“O coração da reforma”: a saúde aumentará o orçamento da atenção primária em mais de 255 bilhões de dólares

Diante de uma nova reforma sanitária, a ex-ministra Begoña Yarza anunciou em 14 de julho a criação do Conselho Nacional de Universalização da Atenção Básica. Esse órgão é composto por uma comissão de saúde de alto nível, formada por ex-ministros e ex-ministros da saúde, e uma comissão político-social, que reúne representantes do Poder Legislativo, da academia, dos trabalhadores da saúde e das organizações de usuários da saúde. system.system.

Segundo as autoridades de saúde, a universalização da atenção primária é um dos “passos fundamentais” para o início da transformação para um sistema de saúde universal.

Neste contexto, para os Cuidados de Saúde Primários, o projeto de Orçamento de 2023 atribui 3.012.435 milhões de dólares, 255 bilhões a mais que no ano anterior. Ou seja, isso equivale a um aumento de 5,1%. Da mesma forma, o orçamento destaca a implementação de um programa piloto de atenção primária universal em pelo menos dois municípios do país, abrangendo 100% da referida população, que tem um custo de 7.354 milhões de dólares.

Nem todos os serviços de saúde terão o mesmo aumento. De fato, alguns não têm mudanças orçamentárias, como o de Coquimbo, Araucania Meridional e Magalhães. Claro, existem outros que aumentam significativamente seu orçamento.

Por exemplo, o Maule Health Service passa de um orçamento de $178 bilhões para quase 190. Por outro lado, o orçamento do serviço Viña del Mar e Quillota aumentou em 9 bilhões de dólares, já que passou deUS$ 131 bilhões a US$ 140 bilhões.

Luis Castillo, reitor da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Autônoma e ex-subsecretário de Redes Assistenciais, acredita que isso se deve aos planos piloto: “Há municípios com mais investimento para o plano piloto de universalização da atenção básica. Claro que o aumento do orçamento da atenção básica é regular, não há priorização em relação a outros cuidados”.

Héctor Sánchez, diretor do Instituto de Saúde Pública da U. Andrés Bello, concorda: “Acredito que na atenção básica só o que aumentou na proporção do aumento do orçamento e também há um aporte especial nos serviços onde o projeto piloto será implantado. O processo vai ser lento de qualquer maneira e por isso acho esse aumento razoável”.

Claro, o acadêmico explica que dos principais pontos do projeto “as novidades orçamentárias estão na atenção básica e o aumento das despesas de compra privada para patologias de GEE e outros tratamentos, para reduzir as listas de espera.

Além disso, o projeto de orçamento de 2023 aloca US$ 28.374 milhões para um plano de produtividade cirúrgica que visa reduzir as listas de espera para cirurgia, de forma a “melhorar a qualidade dos cuidados e ter tempos de espera razoáveis”, tanto em patologias cirúrgicas GES como não GES. Além dissoUS$ 11.556 milhões são usados ​​para fortalecer a Hematology Oncology Networkaumentar a cobertura dos serviços de Quimioterapia Ambulatorial e Cuidados Paliativos Oncológicos, tem priorizado estratégias no âmbito do Plano Nacional de Câncer.

Este último é importante porque uma das tarefas mais importantes da nova administração é reduzir as listas de espera. Há meses, números e autoridades mostram que as listas atuais são as mais importantes. As patologias Auge/GES são as que mais aumentaram, chegando a 67.417 segundo relatório do Ministério da Saúde de 31 de julho de 2022. Há dois anos, esse número era de 45.8660, ou seja,houve um aumento de 47% (21.551 casos).

A lista de espera de cirurgias também registrou recorde, com 330 mil casos para um total de 293 mil pacientes. O panorama é complexo: se antes da pandemia essas pessoas tinham que esperar 329 dias, em média, para serem atendidas (10 meses), agora esse prazo aumentou para 603 dias, quase 20 meses.

Francisco Araújo

"Nerd de álcool. Leitor. Especialista em música. Estudante típico. Jogador irritantemente humilde. Especialista em zumbis. Solucionador de problemas sutilmente encantador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *