O novo governo português abre com medidas contra a inflação após quatro meses de paralisação política | Internacional

A paralisia política que Portugal vive desde novembro passado, quando o desacordo da esquerda provocou o fim inesperado da legislatura e uma eleição antecipada, terminou esta sexta-feira. O debate sobre o programa de governo, que decorre desde quinta-feira na Assembleia da República, marca o arranque oficial da nova legislatura, caracterizada pela maioria absoluta do Partido Socialista (PS), pela ascensão de formações radicais à direita e o colapso de forças de esquerda como o Bloco de Esquerda ou o Partido Comunista Português, ex-parceiros parlamentares do primeiro-ministro, o socialista António Costa.

O novo Parlamento português mostra que a relação institucional com a extrema direita é uma das principais diferenças entre os partidos maioritários em Espanha e Portugal. A mesa da Assembleia incluirá apenas representantes do Partido Socialista e do Partido Social Democrata (PSD, centro-direita), uma vez que os candidatos apresentados pelo Chega (extrema direita) e pela Iniciativa Liberal, que tiveram direito a uma proposta como terceiro e quartas forças, não conseguiram votos suficientes para se sentar à mesa. PS e PSD também partilharam as presidências das comissões parlamentares.

António Costa aproveitou o debate de quinta-feira para anunciar as novas medidas do seu governo para combater a subida dos preços, que incluem, entre outras, a redução do imposto sobre os combustíveis como medida transitória enquanto Bruxelas não dá luz verde à redução do IVA, ou aumento de famílias beneficiadas com auxílio estatal para compra de cesta básica e gás. As medidas foram aprovadas na tarde de sexta-feira no Conselho de Ministros que se seguiu ao debate parlamentar.

O apoio eleitoral que Costa garantiu em janeiro torna o país uma raridade na União Europeia, onde há apenas dois outros estados, França e Grécia, com governos de maioria absoluta. A vitória política foi interpretada como um triunfo pessoal para o primeiro-ministro, que comparecia pela terceira vez, embora seu retumbante resultado não tenha fechado a porta à especulação jornalística em sua marcha a Bruxelas antes do final da legislatura. Costa aproveitou o debate destes dias para manifestar pela primeira vez seu desejo de permanecer no cargo por todo o mandato. “Estarei aqui quatro anos e meio”, disse ele à Câmara.

A composição do novo governo, que é conjunto pela primeira vez na história de Portugal, alimentou o burburinho em torno de uma suposta saída antecipada do primeiro-ministro para concorrer a um cargo comunitário. No novo gabinete estão os quatro candidatos mais cobiçados à sucessão de Costa: Mariana Vieira da Silva, seu braço direito e uma espécie de super-ministro; Fernando Medina, antigo Presidente da Câmara de Lisboa e Ministro das Finanças; Ana Catarina Mendes, ex-porta-voz parlamentar e agora responsável pelos assuntos parlamentares, e Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e Habitação e representante da ala mais esquerda do Partido Socialista. A entrada nesta equipa de Duarte Cordeiro, chefe da campanha eleitoral, como ministro do Ambiente e Acção Climática, é também interpretada como o quinto convidado na mesa de sucessão.

Este clima levou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a tentar assegurar a estabilidade de toda a legislatura anunciando que convocaria eleições antecipadas caso António Costa saísse a meio do mandato. “Agora que venceu há quatro anos e meio, tenho a certeza que sabe que não será fácil politicamente para este rosto que inquestionavelmente e notavelmente ganhou as eleições ser substituído por outro a meio caminho”, alertou Rebelo de Sousa durante um conferência de imprensa. a tomada do poder, a posse do novo governo há uma semana.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

Após a guerra na Ucrânia e a cascata de impactos socioeconômicos que ela desencadeou, o presidente da República considera ainda mais necessária a estabilidade institucional à frente do país, bloqueada por quatro meses. À crise política de novembro e à realização de eleições em janeiro seguiram-se a decisão do Tribunal Constitucional de ordenar a repetição de eleições entre portugueses residentes em países europeus devido às anomalias detetadas no processo eleitoral. Isso obrigou o calendário institucional a ser adiado em quase dois meses. O país também é administrado com uma estrita restrição orçamentária, já que as contas deste ano não foram aprovadas.

Após o debate parlamentar sobre o programa do governo, que recebeu uma moção de rejeição do Chega que não teve o apoio de outros partidos da oposição, Costa pretende apresentar brevemente à Câmara o projeto de orçamento para 2022, que foi rejeitado em novembro pelo Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português e levou Rebelo de Sousa a convocar eleições. Este documento foi a pedra angular do programa eleitoral da campanha de António Costa, que recebe algumas críticas por não o ter adaptado mais às novas circunstâncias geopolíticas e económicas provocadas pela guerra na Ucrânia, como a escalada da inflação (mais de 5 % em Portugal), que o governo considera temporária.

Acompanhe todas as notícias internacionais em Facebook Sim Twitterou em nosso boletim semanal.

50% de desconto

Inscreva-se para continuar lendo

leia sem limite

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.