O PP vai pedir negociações com Portugal para adaptar o acordo de Albufeira que obriga a dar água ao país vizinho

O grupo parlamentar popular vai exigir na próxima sessão plenária das Cortes o “início imediato” das negociações entre o executivo central e o governo da República Portuguesa para adequar o conteúdo e os efeitos do chamado “acordo de Albufeira” perante a mudança “sonora” nos fundamentos econômicos e sociais desde sua assinatura em 1998.

Aliás, o “popular” não descarta a possibilidade de denunciar este acordo, que se aplica às bacias dos rios Minho, Limia, Douro, Tejo e Guadiana, caso as negociações entre países vizinhos se mostrem insatisfatórias.

É o que indica a proposta de resolução de uma das propostas não legislativas (PNL) que o “popular” vai trazer para a próxima sessão plenária face ao “descarregamento maciço” decidido pelo Governo Nacional desde Julho “sem dialogar com os afetados e sem considerar suas consequências com “desconforto significativo” nas comunidades de irrigação de León, Zamora e Salamanca e em outros setores econômicos, como o turismo, “que precisam de um volume mínimo em pântanos e reservatórios para o desenvolvimento de sua atividade”. .

“Os sectores e a sociedade afectados, em geral, merecem uma explicação urgente e que sejam adoptadas as medidas correctivas necessárias”, pede o Grupo Popular, que pede para pôr em prática “os mecanismos necessários” para mitigar os prejuízos causados ​​pelas últimas descargas em ao sector agrícola e aos restantes sectores afectados “pela redução drástica do nível de água nas albufeiras e pântanos, principalmente em León e Zamora”.

O PP defende ainda a articulação das “medidas de precaução necessárias” para corrigir os “efeitos negativos” sobre a situação das albufeiras e abastecimento de água para rega e outros usos e uma urgente reformulação do novo plano hidrológico, visando o uso eficiente da água já criação de reservas de água utilizáveis ​​em tempos de escassez, bem como o compromisso de aprovar os planos hidrológicos da bacia, incluindo o correspondente ao Douro, “mais e melhor regulado e gerido”.

A isto acrescentam a necessidade de novas infraestruturas que aumentem as reservas e armazenamento de água e garantam a cobertura das necessidades de irrigação e outros usos “, tudo de acordo com a resolução aprovada na sessão plenária das Cortes de Castilla y León realizada em setembro 20 e 21 de 2022”, afirmam.

Alex Gouveia

"Estudioso devoto da internet. Geek profissional de álcool. Entusiasta de cerveja. Guru da cultura pop. Especialista em TV. Viciado em mídia social irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *