Governo português diz que política mais expansionista pode prolongar a inflação | Economia

O ministro das Finanças português, Fernando Medina, defendeu hoje que uma política mais expansionista poderia espalhar a inflação para toda a economia, que seria “mais difícil de conter” e afetaria os mais vulneráveis.

“Lidar com este cenário de efeitos de segunda ordem de forma generalizada seria uma realidade muito mais difícil e, sobretudo, muito mais penalizadora para as camadas mais vulneráveis”, disse durante encontro com correspondentes estrangeiros em Lisboa.

Medina defendeu uma estratégia de “contenção dos aumentos de preços e apoio direto aos segmentos mais vulneráveis ​​da população”, ao invés de uma que pudesse levar a um “aumento generalizado de preços na economia”.

O governo português tem defendido nos últimos meses que não haverá aumentos de rendimentos este ano para além dos previstos – o salário mínimo passou de 665 para 705 euros e houve um aumento extraordinário de 10 euros para as pensões – para não inflação do combustível.

O ministro das Finanças lembrou ainda na quinta-feira que dentro da zona euro os países partilham a sua soberania monetária, “mas não têm cada um um banco central autónomo para poder adaptar e moderar o ritmo da política monetária de acordo com as suas necessidades”.

A inflação homóloga situou-se em 7,2% em abril em Portugal, onde o governo prevê que termine o ano em 4%.

“A melhor informação disponível de instituições internacionais como o Banco Central Europeu indica que este será um fenómeno de natureza temporária”, insistiu Medina, salientando que “vai acompanhar” a evolução da inflação ao longo do ano.

“PRUDÊNCIA” COM AS REGRAS EUROPEIAS

O ministro das Finanças português referiu ainda as regras do défice e da dívida que, na falta de confirmação oficial, a Comissão Europeia manterá suspensas também em 2023, posição que Portugal apoia por “prudência”.

“Perante uma situação de incerteza devido à evolução dos preços e da economia nos países da Europa Central e Oriental, onde já são evidentes os sinais de abrandamento, e numa altura em que a política monetária vai iniciar o processo de subida das taxas de juro, é importante para não criar um elemento adicional de risco”, disse ele.

Medina lembrou que Portugal já respeita as regras do défice e da dívida apesar da sua suspensão e considerou que isso daria ao país mais alavancagem para negociar uma reforma deste regime no futuro.

“Vamos entrar neste debate na posição de quem respeita as regras. É muito importante para o nosso país porque aumenta o peso da nossa voz e da nossa capacidade de negociação”, disse o ministro, que, no entanto, esclareceu que as discussões são ainda em curso, um estado “prematuro”.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.