MPLA do Presidente João Lourenço vence eleições em Angola

MADRI, 26 de agosto (EUROPA PRESS) –

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) do Presidente João Lourenço venceu as eleições gerais desta quarta-feira com 51,7% dos votos, após apurar 97,03% dos votos, segundo a última actualização da Comissão Nacional Eleitoral. Comissão (CNE).

O MPLA, partido favorito, obteve cerca de 3.163.000 votos, obtendo 124 assentos dos 220 da Assembleia Nacional, ou seja, a perda de vinte deputados face à legislatura anterior. Apesar disso, tem maioria suficiente para eleger Lourenço como novo presidente para os próximos cinco anos.

Por seu lado, o principal partido da oposição, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), após obter 44,5% dos votos, conquistou 90 lugares, quase 40 mais do que os obtidos nas eleições de 2017.

A UNITA foi a grande vencedora em Luanda com 62,59% dos votos contra 33% do MPLA, que atribuiu estes resultados na capital ao elevado índice de abstenção registado, cerca de 54%.

Da mesma forma, a UNITA anunciou esta quinta-feira que vai aceitar os resultados das eleições e por isso mobilizou todos os seus militantes e eleitores “para evitar situações que perturbem a ordem e tranquilidade públicas”.

Embora os seguintes candidatos tenham obtido resultados residuais, todos melhoraram seus números em comparação com as eleições anteriores. O Partido da Renovação Social (PRS) vai manter os seus dois deputados na Assembleia, enquanto a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) acrescenta mais um e o Partido Humanista de Angola (PHA) recém-chegado à Assembleia com dois assentos.

O grande perdedor nas eleições foi a coligação Convergência Alargada para a Salvação de Angola (CASA-CE), que não terá representação na Assembleia, tendo tido 16 deputados na legislatura anterior.

A Aliança Patriótica Nacional (APN) e o Partido Nacional da Justiça em Angola (P-NJANGO) também não estarão representados na prorrogação do mandato do Presidente Lourenço, cuja formação monopolizou a política do país africano desde que se tornou independente do Portugal em 1975.

As autoridades eleitorais e de segurança coincidiram em apontar que o dia das eleições transcorreu sem grandes transtornos, enfatizando a “civilidade” demonstrada pelos eleitores em todos os momentos.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.