entanto, pequenos encontros também podem levar ao aumento do número de visitantes. Isso está acontecendo com a empresa Digital Embassy, ​​que organiza um encontro chamado BrandVillage todo mês de junho em Ibiza, onde mostra um lado da ilha que é ambientalmente consciente e longe das muitas festas.

Cerca de 25 participantes participam de lotes e obtêm cerca de 10 milhões de reações, o que impacta diretamente na região. Eles têm sucesso porque têm muitos seguidores na internet e aderem ao projeto porque mostram um compromisso com a natureza em seus perfis. Azahara Ramos, CEO e fundadora da empresa, destaca o impacto local: “Não temos uma forma direta de medir, mas fazemos por meio de negócios, como os restaurantes que compartilhamos. Eles nos ligam e nos dizem que o número de seguidores aumentou ou as pessoas que os conheceram graças a nós”.

Seu próximo passo é colaborar com instituições públicas. A primeira reunião teve lugar com o Consell Insular de Ibiza no dia 2 de agosto. “Não sabemos quais tópicos vamos abordar, mas vamos contar a eles sobre o que é nosso projeto e estamos abertos a adicionar novos locais”, acrescenta Ramos.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.