Os fermentos de algas Ulva melhoram o seu desempenho como ingrediente na alimentação de robalo europeu

As macroalgas são ingredientes promissores na alimentação da aquicultura devido às suas altas qualidades nutricionais, crescem rapidamente e não competem com a alimentação humana. Além disso, usam pouca água doce e são um excelente recurso para o ecossistema. No entanto, nem tudo pode ser perfeito, incorporados às matérias-primas apresentam limitações de uso devido à estrutura dos polissacarídeos que incorporam.

Para aproveitar ao máximo os nutrientes das macroalgas, é necessário realizar um pré-tratamento de sua biomassa que torna suas proteínas, açúcares e carboidratos mais digeríveis. Existem várias opções de tratamento, que podem ser químicas, físicas e biológicas. Cada um desses métodos modifica a composição química e a microestrutura da biomassa de algas de forma diferente e torna possível tornar as algas um ingrediente interessante para rações para aquicultura.

Para descobrir qual o método mais interessante para incorporar esta matéria-prima na alimentação animal, investigadores portugueses do CIIMAR da Universidade do Porto e da Universidade do Minho realizaram um interessante estudo no qual avaliaram os diferentes pré-tratamentos disponíveis para a Alga Ulva rigida avaliando composição química, microestrutura morfológica, liberação de açúcares redutores, proteínas solúveis e compostos fenólicos.

O ingrediente foi testado na dieta de juvenis de robalo europeu (Dicentrarchus labrax), um peixe de aquicultura comercial que, neste caso, foi utilizado como modelo experimental.

Sete tratamentos foram testados no estudo: divididos em três tratamentos físicos, nos quais foram utilizados ultrassom, autoclave e micro-ondas; tratamentos de modalidades químicas, ácidas e alcalinas; enquanto a biotecnologia usou fermentação em estado sólido seguida de hidrólise sequencial. Todos os tratamentos, como apontam os autores deste trabalho, aumentaram o teor de proteína e hidrolisaram a estrutura do polissacarídeo, objetivos alcançados.

O pó de alga Ulva rigida utilizado no estudo foi obtido da empresa AlgaPlus, com sede em Aveiro, Portugal. As dietas foram elaboradas com 47% de proteína bruta e 18% de gordura bruta. No controle positivo, foi utilizada uma dieta com 25% de farinha de peixe. As dietas experimentais foram elaboradas com 5% de algas marinhas cruas modificadas por ultrassom, pelo método alcalino, por fermentação sólida e melhoradas por hidrólise.

Robalos juvenis foram comprados da fazenda cantábrica de Sonrionansa.

Os resultados mostram que a fermentação em estado sólido seguida de hidrólise sequencial foi mais eficiente na quebra de celulose e hemicelulose, aumentando a liberação de açúcares redutores. Por sua vez, o tratamento alcalino foi o mais eficaz em aumentar a liberação de compostos fenólicos e proteínas solúveis.

Segundo os autores, o método mais eficaz foi a fermentação em estado sólido, que melhorou a eficiência alimentar de juvenis de bass, melhorou o desempenho de crescimento e aumentou a atividade de celulase e xilanase.

A tecnologia de fermentos sólidos de algas ainda está em fase experimental, sendo necessários mais estudos. Além disso, os pesquisadores recomendam continuar pesquisando outras cepas de fungos isoladas de ecossistemas marinhos para aumentar o crescimento de fungos e maximizar a produção e liberação de compostos bioativos.

A inclusão dietética de macroalgas processadas nas rações da aquicultura ainda é rara, mas este trabalho mostrou que é possível obter biomassa de algas nutricionalmente melhorada que beneficia a utilização da ração pelos peixes e, portanto, ajuda a reduzir os custos. produção de alimentos e o uso de ingredientes marinhos acabados.

Cristiano Cunha

"Fã de comida premiada. Organizador freelance. Ninja de bacon. Desbravador de viagens. Entusiasta de música. Fanático por mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.