Grande parte da Inglaterra declarou seca devido a onda de calor

Foto: AFP.

Grande parte da Grã-Bretanha foi declarada hoje um ‘estado de seca’ pelo governo do Reino Unido e está sendo afetada por uma onda de calor que também está atingindo grande parte da Europa e do norte da África.

o Os cientistas estimam que o aumento das ondas de calor e das secas é “uma consequência direta do aquecimento global”.

A medida, declarada pela primeira vez desde 2018, inclui áreas de Londres, o Vale do Tâmisa e partes do sul, centro e leste da Inglaterra.

O estado de seca está obrigando as empresas de água a elaborar planos de contingência para lidar com a escassez, enquanto regar, lavar carros e encher piscinas privadas estão proibidos, informou a AFP.

O Reino Unido teve seu julho mais seco já registrado em algumas partes e o primeiro semestre mais seco desde 1976, na medida em que a nascente do Tâmisa, o rio que atravessa Londres, secou e seu curso começa apenas cerca de oito quilômetros abaixo.

Nesta quinta-feira, foi emitido um alerta laranja para “calor extremo” em grande parte do sul da Inglaterra e parte do País de Gales, que deve durar até sexta-feira.

O Reino Unido teve seu julho mais seco já registrado em algumas áreas e o primeiro semestre mais seco desde 1976

Mas o calor recorde de 40,3°C em 20 de julho não deve ser ultrapassado.

“Estamos mais preparados do que nunca para o clima quente, mas continuamos a monitorar a situação de perto, incluindo o impacto nos agricultores e no meio ambiente, e tomaremos medidas adicionais se necessário”, disse o secretário ao Water Steve Double.

Nos parques de Londres e grande parte do país, o verde da grama ficou amarelo palha com solo empoeirado, e os cientistas acreditam que o aumento das ondas de calor é uma consequência direta do aquecimento global.

Situação no resto da Europa

Em outros países europeus, o efeito do calor também aumentou os incêndios florestais.

Dentro República ChecaApós 20 dias de combates, bombeiros conseguiram apagar um grande incêndio na sexta-feira em um parque nacional na fronteira com a Alemanha, o maior incêndio da história do país.

França continua a combater as chamas e vários países europeus enviaram reforços para combater o fogo em diferentes regiões.

Os quase 1.100 bombeiros franceses mobilizados foram reforçados por 361 soldados alemães, poloneses, austríacos e romenos, além de aviões-tanque da União Europeia (UE).

Em Gironde (sudoeste), as chamas queimaram 7.400 hectares desde terça-feira e 10.000 pessoas foram evacuadas, algumas pela segunda vez desde este verão.

Outro incêndio em Ardèche, no sudeste, também devastou pelo menos 320 hectares, mas estava “sob controle”, segundo as autoridades.

No total, mais de 40.000 hectares queimaram este ano na Françade acordo com as autoridades, embora as medições de satélite indiquem que 50.000 hectares viraram fumaça.

Dentro Portugalcerca de 1.500 bombeiros tentam travar um incêndio que já dura quase uma semana e que destruiu cerca de 10.000 hectares no parque natural da Serra da Estrela (centro).

As chamas, que destruíram áreas florestais “únicas”, causaram “danos irreparáveis”, lamentou o presidente da associação ambientalista Zero, Francisco Ferreira, no canal público RTP.

A França e Portugal também foram afetados este verão por uma seca histórica que os obrigou a restringir o uso da água.

Portugal viveu o julho mais quente em quase um século e em França as chuvas estiveram 84% abaixo do normal no período 1991-2020.

O abastecimento de água potável da população passou a depender de fontes públicas e poços privados.

Por fim, a falta de chuvas também afetou regiões da margem sul do Mediterrâneo, como Marrocos.

Lá, a cidade de “terras férteis” localizada entre Casablanca e Marrakech, Ouled Essi Masseoud, foi afetada pelo “estresse hídrico” que ameaça o país.

O abastecimento de água potável da população depende de fontes públicas e poços privados.

As albufeiras marroquinas têm actualmente um taxa de ocupação de apenas 27%, situação “preocupante” agravada pela “pior seca” que o país conhece há pelo menos 40 anos, concluiu a agência.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.