IU Exterior discute em Viena o futuro da agenda política dos habitantes…

Na sede da ‘Transform! Europe’ e o Partido Comunista da Áustria (KPÖ), a IU Exterior reuniu membros da federação de diferentes partes da Europa, membros de organizações como o Partido Comunista da Espanha (PCE), Podemos e movimentos sociais de emigração, além de membros dos vários Conselhos de Residentes Espanhóis (CRE) e do Conselho Geral de Espanhóis no Exterior (CGCEE).

A porta-voz e coordenadora da IU Exterior, Nerea Fernández Cordero, abriu a conferência, dizendo que eles eram “necessários após anos de pandemia e não podendo realizar eventos presenciais com pessoas vindas de todos os lugares”. Para Fernández Cordero, o objetivo da IU Outdoor School era “fortalecer-se e definir a estratégia política para os próximos anos, porque com a revogação do voto solicitado, a luta não acabou e a emigração ainda tem muito a fazer. Luis Cortés Barbado, porta-voz da IU Global e residente em Viena, agradeceu ao “Transform! Europa e o Partido Comunista da Áustria por sua colaboração em tornar a conferência possível”.

Por sua vez, Ismael González, chefe da Organização da Esquerda Federal Unida, avaliou em seu discurso na sexta-feira “a situação da esquerda hoje, com força institucional, que, no entanto, vem em um momento de debilidade da sociedade, em comparação No entanto, González considerou que “está ocorrendo uma mudança de tendência e que a mobilização está se recuperando”. Além disso, ressaltou a necessidade de manter estruturas sólidas, “para que nossas organizações se tornem espaços seguros onde as pessoas possam tomar refúgio em tempos difíceis.” Além disso, acrescentou que “os espaços da HQ e da IU devem ser algo mais do que salas de debate político, devem se tornar lugares para criar uma comunidade.

O primeiro dia de trabalho começou no sábado com mesas temáticas sobre a representação política da população no exterior, enfatizando a construção de um futuro círculo eleitoral estrangeiro. Christophe Premat, ex-deputado do Partido Socialista da França e especialista em círculos eleitorais estrangeiros, explicou os modelos de representação política que existem tanto na França como em outros países como Portugal, Equador ou Senegal.

Por sua vez, Juan Moreno Redondo, advogado da Esquerda Unida e do PCE, definiu qual poderia ser o marco legal para a criação de um ou mais círculos eleitorais no exterior, dentro do atual marco legal. Por fim, Violeta Alonso Peláez, Presidente do Conselho Geral de Espanhóis no Exterior, apresentou as funções e composição deste órgão, bem como a agenda política que a espera durante seu mandato neste oitavo mandato da CGCEE.

À tarde, os grupos de trabalho se concentraram em três temas: o eleitorado estrangeiro, a agenda política da emigração e o internacionalismo de base. Várias propostas surgiram desses debates, como desenhar uma primeira ideia de um eleitorado externo e a justificativa para sua existência; a necessidade de ampliar a agenda de política externa em áreas como a melhoria das condições de trabalho e recursos do serviço externo, o fortalecimento da assistência consular, o trabalho pelo retorno digno ou o sistema educacional no exterior; fortalecer o internacionalismo de base trabalhando em conjunto com redes de migrantes em toda a Europa, desde a ideia de revolucionar o conceito de cidadania, que não está ligado à nacionalidade, mas a um período de residência (como é o caso, por exemplo, no Chile, os cinco anos), para que sejam concedidos direitos políticos (voto) ou de trabalho (retirada da necessidade de visto), como freio ao avanço do fascismo.

No domingo, a escola continuou com as experiências de outros grupos de migrantes organizados. Margarita Guerrero, da Revolución Ciudadana (Equador) e Red de Migraciones de Izquierda Unida, falou sobre a organização de grupos migrantes na Espanha e a iniciativa legislativa popular “Regularización ya”, bem como fórmulas para promover a participação política dos migrantes na sociedade em geral e também nas organizações políticas. Víctor Sáez, co-coordenador da Rede Europeia de Chilenos pelos Direitos Civis e Políticos, traçou a história da comunidade chilena no exterior e sua organização política, desde o golpe contra Allende até o atual processo constituinte.

Jaime Martínez Porro, co-responsável pela Organização da UI Exterior, encerrou a escola lembrando que “Izquierda Unida é a sua casa, sejam vocês militantes ou não. As portas da nossa federação estão abertas a todas as pessoas que queiram lutar para mudar a sociedade e o sistema”. Assim, encorajou a continuar a organizar e a continuar a criar espaços de encontro para a população no estrangeiro.

Finalmente, terminada a I Escola de Outono, a IU Exterior prestou homenagem no Cemitério Central de Viena aos membros da Brigada Austríaca que lutaram contra o fascismo na Espanha entre 1936 e 1939.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *