Mísia: “Quando estava longe de Portugal, percebi que tinha fado dentro”

A herdeira do novo fado de Amália Rodríguez, Susana Maria Alfonso de Aguiar, mais conhecida pelo seu nome artístico, Mísia, celebra 30 anos de carreira discográfica. Por isso, a cantora lançou Animal Sentimental, um álbum e, também, um livro, que são um retrato de todos os seus sentimentos. A sua publicação completa a digressão europeia em que está a embarcar, uma digressão que começou em Portugal e chega ao Teatre Principal em Palma a 10 de setembro.

O animal sentimental é um conceito que engloba “a capacidade que algumas pessoas têm de sentir muito e intensamente, nem todos são assim”, explica a cantora. Este é o nome que ele escolheu para seu novo trabalho, no qual ele mostra seus sentimentos mais íntimos. “Sou uma pessoa muito sensível ao que me rodeia, poder sentir a vida, as coisas bonitas e as que não são, é isso que sempre veio me salvar nos momentos difíceis”, explica a artista.

Comemoração

O novo álbum e livro autobiográfico que ele publicou comemora seus 30 anos de carreira. Os dois se complementam, os capítulos estão em sintonia com as músicas do álbum, que inclui músicas para as quais fez arranjos. “Tenho o meu próprio universo e vou fazendo e desfazendo, sou como um oleiro que cria as suas próprias obras e depois as quebra para criá-las novamente, é o mesmo material”, diz Mísia.

Os concertos também fazem parte desta experiência, pois todos têm uma encenação e prolongam esta história. A sua obra é considerada a melhor representativa do que se convencionou chamar de “novo fado”. Um estilo musical que escolheu, admite, “quando estava longe de Portugal, o que me fez sentir que tinha o fado em mim e por isso decidi”. “Tinha uma visão do fado que queria fazer, diferente da visão tradicional, mas não quero discriminar nada nem ninguém”, diz.

Neste momento, explica o intérprete português, o fado “está num momento muito bom e tem muito apoio oficial. Eles o declararam Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO, embora seja banalizado por estar na moda. Mas, se há muitas vozes muito boas e é um fenómeno que agora tem artistas muito bons, quando comecei era muito difícil”, admite. A artista portuguesa passou quase toda a sua vida no mundo artístico, uma paixão que lhe vem da mãe e da avó, que têm uma longa carreira no Teatro el Molino.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.