Gragera, sobre o centro energético de Cáceres: “Não se perdeu. Eles tiraram de nós, vamos ter que continuar lutando por isso.

O autarca recorda que “estava para estar em Badajoz e já lá não está, e ninguém nos deu uma única explicação aqui até hoje” e defende que não vai abrir mão de um espaço com estas características: “se o centro a ser reformulado será reformulado”

Em redor do Centro Ibérico de Investigação em Armazenamento de Energia (CIIAE). O prefeito de Badajoz, Ignacio Gragera, mais uma vez expressou sua indignação com isso,
como ele fez em dezembro do ano passadoquando o BOE publicou o acordo para o início do pólo energético de Cáceres.

“Ele não estava perdido. Eles tiraram de nós, vamos ter que continuar lutando por isso”, disse ele, argumentando que não estava abrindo mão de um espaço dessas características na cidade ou pedindo, reformulando ou tentando fazer cumprir os compromissos do governo, segundo a Presse Europe. “Se o centro precisar ser reformulado, será reformulado”, disse.

Gragera mais uma vez felicitou Cáceres porque é um centro que vai transformar a capital de Cáceres e que “será bom e positivo para toda a Extremadura”. No entanto, insistiu que “estava em Badajoz e já lá não está, e aqui até hoje ninguém nos deu uma única explicação”, segundo o autarca.

O facto foi reportado às questões dos jornalistas por este centro, depois de a Ministra da Ciência e Inovação de Espanha, Diana Morant, e a Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, Elvira Fortunato, terem assinado na passada sexta-feira um acordo para a criação do Centro Ibérico para Pesquisa de Armazenamento de Energia, localizada em Cáceres, como organização internacional.

Um acordo adoptado no âmbito da
XXXIII Cimeira Hispano-Portuguesarealizada em Viana do Castelo e liderada pelo Presidente do Governo, Pedro Sánchez, e pelo Primeiro-Ministro de Portugal, António Costa.

Según ha señalado Gragera, se está trabalhando na reformulação do centro gracias al “empeño” da sociedad civil, da Universidad y da Real Sociedad Económica de Amigos del País y “al esfuerzo y al empuje de todos aquellos que creemos en ese projeto”.

“E vai ser reformulado e será pedido à Junta de Extremadura que promova este novo centro como tem promovido o de Cáceres”, após o que sublinhou que “terá de ser reformulado” e que negou que este centro fosse ibérico e “já é um centro ibérico”.

Oferecem 50 postos de trabalho no futuro centro energético de Cáceres

Ele também negou, como disse, que teria uma aplicação mais ampla além do armazenamento de energia, mas “demonstrou-se que realmente atende a mais requisitos e com mais campos de ação do que os estabelecidos”.

Sobre o papel da Royal Economic Society of Friends of the Country na referida reformulação, explicou que está a colaborar com profissionais que são membros de economia e professores universitários, profissionais do sector da energia e da ciência. A Sociedade tem pessoas comprometidas com o desenvolvimento científico e industrial da cidade e tem promovido o Museu da Ciência.

Segundo Gragera, o Conselho mostrou-lhe o seu empenho em “estudar esta reformulação, promovê-la e lutar pelo respeito dos compromissos”.

Filomena Varela

"Desbravador do bacon. Geek da cultura pop. Ninja do álcool em geral. Defensor certificado da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *