O casal de criminosos portugueses, presos no Carrefour, não resistiu | O dia de Zamora

O casal de criminosos portugueses não ofereceu resistência à sua prisão. No momento do desdobramento, eles estavam carregando alimentos dentro de seu veículo. A afirmação foi feita hoje pelo Comissário da Polícia Nacional de Zamora, Guillermo Vara, durante uma conferência de imprensa realizada na Subdelegação do Governo. Ángel Blanco também mencionou o festival Rave, em Argusino. O deputado disse que antes que os resultados da autópsia fossem conhecidos, o cidadão suíço, que morreu ontem, não apresentava sinais de violência e aparentemente sofria de problemas cardíacos. Também, na reportagem do fim de semana, mencionou o furo sofrido por um menor de 16 anos, durante o baile das festas de Argujillo. A jovem não percebeu o ataque, mas imediatamente sentiu sonolência. Membros da Guarda Civil compareceram na cidade de La Guareña, que questionaram seus amigos sobre o incidente. A família denunciou o caso. O pessoal de saúde transferiu a vítima para a Virgen de la Concha.

Uma densa coletiva de imprensa foi realizada esta manhã pelo Delegado Adjunto do Governo, Ángel Blanco; o Tenente Coronel da Guarda Civil em Zamora, Pulido, e o Comissário da Polícia Nacional da nossa cidade, Guillermo Vara. O subdelegado fez um resumo e, uma vez concluído, os protagonistas responderam às perguntas dos jornalistas.

Rave, em Argusino

Ángel Blanco iniciou o seu discurso lamentando a morte da cidadã suíça em Argusino: “Segundo os dados que temos, ela não apresentava sinais de violência e o que sabemos, provisoriamente, é que sofria de doença cardíaca. Estamos aguardando a autópsia. Em todos os momentos, ela estava acompanhada pelo namorado e amigos.

Pneu furado em Argujillo

Mas muitos outros incidentes também ocorreram em Zamora, como, nas palavras do subdelegado: “Uma possível injeção com seringa. Os fatos ocorreram na noite de 15 de agosto em Argujillo, que estavam em festas patronais. A patrulha de serviço da Guarda Civil foi alertada de que uma mulher havia sofrido um furo. Integrantes da Benemérita viajaram até a cidade, onde conversaram com a suposta vítima, uma menor de 16 anos, que não sentiu a picada, mas sentiu a sensação de uma vacina e a deixou com sono. Ela estava consciente e, em todos os momentos, estava acompanhada de sua família e amigos. A Guarda Civil solicitou a presença de pessoal de saúde e o menor foi encaminhado à Virgen de la Concha. Aguarda-se a análise. A Guarda Civil recolheu uma denúncia e depoimentos de seus amigos.

Enrique Onis

Português

Ele descreveu a prisão do casal português como um sucesso policial: “Dizemos sempre que para que haja uma boa segurança, é essencial a cooperação dos cidadãos e a perfeita harmonia de todas as forças e órgãos de segurança. Este sábado, esta colaboração cidadã foi obtida no centro comercial Valderaduey, onde foi detido um casal português, homem e mulher, autores de vários crimes em Portugal e Espanha. Um cidadão anónimo, a quem agradecemos, informou o COS (Centro Operacional do Serviço da Guarda Civil) que informou de imediato a Polícia Nacional e a Polícia Municipal. Extraordinário trabalho pela celeridade de sua ação, que resultou na prisão dos citados. Devemos dizer que o órgão judicial competente é o Tribunal Nacional e para crimes na Espanha, o Tribunal de Custódia de Zamora. Eles foram ao Comissário e agora estão em Madrid”.

violência de gênero

Incansavelmente, ele tomou conhecimento da violência de gênero neste fim de semana: “Em julho e agosto, os casos se multiplicaram. Nos últimos dias, foram seis prisões. As situações presenciadas pelos menores se repetem. Um dos casos foi o de uma mulher que chegou em sua casa. O companheiro pede-lhe 150 euros, mas ela só lhe dá 50, porque tinha outras despesas a pagar. O homem o chutou no estômago na presença de uma menina de 8 anos. Não há palavras para descrever esses eventos. Tampouco existe uma idade para a violência baseada no gênero. Uma mulher que sofreu abuso toda a sua vida, e ela é uma mulher de 76 anos e o suposto agressor tem 77 anos. E outro caso, onde o agressor tem 81 anos e a vítima 79. problema que vive conosco. A colaboração cidadã também é muito importante para resolver problemas de violência de gênero”.

Tráfego

Do lado do trânsito, uma boa notícia: “Vinte e sete acidentes e ninguém morto ou ferido. Em agosto do ano passado houve mais acidentes do que em 2022, mas 5 morreram e este ano 10. São mais 10 mortes do que em 2021.

Enrique Onis

Fatos da festa de Argusino

E, sobre a parte não revelada, de Argusino, declarou que “os fatos estão sub judice; a Guarda Civil encaminhou o processo para o Tribunal de Polícia de Zamora. O festival foi organizado por meio de redes sociais restritas, como Telegram e WhatsApp. Aparentemente muitos dos participantes eram de outro concerto realizado em Portugal. Veículos auxiliares, estimados em 1.085. Nunca foram mais de 2.500. Ontem de manhã visitamos o local e eles já estavam saindo do festival, que termina hoje. Pertencem a países como França, Itália, Bélgica. Na sexta-feira, foi decidido não deixar mais carros passarem, o que em algum momento gerou tensão. Alguns carros foram deixados de lado, o que significava que os pastores não podiam passar para cuidar de seus rebanhos. Mas a situação foi corrigida imediatamente, deixando um caminho claro. Foram cinco fazendeiros que tiveram suas cercas danificadas.

Ángel Blanco foi ao cerne da questão: “A decisão de não deixar mais carros passar não foi para alimentar o efeito de tração e que não havia mais pessoas. Sempre se buscou uma espécie de equilíbrio na defesa de todos os interesses. Tinha que ser muito cuidadoso. E estávamos muito preocupados com os incêndios. Como nos foi dito ontem, havia sinais para evitar incêndios. O trabalho da Guarda Civil tem sido excelente. Havia pelo menos 30 agentes 24 horas por dia, para fiscalizar e punir as infrações cometidas. Tivemos o apoio de todos os comandos de Castilla y León, exceto Soria e Burgos, devido à distância. Ontem havia agentes de León e hoje de Palencia. Temos também um helicóptero e drones. Atos ilegais não podem ficar impunes. Até à data, foram detidas duas pessoas, sexta e domingo, por alegadas agressões à saúde pública, e já apresentamos 200 denúncias, por tráfico, por narcóticos e por posse de facas e um certo desprezo pelas forças de segurança. Os últimos dados que temos indicam que ao meio-dia de hoje a música parou de tocar. Houve um equilíbrio na tomada de decisão.”

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.