Margarita Robles espera que a Lei de Segredos Oficiais ajude a descobrir informações da GAL

A ministra da Defesa, Margarita Robles, está confiante de que a nova Lei dos Segredos Oficiais ajudar a descobrir informações sobre grupos antiterroristas. Eram grupos de vigilantes que praticaram o terrorismo de Estado para neutralizar o ETA durante a presidência do socialista Felipe González. Robles defendeu que o anteprojeto apresentado ontem servem para esclarecer os documentos dos grupos que travaram a guerra suja contra a dissidência e o terrorismo: “Espero que os assuntos que acompanhei e trabalhei na época, como a questão do GAL, possam ser desclassificados para que toda a sociedade tenha conhecimento deles.”

O governo de Pedro Sánchez está prestes a aprovar a lei sobre informações sigilosas, que, como denunciaram várias formações da oposição, quer descobrir documentos oficiais, mas colocando um mínimo de 50 anos dos fatos, com uma prorrogação excepcional de mais 10 anos. Para fins práticos, o caso GAL seria então conhecido por volta de 2035 e poderia ser estendido até 2040. No entanto, Robles insistiu que é uma lei “absolutamente necessária”, já que a que tínhamos antes era de 1968, “do franquismo” e que a reforma era um pedido “tanto da ‘OTAN quanto da UE’. Congratulou-se com o facto de o Conselho de Ministros ter aprovado o texto: “A lei é uma boa notícia, ajuda no conhecimento e na transparência, serão aceites todas as modificações razoáveis ​​e possíveis”. Apesar das críticas de “opacidade” que a lei tem recebido, como parceiros do governo, United We Can, que garantiram que nos países vizinhos o período é quase metade do tempo, o ministro da Defesa disse: “Há páginas da história da Espanha que é bom que a sociedade, como um todo, possa aprender, como é o caso do GAL, assim como o que aconteceu com o 23-F”.

Registros secretos ou classificados nos Estados Unidos da América podem ser descobertos após no máximo 20 anos, mais da metade do que o governo oferece. Em outros países, como França, Reino Unido, Portugal ou Itália, a duração também é bem menor do que a que o executivo espanhol pretende colocar em prática. É por isso que a United We Can não concorda com os termos da nova lei. O dirigente da formação lilás assegurou que “no momento estamos longe da transparência que se espera” e espera que o texto final “cumpre todos os objetivos que nos propusemos”. Ione Belarra lembrou que outros parceiros parlamentares do Governo manifestaram objecções à proposta de 50 anos e prometeram: “Vamos procurar um ponto intermédio em que todos possam atingir os seus objectivos”. Afirmando que a United We Can está “aberta para negociar e chegar a um ponto de consenso”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.