Manifestantes cabo-verdianos marcham em Cabo Verde contra o governo – Publimetro México

MADRI, 20 (IMPRESSÃO EUROPEIA)

Os manifestantes – convocados pela Rede de Associações Comunitárias e Movimentos Sociais da Praia (RACMS) – exigiram mudanças em vários setores como segurança, justiça, transportes, saúde, emprego ou gestão pública, noticiou a agência portuguesa Lusa.

A RAMCS indicou que esta manifestação, intitulada “Não podemos continuar como estamos”, é “um grito de protesto” contra o estado do país.

Manifestantes se reuniram na Praça Alexandre Albuquerque, no centro histórico da cidade. A partir daí, começou a marcha, percorreram as ruas da capital com o objetivo de passarem pelo Palácio do Governo e chegarem à Assembleia Nacional.

No entanto, a polícia desviou os cabo-verdianos da sede do executivo. Além disso, um cordão policial de cerca de 150 agentes, segundo a Lusa, não permitiu que chegassem à Assembleia. Essas medidas foram criticadas pelos participantes da marcha.

O porta-voz da RACMS Bernardino Gonçalves disse que o estado da nação não é o que os cabo-verdianos merecem hoje. “A insegurança, a justiça que temos não é das melhores, o desemprego, as birras excessivas e as brigas partidárias sentidas pelos cidadãos que bloqueiam o seu quotidiano”, explicou.

A manifestação desta tarde na Praia foi seguida de outras nos últimos dias, incluindo reclamações sobre a falta de transportes e às ilhas de São Nicolau e Brava.

José Maria Neves foi proclamado vencedor por maioria absoluta em outubro de 2021. Anteriormente, Neves foi primeiro-ministro durante quinze anos, entre 2001 e 2016.

Estas eleições, decididas em primeiro turno após a maioria absoluta de Neves, designaram o sucessor de Jorge Carlos Fonseca e são as sétimas eleições desde o início da transição democrática em 1991 para um país considerado modelo de estabilidade democrática pós-colonial. , mais de quarenta anos após a sua independência de Portugal.

Embora o primeiro-ministro – actual Ulisses Correia e Silva – detenha geralmente o poder executivo em Cabo Verde, o papel do presidente ultrapassa o mero carácter cerimonial para se tornar uma figura de consenso, estabilidade e protector da comunidade.

Ulisses Correia e Silva é primeiro-ministro desde as eleições de 2016, após a revalidação do seu mandato em 2021, na sequência da vitória nas eleições legislativas do seu partido, o Movimento para a Democracia (MPD).

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.