Manuel Pinho: ex-ministro da Economia e Inovação de Sócrates detido em Lisboa para impedir fuga | Internacional

O ex-ministro da Economia e Inovação de Portugal entre 2005 e 2009, Manuel Pinho, foi detido na sequência do seu interrogatório na sede da Direcção Central de Investigação e Acção Criminal (DCIAP) por crimes de evasão fiscal e branqueamento de capitais ligados a práticas de corrupção no âmbito do empresa de energia EDP e o antigo Grupo Espírito Santo (GES). O advogado de Pinho, Ricardo Sá Fernandes, chamou a prisão de “abuso de poder”. Em declarações à imprensa, recolhidas pelo semanário expresso, o advogado assegurou que Pinho, titular da pasta no governo do socialista José Sócrates, sempre compareceu perante as autoridades quando foi intimado. “Aqui ninguém foge e não há razão para suspeitar que eles vão fugir. É por isso que lamento profundamente este ato. A acusação não pode escolher os juízes que servem aos seus propósitos. Eu vi coisas que nunca pensei que veria.” Segundo o jornal PúblicoManuel Pinho mudou-se para Alicante, onde alugou uma casa e de onde viajava frequentemente para outros países a negócios.

A prisão do ex-ministro vários anos após o início da investigação do caso ocorre após a mudança de magistrado e a divulgação de novas informações sobre o esconderijo de seu dinheiro em um paraíso fiscal, reveladas no que chamamos de Pandora Papers, o pesquisa do Consórcio Internacional de Jornalistas publicada em novembro. Além disso, a fuga embaraçosa liderada pelo fundador do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, que fugiu de Portugal em setembro para evitar a prisão e que foi detido no passado fim-de-semana na África do Sul, pode ter influenciado na detenção. . Apesar de Rendeiro ter sido condenado a três penas que o condenaram a 19 anos de prisão no total, continuou a gozar de autonomia de circulação e autorização judicial para viajar para o estrangeiro. Usando uma dessas licenças, ele voou para Londres em meados de setembro e desapareceu lá. Sabe-se agora que voou para o Qatar e depois para a África do Sul, onde se hospedou em hotéis de luxo. Sua prisão diminuiu a sensação de consternação que se espalhou após o roubo.

O ex-ministro Manuel Pinho foi indiciado no caso da empresa de energia EDP em 2017 por suspeita de corrupção e branqueamento de capitais ligados a fundos do ex-Grupo Espiritu Santo (GES), o conglomerado internacional constituído pelo Banco Espiritu Santo que faliu em 2014 O seu naufrágio trouxe consigo para desvendar uma estrutura fraudulenta e práticas ilícitas que estão sendo investigadas em diversos processos, como a Operação Marqués, na qual Sócrates está envolvido.

O Ministério Público considera que Pinho favoreceu os interesses da EDP durante o seu mandato como ministro da Economia e Inovação através de determinadas decisões em troca da contribuição da empresa energética de 1,2 milhões de dólares (1,06 milhões de euros) na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos , portanto para facilitar a contratação de Pinho como professor visitante na instituição universitária. Também são acusados ​​neste julgamento, entre outros, António Mexia, que foi presidente executivo da EDP, e o administrador João Manso Neto, acusados ​​de terem corrompido um ministro, um secretário de Estado, um assessor do governo e um diretor da EDP . o Governo de Sócrates e também de ter lesado os interesses da EDP na adjudicação da construção de uma albufeira.

Além disso, Manuel Pinho é acusado de ter favorecido os interesses do GES durante seu estágio ministerial em troca do recebimento de transferências mensais de 15.000 euros, depositadas em uma conta no Panamá. Pinho e Mexia haviam sido executivos do Banco Espírito Santo.

Acompanhe todas as notícias internacionais em Facebook Sim Twitterou em nosso boletim semanal.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *