Moradores da Extremadura exigem um ‘comboio digno’ às portas do Congresso e mostram-se ‘fartos’ com promessas não cumpridas

Os coletivos exigem um encontro com Raquel Sánchez numa manifestação assistida por acusações de UP, Más País, PP e Cs

Cidadãos e cidadãos, sindicatos e grupos sociais da Extremadura manifestaram-se esta quinta-feira perto do Congresso para exigir um “comboio digno” para a Extremadura e mostrar-se “fartos” das promessas não cumpridas.

Assim, exigiram um encontro com a responsável pelos transportes, Raquel Sánchez, e um reforço das ligações ferroviárias na zona, para acabar com a “discriminação” sofrida neste lote e favorecer o desenvolvimento da comunidade.

Formações como Podemos, IU e Más País ofereceram seu apoio à manifestação, onde as posições do PP e Cs também vieram apoiar essa demanda.

Os participantes levaram cartazes exigindo a melhoria das ligações ferroviárias e slogans para um “comboio digno” e “decente”, além de carregar várias bandeiras oficiais da comunidade autónoma.

Por ocasião do dia oficial da região, representantes desses grupos viajaram de trem de Badajoz a Madri, de onde chegaram à estação de Atocha para se dirigir aos arredores do Congresso, onde se concentraram desde o meio-dia.

MANIFESTO DE RECLAMAÇÃO
O ponto final da mobilização foi a leitura de um manifesto de protesto dos jornalistas Isabel Gemio e Daniel Domínguez, que descreve o protesto como um novo ato de “fatalidade e dignidade” do povo da Extremadura.

O texto destaca ainda que a alta velocidade, que causa “muitos erros e atrasos” apesar dos atos de “propaganda política”, não resolve os problemas de transporte ou o “desmantelamento” da rede ferroviária que atravessa a região.

“Basta! Queremos uma linha electrificada”, aprofunda o texto pronunciado pelos dois comunicadores para exigir o reforço das ligações com as comunidades vizinhas e com Portugal, além de enterrar a linha férrea quando esta passar por Navalmoral de la Mata.

E é que o manifesto aprofunda o facto de a Estremadura ser “discriminada” e solicita uma reunião com o Ministro dos Transportes para discutir um conjunto de medidas, que também serão abordadas no Congresso com o seu pedido de realização de uma sessão plenária no comboio na Extremadura.

INFRAESTRUTURA EM ESTADO “LAMENTÁVEL”
A co-porta-voz da plataforma “Extremadura por um trem que dá espinha dorsal ao território e esfria o planeta”, Solange Jarquín, explicou à mídia que, por meio do grupo parlamentar Unidos Nós Podemos, eles levaram suas demandas à Câmara graças a uma iniciativa do Comité dos Transportes.

“O trem é a economia, sem o trem não haverá desenvolvimento e não deixarão de nos chamar de ‘Espanha Vazia’ (…) Não vamos parar até que nossa mensagem seja impactante. infraestrutura, é preciso ouvir a população”, aprofundou para exigir uma reunião com a chefe de Transportes, Raquel Sánchez.

O seu homólogo deste grupo, José María González, salientou que com este protesto chegam a dizer “em voz alta” em Madrid que a Estremadura tem uma linha ferroviária de alta capacidade que “não está a funcionar” e “além disso querem inaugurar grotesco”, enquanto tem outras seis linhas e é necessário reforçar a rede ferroviária da região com os seus vizinhos: Portugal, Andaluzia, Castela e Leão e Castela-La Mancha.

“Somos a região com a maior densidade de quilómetros ferroviários em Espanha mas numa situação absolutamente lamentável, mesmo com travessas de madeira e claro sem electrificação”, usou da palavra para insistir que recebam o pedido de desculpas oferecido por Raquel Sánchez pelo comboio avarias, mas além de “com licença, ele quer que eu comece a trabalhar”.

PARA CIMA: PEÇA UM TREM DIGNO “AQUELE QUE GOVERNA”
A coordenadora autônoma do Podemos na Extremadura, Irene de Miguel, disse que todos os grupos que apoiam a manifestação deixaram claro que “hoje devemos sair às ruas de Madri para exigir o que é justiça” para a região, que não pede “mais do que qualquer comunidade”, mas o que “merecem” em termos de transporte ferroviário.

“Estamos atrasados ​​há muitos anos e vamos continuar lutando nas ruas. Aqui há políticos responsáveis ​​por essa situação e vamos exigir um trem decente, independentemente do governo”, disse.

Por seu lado, o líder da IU e porta-voz adjunto da United We Can no Congresso, Enrique Santiago, explicou que o espaço confederado defende esta “exigência essencial” de um serviço ferroviário público “em condições”, que irá “definitivamente” apoiar a território e a promoção de infra-estruturas não se limita a uma linha “transversal” que atravessa os grandes cidadãos e que, neste momento, nem está em condições.

“A Estremadura é atualmente a comunidade autônoma que tem a infraestrutura ferroviária mais deficiente e isso obviamente se traduz na falta de desenvolvimento econômico e social necessário”, desabafou para apoiar as reivindicações dos grupos.

PP: COMPROMISSO NAS “CONDIÇÕES” DA VARA
Por seu lado, a dirigente regional do PP, María Guardiola, manifestou o seu apoio à exigência de melhorias ferroviárias e que este é o seu “acordo com o povo da Extremadura” face às “contradições” do presidente regional, Guillermo Fernández Vara.

“Quando for presidente, continuarei aqui, independentemente do governo central, porque o que precisamos é de uma Extremadura que não seja cidadãos de segunda classe quando temos os mesmos direitos que todos os outros”, acrescentou, após participar A concentração.

Guardiola recebeu gritos de “você não nos representa” de vários participantes, embora outro grupo mais tarde o tenha apoiado cantando “presidente”.

Em nome de Ciudadanos, a sua dirigente, Inés Arrimadas, o seu porta-voz no Congresso, Edmundo Bal, ou mesmo o eurodeputado José Ramón Bauzá, que criticou os problemas da inauguração da linha AVE entre Madrid e Extremadura, estiveram também presentes na manifestação onde o executivo coloque “o curativo antes da ferida”.

Nesse sentido, propôs a Bruxelas implementar uma série de medidas para que, através da regulamentação comunitária, os investimentos realizados nos corredores ferroviários sejam efectivamente realizados pelos Estados-Membros.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *