O triunfo de Mauricio Moreira em Portugal, comentado por Federico e Agustín, pai e irmão, também ciclistas profissionais | o diário

Mauricio Moreira percorreu o percurso a passar o décimo terceiro minuto do contrarrelógio individual, na fase final da Volta a Portugal sediada em Viseu. Ele o fez, pelo menos até que a imagem da TV o mostrasse desorientado na beira da estrada; sua bicicleta estava no chão. A voz falando sobre o incidente que estoura na tela confirma: “Mauricio Moreira caiu”, diz em português.

Esta é uma notícia velha, a crônica de um episódio do ano passado, escrito um ano depois para nos ajudar a reviver o difícil momento em que o maior ciclista profissional uruguaio da atualidade perdeu a oportunidade de vencer a última etapa e classificação geral da 82ª edição da Volta em Portugal. O piloto da Efapel ficou 12 segundos atrás do líder do dia, e apenas 32 segundos à frente de Amaro Antunes, concorrente português que estava à sua frente por 42 segundos na classificação geral no início da etapa. O pódio terminou em vitória para a equipe local, apenas dez segundos à frente do uruguaio; um golpe mental, causado por uma batida na estrada.

Um ano depois, Moreira, de 27 anos, freia antes do tempo ao chegar à última curva muito acentuada da estrada entre a cidade do Porto e Vila Nova de Gaia, na margem oposta do Douro, onde os rabelos das caves dos Vinhos do Porto estão alinhados junto à ponte metálica que atravessa o rio. A última etapa de 2022 foi novamente um contra-relógio, ainda mais difícil tecnicamente do que no ano passado, e o uruguaio dominou todos os setores para vencer a etapa e o geral. “Aqui, vivemos isso com entusiasmo. Com muito nervosismo porque no ano passado teve a oportunidade de vencer e uma queda na última etapa do contrarrelógio o impediu de fazê-lo”, lembra Agustín Moreira por telefone de Salto, poucos minutos após a consagração de seu irmão durante a 83ª edição. .

Mauricio acaba de se tornar o primeiro uruguaio a vencer uma etapa deste nível, na Europa, e suas três irmãs, seus avós e Agustín, também ciclista profissional do clube Cerro Largo, vivenciaram isso em sua casa em Salta. “Sempre existe esse fantasma de que pode acontecer alguma coisa, uma queda”, admite, marcado pela memória fresca do que aconteceu em 2021. “Fisicamente sabíamos que ele estava indo muito bem. Vê-lo pedalando na TV me faz perceber, ele é meu irmão, eu o vi toda a minha vida, estava cruzando os dedos que tudo ficaria bem e tudo ficaria bem”, e foi-se.

Apoie nosso jornalismo.
Assine por $ 195/mês

Mauricio chora, arrependido ou aliviado, ao cruzar a linha de chegada por muito tempo, mesmo respondendo perguntas na televisão. Em português claro mas não nativo, diz que venceu como o pai, num contrarrelógio, e presta homenagem a ele, que está ali e que está a poucos metros da meta.

“O que a tecnologia não prevê são as desgraças, e uma das coisas que conversei com o Mauricio antes da largada foi que este ano ele teve mais liberdade, olhando os recordes e não arriscando em cada esquina”, explica Federico. Moreira, hexacampeão da Vuelta del Uruguay. Naquele dia, ele o acompanhou na largada e caminhou até a chegada. Com a ponte quebrada, não chegou a tempo à linha de chegada, mas viu o filho percorrer mais uma etapa do percurso, implorando no celular por um pouco de sinal de internet para assistir ao programa de TV.

Poucos dias se passaram desde a consagração de Mauricio e Federico ainda está em Portugal, acompanhando-o até sua casa em Santa Maria da Feira, onde vive com sua companheira. “É uma cidade que fica a cerca de 25 quilómetros do Porto e a 12 ou 13 quilómetros do mar, na encosta da montanha. É uma zona bastante montanhosa, com quedas muito grandes, perto da fronteira com Espanha, na Galiza”, diz o pai sobre a geografia do local. Parece um lugar ideal para os preparativos de um ciclista profissional, que muitas vezes terá que definir corridas em subidas montanhosas. “Você pode encontrar montanhas para todos os gostos. Subidas que variam de dois, quatro ou cinco quilômetros, até os 28 quilômetros que temos onde se concentram, com inclinação média de 9% ou 10%”. Pedale cem metros e suba nove ou dez, em média, mais de 28 quilômetros. Às vezes, esse é o cúmulo do desafio.

“O que a tecnologia não prevê são os infortúnios, e uma das coisas que conversei com o Mauricio antes da largada foi que este ano ele tinha mais espaço para se administrar, olhar os recordes e não arriscar em todos os cantos”. Frederico Moreira

O erudito

Há preparativos em horários específicos, para uma competição ou uma digressão por palcos. E há outros que duram anos, como o que esta geração de Moreira viu em suas casas. Agustín descreve o processo, seu processo de aperfeiçoamento, e também o de Mauricio: “Acho que o que vimos em toda a nossa vida, e estamos integrando-o gradualmente inconscientemente, é a disciplina às vezes em que é preciso ser disciplina. Obviamente, há momentos divertidos no ano e na vida, mas a disciplina de fazer as coisas certas na hora certa é importante”. Para o mais velho, o mais novo do Moreira que acaba de vencer o Volta tem uma grande tolerância ao sofrimento. Em subidas difíceis, sim, mas sobretudo nas circunstâncias que o profissionalismo lhe exige: “Está do outro lado do mundo e é a diferença que leva certos atletas ao sucesso. A possibilidade de estar longe de casa, longe da família e do entorno. E é aqui que mais destaco a capacidade de sofrer. Foi isso que levou o Maurício aos seus triunfos e acho que também me deu satisfação a nível desportivo”.

O registro da família continua a crescer. Seis Vueltas del Uruguay e três Rutas de América para Federico, uma vitória em Rutas para Agustín, segundo na mesma corrida e terceiro na Vuelta. Agora Mauricio acrescenta mais uma cereja, com a mais importante vitória de estrada em muito tempo para um ciclista uruguaio, senão a mais importante de todas, para a categoria. Federico não se vê como a pessoa certa para colocar a vitória do filho em uma etapa da história do ciclismo celestial, mas se sente encorajado a valorizar a etapa que Mauricio está subindo. “Você pode ganhar ou perder, mas estando nesses níveis, como uma família, estamos definitivamente satisfeitos e felizes com o que ele fez”, disse ele.

Agustín nos lembra alguns momentos decisivos na vida de Mauricio: “Ele teve muitos acidentes na infância e lesões. Um grave acidente aos 12 anos o deixou à beira da morte, vários dias no CTI para se recuperar. Parece-me que sendo irmão vejo coisas que os outros não veem”, explica, tentando revelar os locais por onde o novo campeão teve de passar.

Ele evoca em particular o momento do retorno ao amadorismo. Quando a Caja Rural não o renovou em sua equipe profissional há alguns anos, “ele viu ainda mais a possibilidade de ser profissional”, explica, “estava prestes a deixar a moto e vir para o Uruguai”. O sentimento fraterno pode ser resumido em poucas palavras: “Há muitas coisas que fazem este prêmio hoje multiplicado por mil, e que a alegria de todos nós é enorme pelo que está acontecendo com ele.

“Para mim, os sentimentos são os mesmos, ganhar ou perder, porque andar de bicicleta é assim”, diz Moreira Sr. “Logicamente, a maior satisfação é para ele. A maior satisfação que você pode ter como pai é antes de tudo que seu filho termine uma competição são e salvo, porque você sabe o que significam as quedas, você vivencia em primeira mão, algumas muito duras”, lembra.

Que nós somos

O microfone aponta para Mauricio, a câmera também. Ele ainda está animado, depois de lembrar que ganhou como seu pai. Mas ele esclarece: “Não sou nem um quarto dele, porque as pessoas se viraram para vê-lo e gritaram seu nome na estrada”.

Calles cantando seu nome é como o filho descreve o pai, a nova figura vencedora que pode tê-lo inspirado ao longo de sua carreira. O pai devolve a bola para o filho, respondendo a pergunta sobre seu papel na carreira de Mauricio: “Não é porque alguém foi ciclista que eu posso te aconselhar ou te dizer como você deve fazer as coisas hoje, para que ele possa ser onde ele está.” O irmão dá mais uma olhada: “Muitas vezes as pessoas pensam que é difícil ou desconfortável. [ser hijo de Federico]. Quando você é menino você não tem muita noção das coisas e isso pode te incomodar um pouco. Mas quando você cresce, você toma isso como referência”.

Entre as ideias que muitas vezes terão sobrevoado, Agustín Moreira explica ainda: “Escolhemos ser ciclistas. Eles nunca nos disseram “eles têm que ser ciclistas”. Para mim, meu pai é uma grande referência e, ao longo dos anos, mostramos que usamos com orgulho o nome da nossa família em todos os lugares. Agora também para Portugal.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.