Igreja de Portugal suspende padre por linguagem obscena e sexual em mensagens com estudantes

O pai tinha um grupo de WhatsApp com os alunos onde discutiam palavrões.

Foto: Grzegorz Krupa/Pixabay

Patriarcado de Lisboa suspendeu padre que trabalhava numa escola da capital portuguesa após “uma troca de mensagens com linguagem imprópria” com os alunos através das redes sociais.

O Colégio de São Tomás, instituição católica privada, onde decorreram os eventos, disse em comunicado que “Atualmente não há notícias de qualquer outro tipo de comportamento inadequado” e esclareceu que essa troca de mensagens foi mantida pelo Whatsapp com alunos do último ano (a maioria com 18 anos).

O padre colaborou com o capelão da escola e, como explicou ao jornal português Expresso a directora do centro, Isabel Almeida e Brito, foi ele próprio que pediu a suspensão.

O diretor esclareceu que a troca de mensagens ocorreu em um grupo de WhatsApp do qual participaram o padre e seis alunos, todos homens e um deles menor de idade.

“Não houve abuso ou tentativa de abuso sexual. Sim, havia linguagem obscena.especificaram Almeida e Brito.

O Patriarcado de Lisboa explicou em comunicado que Eles separaram o padre “preventivamente” de seus deveres pastorais e que o processo foi encaminhado à Comissão Diocesana para a Proteção de Menores e Pessoas Vulneráveis.

Proteger menores de potenciais abusos por parte do clero é um debate ativo em Portugal após a criação no final de 2021 de uma comissão para investigar este tipo de crime.

Em seis meses de trabalho, a comissão recebeu 326 depoimentos sobre abuso infantil dentro da Igreja Católica.

Você pode estar interessado:

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.