O despovoamento galego, a relação com Portugal e os transportes: foi assim que a agência estatal AI chegou à Corunha

  • La Coruña, Granada e Alicante obtiveram uma classificação “excelente”

  • O relatório estadual elogia a produção e divulgação de pesquisas da Universidade e a musculatura das empresas de TIC e iniciativas públicas em Inteligência Artificial

“Excelente” é o qualificativo que mais aparece no relatório sobre a candidatura de A Corunha acolherá a sede da Agência Espanhola de Vigilância da Inteligência Artificial (Aesia), que o governo concedeu esta semana à cidade. Com a consideração geral de “excelência & rdquor; Três das 16 propostas apresentadas concluíram a avaliação: Alicante, Granada e La Coruña, vencedora. São vários os factores, os motivos, pelos quais a cidade galega obteve a melhor pontuação: desde a escolha do imóvel, La Terraza, à rede de acessos aos transportes públicos, passando pela taxa de desemprego, o combate ao despovoamento e a universidade e ecossistema de negócios que a cidade e seu entorno apresentam. Em seguida, são revistos os pontos fortes da candidatura de La Coruña, publicados ontem no Boletim oficial do estado.

Universidade e pesquisa. “Nível de excelência & rdquor ;, conclui o relatório. Motivos? : 74 projetos relacionados à inteligência artificial (IA) realizados pela Universidade de La Coruña (UDC) desde 2012; o diploma de engenharia de computação com as cinco especialidades que nenhum outro generalista universidade na Espanha possui, além da Licenciatura em Ciência e Engenharia de Dados e a Licenciatura Interuniversitária em IA; e um “excelente” tecido de pesquisa, com grupos e laboratórios especializados em desenvolvimento e aplicações de IA, ciência e tecnologia cibernética, arquitetura de computadores, engenharia de software ou redes neurais artificiais e sistemas adaptativos, imagiologia médica e diagnóstico radiológico, entre outras disciplinas; além de outros grupos focados em segurança cibernética, big data, computação quântica ou aprendizado de máquina (aprendizagem automática).empresas de IA. Mais uma excelência da candidatura da Corunha. O relatório destaca dois pólos de inovação digital na Corunha com mais de 4.200 empresas e entidades que empregam 120.000 pessoas (10% do emprego galego), no município com maior percentagem de empresas TIC (tecnologias de informação e comunicação), das quais 103 trabalham com IA. Altia Consultores, Denodo, Igalia, Allenta Consulting, Nextgal, ITG, Gradiant, Energylab, texto de citação entre diversas empresas e centros tecnológicos.

Empresas de tecidos e “tratores” de TIC. “Massa crítica suficiente de empresas relacionadas com a área das TIC”, indica o relatório do Ministério dos Assuntos Económicos e Transformação Digital. Em números, isso se traduz em 731 empresas TIC em A Corunha (2.897 na Galiza) e 5.507 trabalhadores do setor (18.984 na comunidade, a quinta do país com maior número de empresas TIC). De suma importância são tanto as empresas sediadas na cidade (PWC, Telefónica, Navantia, DATA, Ednon, Minsait como parte da Indra…) quanto aquelas consideradas “tratores& rdquor; que incorporam IA como Inditex, Hijos de Rivera, Abanca ou Gadisa, que “fazem da Corunha, com a sua área metropolitana, o motor económico da Galiza”.

Publicações e iniciativas. O ponto comum de ambos os ecossistemas, o do pesquisador e o da empresa, é a produção periódica de publicações, manuais e pesquisas relacionadas à IA e seu impacto em diferentes setores. Nesta secção, têm peso as contribuições do sistema universitário galego em 2021, 50% dos artigos científicos realizados na Galiza através de colaborações internacionais ou 5,5% das patentes galegas concedidas em Espanha. Outro fator de importância é o número de projetos de caráter internacional postos em marcha pelos centros de investigação das três universidades galegas e outras iniciativas lançadas pelas principais administrações públicas para impulsionar o desenvolvimento de um ecossistema baseado na IA, entre elas a criação a partir de nó igalicIA, a Agência para a Modernização Tecnológica da Galiza em 2011, estratégias digitais, acordos e leis.

O terraço. Os 1.961 metros quadrados da propriedade de O terraçonos Jardins Méndez Núñez, quase cinco vezes o espaço mínimo exigido no processo de escolha da sede do Aesia, e contam com “amplos espaços interiores e numerosas salas e escritórios”. & rdquor ;.

Transporte público. Avaliação “lindo & rdquor; para o eixo atlântico de alta velocidade Vigo-La Coruña com ligação de alta velocidade Madrid-Galiza e para um sistema aeroportuário de três terminais (La Coruña, Santiago e Vigo) “conectado com as principais capitais espanholas& rdquor; e “hubs países europeus como Frankfurt, Amsterdam, Bruxelas, Paris e Londres”.

Contra o despovoamento. A avaliação baseia-se nas projeções do governo do estado para 2035, em que a Galiza é “a região mais rural da Espanha e a terceira comunidade com menor população em grandes núcleos& rdquor; e de fato que 31% dos habitantes da Galiza residem nesses grandes núcleos núcleos para concluir que o Aesia em La Coruña “contribuirá para mitigar os efeitos derivados & rdquor; seu contexto demográfico. Como? “Combater o despovoamento e gerar empregos diretos e indiretos & rdquor;, além de favorecer a presença do setor público estadual.

Desemprego. Um critério de avaliação “ótimo”, já que as estatísticas oficiais colocam a taxa de desemprego na Corunha em 10,9% no terceiro trimestre de 2022, inferior à taxa nacional de 12,67%. Os dados indicam que a cidade “está melhor posicionada em comparação com outras onde as taxas de desemprego são mais altas em comparação com os níveis de desigualdade entre seus habitantes & rdquor;.

Coesão social e territorial. Este é outro critério geral em que La Coruña apresenta uma situação “ótima”. A análise considera que a localização do Aesia na cidade dá “um maior impulso à Galiza no Eurorregião Galiza-Norte de Portugal & rdquor;, que deverá promover uma melhor cooperação transfronteiriça. Este fator terá como efeito a atração e retenção de talentos e a coexistência das línguas oficiais no território.

Comissionamento até o verão de 2023

É difícil precisar quando a sede nacional de Inteligência Artificial começará a funcionar no prédio da O terraço. Julio Abalde, reitor da Universidade de La Coruña (UDC), reviu na segunda-feira, após saber da eleição da cidade, os passos que aguardam Aesia.

Notícias relacionadas

Segundo Abalde, a partir de agora a Câmara Municipal vai discutir com o Estado as necessidades do órgão na área com vista à sua constituição e abertura; então o Estado assumirá a contratação dos trabalhadores; posteriormente, e para além do trabalho na sede, o cidade de TIC Ele será usado para desenvolver aplicativos, projetos e testes-piloto relacionados à inteligência artificial em suas instalações. Abalde estima que a sede só estará ativa “até julho”.

Concello compromissos em saúde e habitação

Ser a sede da Aesia implica compromissos para o Conselho, segundo o relatório de avaliação publicado no bep. A administração local deve criar o Recepção municipal com serviços para as famílias que se instalam na cidade para trabalhar na Aesia, oferecem um complemento de cuidados de saúde por agregado familiar, facilitam um voucher para aquisição e arrendamento de habitação e outro para jardins-de-infância escolares, bem como a promoção de cursos de galego.

Filomena Varela

"Desbravador do bacon. Geek da cultura pop. Ninja do álcool em geral. Defensor certificado da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *