Iberdrola inaugura a sua grande obra em Portugal que pretende ser um modelo de transição | Economia

A Iberdrola inaugurou esta segunda-feira o seu grande projeto de armazenamento hidroelétrico em Portugal, a Gigabateria do Tâmega, o maior projeto de energia limpa da história do país português, que demorou quase oito anos a construir e mais de 1.500 milhões de euros de investimento.

No entanto, a empresa poderá duplicar os investimentos feitos neste complexo nos próximos anos, atingindo os 3.000 milhões de euros, que irá destinar a novos parques eólicos e solares já em desenvolvimento ou em construção em Portugal, segundo o seu presidente. Ignacio Sanchez Galán.

A crise energética que o Velho Continente atravessa foi um dos temas centrais do evento, que decorreu no coração da Gigabateria, a “caverna” da fábrica de Gouvaes, onde esteve o primeiro-ministro português, o socialista António Costa .

Na opinião de Sánchez Galán, o sistema atual, em que 75% da energia consumida provém de petróleo, gás e carvão, “não é sustentável” não só por questões ambientais, “também porque gera uma forte dependência em relação vis países estrangeiros” e aumenta a “vulnerabilidade” da região.

“Portugal não depende de forma alguma da Rússia. Infelizmente, a Europa tem, e de forma bastante notável. Essa dependência é uma ameaça à nossa recuperação e desenvolvimento econômico”, disse Costa, que acredita que a resposta “não é racionar, mas acelerar a capacidade de geração de energia renovável”.

O primeiro-ministro foi particularmente contundente face aos efeitos desta crise e alertou que a solidariedade energética entre os parceiros da União Europeia não significa obrigar os portugueses a pagar custos adicionais.

Por seu lado, o ministro português do Ambiente e Acção Climática, Duarte Cordeiro, insistiu que “a chantagem russa do gás é um porrete e uma ameaça constante à segurança”.

IBERDROLA, POR UM “REGULAMENTO ESTÁVEL”

Neste contexto complexo, o presidente da multinacional espanhola apelou à importância de ter “regulamentos estáveis ​​que proporcionem segurança jurídica”, bem como empresas com capacidade técnica, experiência de gestão e solidez financeira para promover a transformação.

Em meio ao turbilhão do futuro imposto extraordinário sobre os lucros das grandes empresas de energia, destacou a contribuição tributária do grupo, “de 8 bilhões de euros por ano nos mais de 30 países onde a Iberdrola está presente”.

Tanto a empresa espanhola cotada como o governo português saudaram o resultado e a trajetória da cooperação conjunta.

Assim, revelou Sánchez Galán, se a carteira de projetos em desenvolvimento se concretizar, nos próximos anos a Iberdrola, que também administra iniciativas de hidrogênio verde no território, poderá “dobrar os investimentos feitos na Gigabateria, até 3.000 milhões euros em Portugal”.

Irão para parques eólicos e solares em desenvolvimento avançado “para 3.000 megawatts (MW)” ambos no Tâmega, com um projeto eólico de 450 MW que poderá utilizar a mesma ligação à rede da obra recentemente inaugurada, como em d outras regiões do país , onde estão promovendo usinas fotovoltaicas com capacidade total de 2.500 MW.

FOGOS EM PORTUGAL, PROTAGONISTAS DA INAUGURAÇÃO

Construído sobre o rio homónimo e afluente do Douro, o complexo do Tâmega situa-se no norte de Portugal, país que nos últimos dias tem sido palco de incêndios virulentos devido à onda de calor que tem atravessado a península.

Uma delas é, precisamente, a de Chaves, perto da fronteira com Espanha, a poucos quilómetros de Verín (Ourense).

Poucos minutos antes da inauguração, vários hidroaviões portugueses sobrevoaram a albufeira de Gouvaes, onde foram abastecidos com a água necessária para continuar a combater o incêndio.

O presidente da Iberdrola manifestou a sua “solidariedade e apoio” ao primeiro-ministro português face aos “trágicos incêndios que assolam” o país, que “mostram a importância de acelerar a ação climática através das energias renováveis”.

O COMPLEXO

Com uma capacidade de 1.158 MW, o sistema de produção de energia do Tâmega tem capacidade para armazenar 40 milhões de quilowatts-hora (KWh), o que equivale à energia consumida por 11 milhões de pessoas nas suas casas durante 24 horas.

A Gigabateria é capaz de aproveitar o excesso de energia gerada em momentos em que a geração renovável não é abundante, bombear água e converter esses pulsos em eletricidade, e suas características fazem dela um dos maiores sistemas de armazenamento da Europa.

Esta obra de engenharia, composta por três fábricas -Alto Tâmega, Daivoes e Gouvaes-, evitará a emissão de pelo menos 1,2 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) por ano e a importação de mais de 160.000 toneladas de petróleo por ano.

A empresa destacou ainda o impacto positivo da infraestrutura, que foi objeto de um plano de ação social, cultural e ambiental em benefício de sete municípios e ao qual foram atribuídos mais de 50 milhões de euros.

Em termos de emprego, as obras geraram vários milhares de empregos para a população local, mas também para os trabalhadores da Galiza devido à sua proximidade ao território.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.