O PP pede ao Congresso dos Deputados detalhes sobre a alta velocidade em Toledo e a ligação fronteiriça

O Partido Popular apresentou várias questões por escrito ao Congresso dos Deputados pedindo esclarecimentos sobre os trabalhos em curso na rota do “Comboio de Alta Velocidade” Extremadura-Madri, no que diz respeito aos seus procedimentos, itens orçamentais e nível de ‘ execução.

O deputado popular de Badajoz, Víctor Píriz, disse em nota que o objetivo é que “sejam especificados dados reais” em relação a todo este trabalho ainda por concluir.

Atualmente “a única coisa que os extremadurianos têm é um Alvia que passa por uma linha que não está totalmente eletrificada, que só chega a Plasencia a uma velocidade de 85 quilômetros por hora e que acumula atrasos contínuos em sua chegada a Madri”. O PP não explicou como calculou a velocidade médiajá que os 500 km entre Badajoz e Madrid de comboio, o Alvia percorre-os em 4 horas e 33 minutos, uma média de 118 km/h, que entre Badajoz e Plasencia, onde se encontra toda a nova linha, é ainda mais elevada.

As melhorias “foram, portanto, mínimas”, o que representa “mais uma provocação para a Estremadura, suas famílias e seus negócios”.

A chegada do AVE na região “já não admite atrasos” e para isso a estrada precisa ser concluída com urgência em Madrid. O PSOE lembrou repetidamente que foi o PP que permitiu o término da relação ambiental entre Navalmoral e Madrid

“Os extremadurianos exigem um comboio rápido e seguro como o que outras regiões já têm, -afirmou- não um tartane que não ultrapasse os 100 quilómetros por hora [en realidad el Alvia alcanza los 180 y el Intercity casi los 200]porque os cidadãos da Extremadura não são de segunda classe, quer o presidente regional, Guillermo Fernández Vara, concorde ou não”.

Por esta razão, o PP pediu ao governo central em relação ao situação da execução orçamental, discriminada por provínciatanto da Administração Geral do Estado como das empresas, entidades, consórcios e fundações públicas envolvidas neste trabalho.

Ao mesmo tempo, também queremos saber se há avanços em relação à Estação Internacional de Caya (Badajoz-Elvas) e na ligação de alta velocidade entre Espanha e Portugal, ou se o Alvia puder entrar no país vizinho enquanto o AVE estiver terminadoentre outros problemas.

“As relações comerciais luso-espanholas são essenciais para o desenvolvimento económico e a criação de emprego na região, -disse Píriz- estar ligado aos portos portugueses com vias de comunicação modernas e rápidas é essencial para a exportação de produtos da comunidade e para a chegada de turistas, e deve ser levado em consideração”.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.