Julho deixa seis mortos e vinte afetados por afogamento nas Ilhas Canárias

Julho deixou seis mortos e vinte afogados nas Ilhas Canárias. Todas as seis mortes foram devido à submersão, enquanto dois ficaram gravemente feridos, oito gravemente, cinco moderadamente, um levemente e quatro foram resgatados ilesos.

Isto decorre dos dados recolhidos pela primeira campanha audiovisual da UE para a prevenção de acidentes no meio aquático Ilhas Canárias, 1500 Km de Costa, iniciativa de interesse público patrocinada pelo Cabildo de Gran Canaria, colaborador oficial da ADEAC-Bandeira Azul Espanha e com o apoio do Governo das Ilhas Canárias, do Departamento de Ciudad de Mar de Las Palmas de Gran Canaria e do Elder Museum of Science e Tecnologia.

Quanto à acumulação, o número de pessoas que morreram por afogamento nas Ilhas Canárias subiu para 35 pessoas, mais oito do que no mesmo período de 2021 (27) e mais 13 do que entre janeiro e julho de 2020 (22) .

Às 35 mortes ocorridas entre janeiro e julho, devemos acrescentar cinco feridos graves, treze feridos graves, 27 moderados, sete menores e 13 resgates de pessoas ilesas, chegando a um total de 100 afetados por acidentes aquáticos.

Da mesma forma, indica-se que entre as nacionalidades dos falecidos, 67% eram estrangeiros de no máximo oito nacionalidades diferentes: Polônia (2), Alemanha (1), Reino Unido (1), Holanda (1), Noruega (1 ) , Irlanda (1), Portugal (1), Sahara (1) e estrangeiros (4).

Destacam-se os dados do mês passado, julho, em que o número de menores feridos nos espaços aquáticos das ilhas aumentou com um óbito, três feridos graves e um levemente ferido. Assim, durante os primeiros sete meses deste exercício, foram contabilizadas 14 crianças acometidas por algum tipo de incidente na água.

Especificamente, ele cita duas pessoas que morreram, incluindo um menino de 12 anos que se afogou na praia de Las Alcaravaneras, em Las Palmas de Gran Canaria. Além disso, havia um menor em estado crítico, quatro graves, três moderados, três menores e um resgatado ileso.

Nesses primeiros sete meses do ano, 40% dos falecidos (14) eram adultos, enquanto 20% (7) tinham mais de 60 anos, os 34% restantes (12) representavam vítimas de idade desconhecida.

Por ilha, Tenerife registou nove mortes por submersão, seguida de Gran Canaria (8), Fuerteventura (7), Lanzarote (6), La Gomera (3), El Hierro e La Palma (1 cada), enquanto La Graciosa não . não registrou nenhuma morte.

Por fim, 77% dos afogamentos fatais ocorreram à tarde, enquanto 17% ocorreram pela manhã e 6% à noite; Por atividade, 63% (22) dos falecidos eram banhistas, seguidos por 11% dos pescadores (4); três por cento mergulhadores (1); nove por cento dos atletas aquáticos (3) e 14 por cento na outra seção (5).

As praias continuam a ser o ambiente em que ocorreu o maior número de acidentes mortais, com 42% dos casos, seguidas dos portos e zonas costeiras (40%), piscinas naturais (8%) e piscinas (10%).

A partir da plataforma, é aconselhável manter sempre todas as medidas de segurança quando quiser praticar natação ou desportos aquáticos, respeitando os regulamentos e prestando atenção ao nadador-salvador. Recomenda ser responsável e agir com bom senso porque, sublinha, “a melhor forma de salvar vidas é prevenir”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.